Cadela para o negão

08-07-18 Por 0 ★ 3.00

O bom desse novo namorado de minha esposa e que os dois tem horários diferentes e raramente eles estão livres no mesmo dia e como ele mora longe e pelo que eu sei, eles se encontraram poucas vezes.
Chamei Fernanda para uma DR, falei tudo que eu acho dela principalmente que ela está virando uma puta de rua e que isso está matando o meu amor por ela, ela não disse nada, abaixou a cabeça e encheu os olhos de lagrima. Falei tudo que eu queria, no final mandei ela escolher, se ela quer ser uma puta de rua chupando rola na frente dos nossos vizinhos e amigos em frente à estação de trem ou volta para mim? A resposta dela foi que me ama e me quer, que as últimas fodas comigo faram as melhores de sua vida, que é essa atitude que ela esperava de mim. Na minha frente minha esposa ligou para o seu namorado, fiquei surpreso, um troglodita, disse ela. Sem maiores problemas ela terminou o namoro com ele e me mostrou um pequeno vídeo que ela havia preparado de sua última transa com ele em um quarto de hotel, mas que tinha sofrido muito com os abusos dele e desistiu de me mostrar e que naquele dia, em frente à estação de trem ela foi obriga a chupar até ele esporrar em sua boca(no conto minha esposa tem um namorado).
No vídeo ela apareceu sentada no chão forrado por um cobertor com as pernas cruzadas e os calcanhares na buceta, completamente nua com cara de assustada. O negão também nu e de pau duro ajeitava a câmera. De pé em sua frente mandou minha esposa engolir seu saco, mas ela segurando o pau primeiro bateu uma e chupou a cabaça e depois lambeu o saco, levou um tapa forte na cara e foi humilhada com palavrões tapas na cabeça e toda vez que ela tentava se proteger apanhava mais ainda. Com puxões de cabelo e orelha foi fodida na garganta, vomitando três vezes. O negro ajeitou a câmera para gravar os dois em pé e puxando-a pelos cabelos ouvi um fica em pé cadela, posicionada de lado para câmera com as duas mãos apoiadas na parede o negão abriu suas pernas e meteu o piru preto na buceta, inteiro de uma vez só. Minha indefesa esposa gritou de dor e implorou para ele para, em vez disso puxando o seu cabelo para traz deu um tapa na baca dela que calou na hora, mas a tortura continuou foram uns deis minutos metendo forte com tapas na coxa e na cara dela. O negro posicionou o pau no cu dela e meteu fundo a deixando na ponta dos pés na tentativa de amenizar a dor. Encostado na parede com minha esposa espetada em seu piru preto o negro agarrou em suas carnes da cintura e forçou-a a rebolar e a foder seu pau. Esse sofrimento durou alguns minutos até que ela conseguiu escapa, mas segurando-a pelo braço deu um forte tapa com as costas da mão em sua bunda. Fernanda desligou o vídeo e falou.
-Chega, aquele negro filho da puta me fez de cadela! Amarou um lençol em meu pescoço, enfiou a ponta de uma fronha em minha bunda e andou comigo pelo quarto.
-Eu não sabia.
-Ele ainda ficou me torturando por mais duas horas, comeu meu cu várias vezes e gozou com o piru enfiado na minha garganta. Foi horrível, corri para o banheiro e vomitei. Ele não gostou e esfregou meu rosto no vomito, me deu vários chutes na bunda e foi embora me deixou sozinha lá.
-Por que você não ligou para mim querida?
-Eu liguei para alguém especial, adivinha quem?
Disse sorrindo.
-Nem precisa dizer, seu salvado (seu Pedro do conto marido dona de casa).
-Sim foi ele sim, isso aconteceu na segunda-feira e hoje estamos juntos e cada dia eu gosto mais. É ele o namorado que eu procurava, come a minha buceta e me faz de cadela dele com todo carinho e claro. Sei que do meu salvador você não sente ciúme, né querido, porque foi você que armou para que eu me apaixonasse por ele dês do começo, não é meu corninho lindo?
“Continua”

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,00 de 7 votos)

Por

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos