Cadela para o negão- 2

08-07-18 Por 0 ★ 3.67

Continuação do conto “Cadela para o negão”.
Fiquei sem saber o que responder.
– Não precisa falar nada o seu pintinho vai responder por você.
Me deixando mais confortável no sofá tirou minha roupa e com creme hidratante nas mãos começou a me masturbar.
– É por isso que eu te amo, você sabe o tamanho do caralho que faz minha buceta gozar…
Enfiou um dedo no meu cu e continuou com uma lenta masturbação.
– Já dei o cu para outros machos mais o piru do seu Pedro e o único que o meu cu aceita reclamando, como ontem fui à casa dele as nove da manhã, eu tinha que chegar no serviço as deis horas, cheguei lá as onze e meia foram duas horas de pica no cu sem senti dor alguma. Usamos camisinha e meu macho gozou na minha boca.
Fernanda acelerou a masturbação e agora tinha três dedos no meu cu.
-Que piru maravilhoso tem o meu namorado são 25cm por 7cm eu acho, nunca medi, cabeça grande parece uma maçã pequena toda preta me lembra chocolate, da vontade de morder. Eu já mordi várias vezes, mas o melhor é fica de quatro como uma cadela e ser fodida pelo dono do meu corpo.
Gozei, minha esposa tirou a roupa, deitou no sofá de pernas abertas e disse.
– Vem lamber a buceta que não e mais só sua….
Caí de boca nela que dando os primeiros sinas de espasmo de gozo…
-Agora eu liberei minha buceta para o nosso vizinho negão. Toda vez que ele sente vontade de comer buceta o meu celular toca e eu vou correndo para a casa dele. Foi assim ontem eu já atravessei a rua sem calcinha. Ele me chamou para tomar banho junto com ele, o primeiro banho do dia. Não deixe arranquei a calça dele ali mesmo na sala e mamei aquele caralho delicioso e quando ele me entregou a camisinha para eu colocar no seu piru preto eu já sabia que ele queria comer minha bunda fiquei de quatro no sofá ergui minha saia e deixei o resto com ele…
Minha esposa entrou em transe tremendo e gritando prendeu minha cabeça entre suas pernas e jorrou na minha boca.
O nosso vizinho negão faz minha esposa gozar mesmo não estando presente. Não dá para competir com ele, resolvi aceitar de vez minha condição de corno do seu Pedro meu vizinho e amigo negão.
-Querida eu deixo você namorar o seu salvador quando você quiser, mas por favor não esconde nada de mim eu quero saber de todos os detalhes.
Beijou minha boca e falou.
– Corno manso sei o que você quer, meu corninho quer lamber a sua esposa puta suja de porra de um macho de verdade. Minha buceta limpinha assim não tem a mesma graça, não é?
Balancei a cabeça concordando com ela.
Continua em “O negão escreveu em minha bunda”.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,67 de 3 votos)

Por

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos