Adulto chupador de garotos, pensava eu 3

16-07-18 Por 7 ★ 4.41

Depois de ser “enganado” e sentir o calor da primeira gozada dentro de mim, pisquei meu cu e me mexi na cama até expulsar o pau do Raul e fiquei calado e com cara de preocupado por ter sido comido sem eu querer. Raul ao perceber minha fisionomia triste puxou conversa falando de como ele foi comido pela primeira vez e depois passou pela mesma tristeza. Ele começou a fazer carinho no meu pau até ele ficar duro novamente, se posicionou de quatro e mandou-me enfiar com força para ser o macho nessa hora. Gozei todo feliz e me convidou a tomar banho, ao lavar meu ex-cuzinho, senti arder e ele comentou que é normal. Ao me secar ele me mandou ficar de bruços e ele iria passar pomada para parar de arder, ele passou por fora e só com a ponta do dedo por dentro porque estava travando o cu para evitar nova enfiada. Fui embora com o rabo doendo estranho e com coceira.
Cheguei em minha casa e fui ao banheiro e ao tentar cagar só saiu uma gosma branca clara que era porra do Raul, por ser tarde, tentei dormir mas acordei assustado várias vezes. No dia seguinte a sensação da fincada que levei e do calor da gozada dele não saía da minha cabeça e após a escola fiquei com vontade de voltar na casa do Raul e não sabia o que falar e com medo dele achar que tinha gostado e desejava novamente, mas eu queria ir e com vergonha de assumir.
Passei a tarde pensando e a noite arrependido de não ir e com uma baita interrogação na cabeça e coceira no cu.
No dia seguinte após a escola fui e fiquei de longe observando a casa do Raul e ao perceber que ele estava na frente mexendo em algo no jardim, comecei a andar na calçada oposta como só estivesse passando por ali e o Raul a me ver me chamou e eu atravessei a rua em sua direção e ele me convidou a entrar para beber algo devido o calor aceitei morrendo de medo que ele percebesse que eu queria levar pau no cu. Ele me tratou e conversou normalmente e falando que estava de folga e arrumando várias coisas na casa e devido ao calor iria tomar banho para se refrescar e me chamou para continuar a conversa e foi andando e tirando a roupa e ao ficar pelado com aquela bundona linda meu pau deu uns pinotes e mostrando que sou macho cheguei perto dele e passei a mão na bunda dele e perguntei se depois poderia meter nele e a resposta foi rápida e direta.
– Deixe me lavar e me secar e sou todo seu.
Enquanto ele se lavava eu já tirei a roupa e mexendo no meu pau para ficar durão e o cu piscando para me lembrar de quanto gostei do ferro que levei. Raul saiu se enxugando e ao me ver pelado, o pau de meia bomba já deu uma cabeçada na barriga dele e ficou duro. Ele deitou e pediu para eu deitar. Ele foi beijando minha orelha, lambendo meus peitinhos, lambendo a barriga e agasalhando meu pau com a boca quente e se pôs em 69. Com o pau ao lado do meu rosto, eu não pensei o que ele poderia achar e segurei aquele tronco, muito maior que o meu, e dei beijinho na cabeça que começou a babar. Pensando na pica dele pulando na minha boca e o salgadinho da baba de macho dele, esqueci o que ele estava fazendo e ao prestar atenção sinto a linguada no cu e não consegui segurar uns
– Isssss, aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, isssssssssssssssssssssssss, aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii
Meu cuzinho piscava na língua dele, parei de chupar para facilitar a língua dele novamente só que mais forte e funda, quente e molhada, me virando de bruços e mordendo o travesseiro para tentar esconder meus gemidos mas meu corpo pulava sem controle e Raul foi posicionando outro travesseiro embaixo da minha cintura e levantando minha bundinha. Ele pacientemente me lambia o saco, o cu e subindo no rego da bundinha até chegar ao meu cangote e colocar a língua na minha orelha e esfregar o pauzão na minha bunda. No meu ouvido falou baixinho no momento que encostou o cabeção no meu cuzinho
– Menino você quer sentir meu pau dentro de você novamente??????
Naquele momento já tinha esquecido a dor da primeira vez, do medo de virar viado ou se alguém soubesse desse meu desejo eu disse bem baixinho com a cara no travesseiro.
– Quero, mas vai devagar, por favor.
Raul estendeu o braço e pegou a latinha de vaselina, eu já sabia o procedimento de lambuscar o rabo dos outros, porem de cara no travesseiro como se não fosse eu que seria comido. Ao sentir ele terminar o procedimento, de lubrificar um garoto, para ser enrabado, se deitou com a barriga na minhas costas e senti ele posicionando a cintura dele para baixo e o contato daquela cabeçona e quente novamente no olho do meu cuzinho. Foi automático eu travar, pois lembrei que doeu e ele no meu ouvido dizia:
– Relaxa, relaxa, sente o quentinho da minha caceta, abre a bundinha com as mãos, separa bem e faça força aos poucos para tentar fazer côcô, faz força e relaxa e sente o calor tentando entrar em você, relaxa, puxa para abrir e relaxa, força, sente o quentinho entrando, vaiiiiii força, coragem, relaxaaaaa e sente o quentinho.
Foi nessa hora que senti entrar a cabeça como se fosse um ferro quente, tentei sair, pular, fugir, gritar e só consegui sentir uma dor que amoleceu minhas pernas e ele no meu ouvido:
– Para de lutar, abre a bundinha e relaxa, relaxa, abre a bundinha, relaxa, relaxa, vai gostosinho, relaxa e sente eu dentro de você.
Mordia o travesseiro e ao conseguir relaxar e não tencionar as costas, a dor sumiu, e senti o calor do pauzão dele. O Raul ao sentir que relaxei, deixou o corpo cair totalmente de encontro ao meu e ele pressionar a cintura para frente e eu não tendo como escapar ou ir para frente pois ele tinha passado os braços dele por debaixo do meu peito e segurando meus ombros, pressionou e senti os pentelhos dele grudando na minha bunda e começou o tira um pouco e finca tudo. Fiquei relaxado para ver se não doía e ficou fácil paro Raul, socar, socar, socar e gemendo no meu ouvido.
– Garoto gostoso, estou viciado nesse seu rabo, quero te fecundar com meu leite quente. Toma no cuzinho garoto, toma, sente meu pau mais quente, mais quente, issssss, delíciaaaaaaaaa.
Eu senti meu cu ter vida própria e piscar, piscar, piscar, piscar e mordendo aquele caralho entrando e saindo. Sinto uma dor estranha nas bolas e a cabeça do meu pintinho coçar forte e comecei a gozar muito estranho, uma sensação muito diferente, somando dor, coceira, enquanto tomava fincada cada vez mais forte e gozei, gritando abafado no travesseiro e Raul dá uma empurrada do cacete dele e pulsando dentro de mim, o calor de sua porra entrando bem fundo, ele não parava de falar baixinho como suas forças estavam concentradas no caralho que continuava a pulsar e ele dizendo:
– Ahhhhhhhhhh deliciiaaaaaa issssssss gostosinho, estou te engravidando com minha porra quente, tô pondo todo meu leite no teu estomago, meu garoto, meu tezão, sente virar minha mulher, tá entrando tudo, segura meu néctar dentro de você, morde essa cussetinha, pede mais porra, pede minha menininha.
Não aguentava tantas sensações novas e deliciosas e pedia:
– Me fode, me fode, me chame todo dia para te dar meu cuzinho, me chame, eu quero todo dia esse seu caralho dentro de mim, quero seu leite na minha bunda, como é gostoso esse calor, como é gostoso gozar com seu caralho no cu, quero todo dia, me chame, me chame, por favor, eu preciso………..ahhhhhhhhhhh, issssssssss sou sua menininha, seu viadinho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,41 de 22 votos)

Por

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. John Deere,Matador de Veados

    Já dei meu cu algumas vezes, inclusive quando criança, pois minha mãe era prostituta e os caras metiam nela e em mim. Eu gostava sim, e muito, de sentir um pauzão rasgando meu rabo, mas tomei raiva da viadagem porque um dos machos que comia eu e minha mãe passou o bichinho da goiaba pra gente. Minha mãe morreu desnutrida, ressecada, desdentada, descabelada e muito fodida. A AIDS acabou com seu corpo, e eu fiquei sozinho no mundo. Comecei a dar o cu nas estradas pra poder me sustentar. Por causa desse sofrimento todo comecei a ficar com raiva, mas confesso que meu maior sonho é encontrar um macho legal que me assumisse, e eu seria sua putinha fiel.

    • Daniel Coimbra

      Este tal de JOHN DEERE só le contos homossexuais onde destila toda sua raiva por não ter a coragem de assumir que é viado que nem eu
      Vamos lá garotinha,quem sabe a gente se cruza poraí e sai pra arranjar alguns machos!

  2. Daniel Coimbra

    Muito gostoso. Um tesão. Deixou meu cacete hiper-duraço. Vou nas ruas hoje caçar um menininho pra mim. Vou fuder no cuzinho dele bem gostoso.

  3. Cadu

    Delícia de contos , adorei os três , me fez lembrar bons tempos . Beijos .

  4. John Deere,Matador de Veados

    Vc pensava ser adulto chupador de rolas,mas tem certeza que é um veadão
    Cuidado em veado,o titio Deere está pelas ruas!

  5. Pelado Santos

    Que delicia. Tô de pau duro

  6. O Site Ainda tem Salvação

    Caraleo! Gozei com os três contos! Queria um menininho assim pra mim!