Quebrador

Autor

Eu posso apostar que a maioria de vocês tem ou conhece um amigo babaca. Aquele que ta sempre arrumando confusão por onde passa, se mete em briga, maltrata garçom, valetes, é machista, preconceituoso, se acha o maioral, mas na verdade é bem cuzão. Pois é, esse é um relato que retrata esse tipo de cara.

Ai você me pergunta: Se o cara é tão babaca assim, você anda com ele porque? "Diga-me com quem andas que eu te direi quem és." Eu respondo que é um bom questionamento, no entanto, todo relacionamento é baseado em algum tipo de interesse, e eu, tinha os meus.

Meu nome é Gustavo, tenho atualmente 32 anos e sempre fui cercado de muitos amigos. Cresci na zona leste paulistana, a famosa "ZL" cheia de criticas e problemas sociais como na maioria dos outros lugares no Brasil.

Entre todos os meus amigos tinha o Dionisio, vulgo "Dio". Ele cresceu conosco no bairro, mas aos 13 ou 14 anos foi morar com o pai, no Canada. Ficou lá ate os 19 anos e voltou para a "ZL" cheio de marra, tirando onda de play boy, metido a falar inglês, só usava roupa gringa enfim… Nesse período em que Dio estava fora, ele vinha passar 1 ou 2 meses na casa da mãe dele, e numa dessas, quando ele tinha uns 16 ou 17 anos, engravidou uma novinha do bairro. Natielle, interesseira pra caralho, viu Dio paly boy, morando na gringa, tirando onda, deu a bocetinha pra ele, e engravidou. Sobrou pro pai do Dio pagar a pensão! No decorrer dos acontecimentos, 1 anos depois mais ou menos, Natielle deixou a filha com a mãe, e foi pro Canada também, no entanto, quando o Dio voltou pra o Brasil, ela ficou lá.

Depois fomos descobrir que ela ficou com o pai do Dionísio, e deu mó merda, e foi por isso que o Dio voltou pra o Brasil, alem de ter feito muita merda por lá: Se meteu em briga, foi pego fazendo racha com moto, pichou muro, foi preso por trafico, enfim… Foi o que ficamos sabendo na época.

Quando Dio voltou ficou morando na casa da mãe dele, ou seja: voltou a ser nosso vizinho! Contava vantagem pra caralho, tirava mó onda, era metido, arrogante, queria humilhar todo mundo. Porem, mal sabia ele que nós já sabíamos de tudo que tinha rolado, porque a mãe da Natielle contava tudo para minha mãe, e para quem quisesse ouvir a verdadeira história de Dionisio. A filha dele, Ana Carla, passou a ter guarda compartilhada: Ficava um tempo com a avó materna, e um tempo com o Dionisio na casa da mãe dela.

O tempo foi passando, nos fomos nos formando, trabalhando, estudando… Um dos nossos amigos passou pra um concurso, outro era engenheiro mecânico, eu fiz enfermagem e trabalhava no departamento médico de uma industria, enfim.. A vida foi caminhando, e Dio, ainda deslumbrado com o fato de ter morado fora, não tinha os pés no chão, e só foi ficando pra trás. Antes, ele era o comedor do bairro, o "rico", playboyzão, agora, todo mundo tava bem, e ele na merda, mas continuava tirando onda.

Toda quarta feira jogávamos bola na quadra do bairro, era muito foda. Toda a galera das antiga vinha jogar, nos encontrávamos, botávamos o papo em dia, tínhamos a oportunidade de conhecer a família uns dos outros, era um puta ambiente bom, alegre, e feliz. Jogamos lá a vida toda, e me lembro de uma briga ou outra, talvez 2 ou 3 em 20 anos… Isso ate Dionísio começar a jogar!

Eu não sei o que acontecia com ele ate hoje, acho que era inveja, raiva, rancor, sei lá… Mas ele descia a porrada em todo mundo no jogo, quebrava pra caralho. Entrava com força, pra machucar, com maldade, crueldade. Num queria nem saber se seus filhos, mulher, mãe, amigos estavam ali pra te ver, ele era mal, ruim, tinha o capeta no corpo. A galera o apelidou de "Quebrador"! De pois de um tempo, de dar muita briga, confusão e quase morte, a galera proibiu ele de jogar com a gente, mas não adiantava, ele ficava no bar infernizando os garçons, arrumando confusão com a galera, enfim… Se tinha confusão, você podia ter certeza: Dionisio estava envolvido! Mexia com a mulher dos outros, quando tinha jogo na TV, ele provocava ate sair briga, ele tinha prazer no caos, na infelicidade ou desgraça.

Depois de mais ou menos 1 anos, ele foi banido do bairro, ninguém queria saber dele lá. A própria mãe tinha receio dele levar confusão pra dentro da casa dela. O tempo passou, e ele deu uma acalmada, foi chegando numa boa, se desculpando com a galera, e aos poucos ele foi sendo reinserido no nosso meio, porem, sempre com um ar de desconfiança. Nessa época eu passei no concurso e comecei a trabalhar de enfermeiro no hospital da cidade, e morava com minha mãe. Aos poucos todos os nossos amigos foram se ajeitando na vida, ninguém ficou rico, mas as pessoas foram estabelecendo suas carreiras, tendo seus trabalhos, conquistando suas coisas, e um dos últimos foi Jader Junior, o "JJ".

Em nossas conversas nos churrascos, bares ou encontros sociais, o papo era sempre o mesmo: Concurso, faculdade, financiamento de carro ou casa, viagem, enfim… Acho que todos nós passamos por essa faze. JJ é, e sempre foi um cara muito dedicado, estudioso, batalhador, esforçado, e o sonho dele era ser bombeiro, de tanto tentar, acabou passando no concurso. Eu nunca vi um FDP tão feliz quanto ele! No dia que saiu o resultado fizemos um puta churrasco na quadra, e Dionisio estava, foi convidado pelo próprio JJ, afinal de contas, ele tinha os defeitos dele, mas era nosso amigo de infância.

JJ fez todo o processo burocrático para assumir o cargo, demorou uns 6 meses para ele ser chamado, só faltava um treinamento que eles fazem durante 9 meses antes de ir para a rua e começar a trabalhar.

Marcamos um jogo de futebol, o jogo de sempre, e cometemos o erro de chamar Dionisio pra jogar. Pra resumir a história, o desgraçado deu uma rasteira em JJ que quebrou o tornozelo do cara. Mano, tinha gente filmando, deu pra ver que foi de maldade, ele fez de proposito, eu tenho absoluta certeza! JJ chorava no chão, gritava e perguntava o porque que Dio tinha feito aquilo, que iria prejudica-lo… Foi uma confusão do caralho! A galera queria linchar o Dionisio, ele saiu correndo e, se trancou no banheiro do bar, arrombaram a porta, deram muita porrada nele, só pararam porque Ana Carla, filha do Dio, que na época tinha uns 8 ou 9 anos, chorava e pedia pelo amor de Deus pra pararem de bater no pai dela! Chamaram a policia, ambulância… Mano, foi um Deus nos acuda.

Depois disso Dionisio sumiu do bairro, o máximo que alguns viam, era ele deixando a filha na casa da mãe. JJ passou por cirurgia, e conseguiu entrar nos bombeiros, só demorou um pouco mais do que ele imaginava. No entanto, nunca mais falou com Dio!
O tempo passou eu sai da casa da minha mãe, e fui morar em um outro bairro, e em um determino dia, fui levar meu carro pra lavar, estava esperando ficar pronto quando dou de cara com Dionisio com um uniforme da Coca-Cola. Ele estava trabalhando na distribuidora, entregava bebidas num desses caminhões da marca. Ele me viu, veio me cumprimentar, já fazia mais de 1 ano que não nos falávamos… Eu fui cordial, conversei com ele numa boa, e ele veio abordar o assunto relacionado ao JJ, disse que se arrependia, que era bem babaca, que tinha mudado, que queria pedir desculpas para o JJ, enfim… Eu dei papo, conversei com ele numa boa, tentei aconselha-lo e depois desse dia passamos à nos falar no wpp, saímos pra tomar umas, ele foi la em casa, passei a frequentar a casa dele, ele parecia ter mudado um pouco.

No entanto, tinha uma coisa em Dionisio que tinha mudado bastante: Sua Filha! Ana Carla estava um tesão! A menina estava com 11 anos, linda de mais, branquinha, com o cabelo preto bem lisinho, ela parecia com a Leticia Sabatella (Uma Atriz). Uma carinha de safada, um rostinho bem sacana, olhos meigos castanhos escuros, um nariz perfeito, uma boquinha rosinha, feita pra chupar uma rola. Os brotinhos de seios nascendo marcavam as blusas, tinha uma bundinha deliciosa, bem empinadinha. Umas pernas bem torneadas, definidinhas. Os pezinhos lindos, dedinhos harmônicos, solinhas rosadinhas, delicadas, macias, sempre limpinhas… Passei a ir na casa de Dionisio toda segunda, quarta, sexta e domingos, que eram os dias que Ana Carla estaria lá. Nossa, que tesão! Quando eu chegava ela estava assistindo TV no sofá da sala, toda a vontade, vinha me cumprimentar com um abraço, ficando na ponta dos pés e dizendo "oi Gusta", eu agarrava a cinturinha dela, aproveitava pra tocar discretamente a sua bundinha. Naqueles breves segundos eu me imaginava chupando ela inteirinha, fudendo aquela bucetinha ate gozar bem fundo dentro dela. Ficava louco de tesão! Por diversas vezes vi os peitinhos dela, me aproveitei de uma situação ou outra pra toca-la, me esfregar, acariciar as pernas, os pés…

Uma vez no aniversario da avó dela, Ana Carla ficou de joelho, toda empinadinha em cima da cadeira pra cantar parabéns, ela estava com um shortinho preto de laica bem apertadinho marcando aquele cuzinho guloso, uma blusa de frio vinho, e uma rasteirinha da Melissa rosa claro com o pezinho bem limpinho… Quando eu vi aquela cena, ela toda empinada na cadeira, me mostrando as solinhas, dando umas reboladas sacanas, fiquei louco de tesão. Quando apagaram a luz pra cantar o parabéns, eu fiquei ao lado dela e comecei a passar a mão no seu cabelo, fui descendo devagar e passei a mão na sua bundinha. Ela viu, se assustou, mas a safada se empinou ainda mais, deixou uma das sandálias escapar do seu pé, e continuou batendo palma como se nada tivesse acontecendo. Eu fiquei maluco de tesão vendo aquela putinha descalça se empinando pra mim. Fui mas ousado e passei dedo na rego e violei a rachina dela, fiz uma pressão fazendo com que ela desse uma reboladinha no meu dedo. Dei uma siriricada bem gostosa nela, senti cada centímetro do cabacinho da safada. Não tenho certeza, mas provavelmente ela ficou bem molhadinha, e a putinha gostou, ja tinha bolinado ela antes, bem discretamente, mas essa foi a primeira vez que fui mais atrevido, e ela interagiu. Na medida em que o parabéns foi acabando, ela tirou minha mão da bocetinha dela, com um movimento bem rápido me advertindo, se ajeitou na cadeira e fingimos que nada aconteceu. Antes de acenderem a luz, eu ainda passei minha mão nas costas dela por dentro da blusa, e arrematei com uma apalpada na bundinha. Quando acederam a luz, ela saiu da cadeira calçou sua Melissa e foi abraçar a avó, e eu estava ali de pau duro, louco pra terminar o que comecei.

Em toda festa que tinha eu dava um jeitinho de me aproveitar de Ana Carla. Em outra ocasião, fomos em um churrasco na casa de um amigo do Dionísio que tinha piscina e o caralho, lá o cara tinha uma criação de porcos, desses bem grandes, que parecem um bezerro, as crianças ficavam querendo subir em cima deles e tal, em um determinado momento fomos ver esses porcos, Dionísio estava bêbado deitado na rede, e eu desci com a dona da casa, dois cara, e a molecada (acho que eram uns 4 ou 5) os adultos entraram no tal chiqueiro pra empurrar os porcos pra perto da gente, e as crianças subiram na cerca para vê-los. Ana Carla subiu e se empinou toda, ela estava com um vestidinho azul marinho com um tecido bem leve e uma havaianna amarela, ela se empinava toda para passar as mãos nos porcos, quando todo mundo tava distraído eu encochava ela, passava a mão na bundinha dela, nas pernas, segurava sua cintura fazendo pressão contra meu caralho. As vezes ela tirava minha mão, tentava se esquivar, mas seu eu ficasse atras dela de novo, ela fazia questão de empinar a bundinha pra mim na ponta dos pés. Nesse mesmo dia, na piscina, eu me esfreguei nela a tarde toda… Brincávamos de briga de galo na piscina, e eu passei a mão na bundinha, nas coxas, nos pezinhos, dei umas siriricadas bem discretas também, enfim… sempre que dava eu tirava minhas casquinhas.

A garota era muito putinha, nessas festas ela dançava, rebolava muito gostoso, fazia carinha de safada, provocava, passava a mão no próprio corpo se requebrando toda. Eu ficava louco com ela, tinha que disfarçar muito bem pra olhar. Eu relaxava mais, quando todo mundo já tinha bebido, estavam todos meio altos, aí, até os outros olhavam também.

Cheguei a ver varias vezes alguns de nossos amigos dando umas olhadas indiscretas para Ana Carla, e para as outras meninas também. Inclusive, muitos desses amigos, tinham filhas da mesma idade. Mas era impossível não olhar, tenho certeza que todo homem olha em alguma circunstancia, nessa idade as meninas estão muito sexualizada, descobrindo sua sensualidade, cheias de hormônios, mudando o corpo, e de uns tempos pra cá, elas perderam o pudor, dançam sensualizam, erotizam, não tem como não desejar, nem que seja só por um minuto. A impressão que eu tinha, e continuo tendo, é que os pais não brigavam com as filhas nas festas quando elas dançavam daquele jeito pra não perder o show da filha dos outros, dessa forma, todo mundo se diverte, e nos podemos ficar desejando as novinhas o quanto quisermos. Nessas festas, costumava ter muitas, hoje deu uma diminuída, as outras cresceram, algumas ja estão ate dando a bocetinha por ai, mas na época, entre todas, pra mim, a Ana Carla era a melhor, e a mais safada de todas.

Eu tinha que aturar o Dio só pra poder frequentar a casa dele e ver Ana Carla, tive a oportunidade de vê-la de biquini, uniforme da escola, roupa de dormir, de roupão, só com uma blusa de moletom, calcinha e meias, nossa, que tesão!! Ela era bem dengosinha, cheia de vontade, vaidosa, bem patricinha. Quando ia pedir alguma coisa para o pai, fazia uma voz bem manhosa, sexy, sensual. Eu aposto que o babaca do Dio ja teve tesão por ela em algum momento na vida. Teve uma vez que ela chegou da escola com a avó, e eu e Dio estávamos almoçando, a menina ja chegou tirando o tênis, e a calça, ficando só de blusa calcinha e meias, a avó brigou com ela por ela ter jogado tudo na sala e mandou ela pegar, Ana Carla se jogou no chão, ficou de quatro e começou a pegar suas coisas… Eu vi aquela cena ja fiquei de pau duro. Ela foi ate o quarto deixar sua bagunça, e quando voltou, ja estava sem meias, sentou no sofá, e foi comer… Sua avó brigou com ela de novo pra ela ir comer na mesa, ela levantou com a calcinha toda enfiada no cuzinho, e sentou-se a mesa fazendo birra. Enfim… Me matava de tesão a vagabunda!

Depois de um tempo, a mae de Dio ficou doente e ficou internada no hospital em que eu trabalho. Ela fez uma cirurgia e as pessoas se revesavam pra ficar com ela no quarto, no entanto, homens, não podem pernoitar no hospital, apenas mulheres. Em um determino dia a mãe de Dionísio estava mal, e todos os parentes estavam lá, incluindo Ana Carla. Os adultos foram falar com o medico, e Ana Carla ficou no quarto com a avó sentada em um sofá. Eu entrei ela estava triste, eu consolei, disse que ia ficar tudo bem, que a avó ia melhorar, que ela poderia ficar tranquila. Nesse momento ela colocou sua mão na minha e me agradeceu. Eu respondi fazendo uma brincadeira, disse: "Mas num precisa dar em cima de mim também. Num é porque sua vó ta doente que isso te dá o direito de se aproveitar de mim." Ela sorriu e disse que só eu mesmo para faze-la rir em uma hora daquelas. Que não dava em cima de ninguém, que nem sabia fazer isso. Eu respondi dizendo que "essas são as piores, ja chegam beijando!" Ela ficou sem graça, ajeitou o cabelo, e se levantou para ir embora… Quando ela ja estava na porta, eu disse: "Eu ouvi dizer que se a neta do paciente der um beijo no enfermeiro, o paciente se cura mais rápido!" Ana Carla largou a maçaneta da porta, deu um passo em minha direção, balançou os ombros, e sorrindo, disse que duvidava, mas que não custava tentar. Fui ate ela, tentei beijar sua boca, mas ela virou, e beijou meu rosto. Eu retruquei dizendo que assim não valia, teria que ser um beijo de verdade… Ela me empurrou pra trás sorridente, e meia constrangida disse que não sabia, virou as costas, abriu a porta, e foi embora.

Dois dias depois era dia do meu plantão, e para acompanhar a paciente (mãe do Dionísio)ficou Denise (irmã do Dio) e Ana Carla como acompanhante. Durante a madrugada encontrei com Denise (irmã de Dio e tia de Ana Clara) no corredor em frente a porta do quarto. Era por volta das 2:30 ou 3:00h da manha, ela me perguntou se eu acha que ia ficar tudo bem, eu a confortei conversamos e fomos para cantina tomar cafe. Pedimos e enquanto nosso pedido não ficava pronto, entre um papo e outro Denise me disse que Ana Carla estava dormindo no quarto… Ate aquele momento, não sabia que ela estava lá também. Inventei uma desculpa, deixei Denise na cantina e fui ate o quarto, antes de chegar ao quarto, vejo Ana Carla no corredor meia assustada, tensa, com um moletom cinza, e um chinelo havaianna azul; Eu pergunto o que ela estava fazendo ali, e ela aflita, me pergunta onde esta a tia. Eu ri, disse pra ela relaxar, que a Denise estava na cantina que ela poderia ir ate lá para encontra-la, e entrei no quarto. Ana Carla me perguntou se estava tudo bem com a avó do lado de fora do quarto, eu pedi para que ela falasse baixo, ela entrou e me questionou novamente sobre o estado da avó. Respondi dizendo que estava tudo bem que só precisava fazer visita de rotina durante a madrugada.

Ana Carla se acalmou, tirou seu chinelo, sentou no sofá e ficou olhando o que eu estava fazendo. Eu brinquei com ela dizendo que se ela fosse ficar acordada, poderia me ajudar com os pacientes. Ela respondeu dizendo que era ruim dormir em hospital. Eu sentei na outra ponta do sofá e comecei a dizer como fazia pra dormir nos meus intervalos nos plantões… E ela fez o que eu queria que ela tivesse feito a anos: Deitou e colocou os pezinhos no meu colo. Nossa, eu quase morri de tesão. Enquanto eu massageava os pés dela, começamos a conversar sobre porque que eu era enfermeiro, as coisas engraçadas que acontecia no hospital, e etc… Eu massageavam com bastante tesão, enquanto massageava um pé, ela apoiava o outro na minha coxa, meu pau tava cheio de tesão, eu comecei a elogiar os pés dela, e passava as mãos nas solinhas com força. Ana Carla apenas sorria discretamente. Eu ja estava louco, e em um determinado momento eu disse: "olha como seu pezinho me deixa" e coloquei os pés dela no meu caralho, e comecei a fazer uns movimentos, ela tentou tirar, mas eu firmei. Ana Carla levou as mãos no rosto com vergonha, mas relaxou as pernas, deixou o pezinho encima do em pau duro. Disse pra ela não ficar com vergonha que era normal. Perguntei se ela queria ver, e ainda com as mãos no rosto só balançou os ombros, essa foi minha deixa: Tirei pra fora e pela primeira vez senti a textura daquelas solinhas tão desejadas. Mas uma vez ela se assustou com o toque, mas deixou rolar. Sorrindo disse que "era quente". Ela tirou uma mão do rosto e deu uma olhada bem rápida e cobriu a cabeça com a coberta. Ficava rindo e dizendo que fazia cosquinha. Eu louco de tesão disse pra ela olha, exclamei: "Vem, olha, poem a mão pra você ver como é". E puxei bem lentamente a coberta que cobria seu rosto, à puxei pela mão, ela tirou os pés do meu colo e ficou olhando e sorrindo enquanto eu me masturbava lentamente. Me aproximei, peguei sua mão, e coloquei no meu caralho. Nossa, foi perfeito! Eu estava maluco de tesão, nem me lembrava que estava no hospital. Quando sua mão tocou meu pau, ele deu um gritinho constrangido que me exitou ainda mais e levou a sua outra mão ao roto tampando os olhos. Ela disse com um sorriso nervos: "Ai, fica latejando".

Eu comecei a fazer com que ela me masturbasse, Ana Carla bem sem jeito me punhetou com os olhos tampados com a outra mão. A mãozinha dela era pequena de mais, macia de mais, e mesmo descoordenada estava fazendo um ótimo trabalho. Ela me punhetando e eu acariciando seu pezinho e sua perna. Eu dizia: "Tira a mão do rosto, não precisa ter vergonha, se não quiser fazer pode parar." Mas ela não parava, continuava me punhetando e apalpando meu caralho. Ela tirou a mão do rosto mas continuou de olhos fechados e sorrindo, colocou as duas mãos no meu pau, e eu só a elogiava. Comecei a pedir para ela dar uma lambidinha, eu dizia: "Dá um beijinho nele, só uma lambidinha!" Nessa hora ela abriu os olhos assustada e fez não com a cabeça com um olhar de nojo. Eu sorri e afirmei: "Não precisa ficar com nojo, é limpinho, cheira sua mão pra você ver." Ana Carla exitou, mas acabou cheirado a mão, e sorriu! Eu reforcei a ideia: "Vem, da só um beijinho, se não gostar, vc para!" Ela se ajeita no sofá, se aproxima, fica mais relaxada, fica em cima dos joelhos, se inclina, e dá um selinho bem rápido na cabeça do meu pau. Nossa eu quase delirei, suspirava como se tivesse corrido uma maratona… Ela sorriu e continuou me punhetando, estava gostando da experiencia, de sentir meu pau latejando de prazer na mãozinha dela. Eu insisti pra ela fazer de novo, que era bom ela aprender se não nunca ia arrumar um namorado, que depois eu ensinaria ela a beijar e ela poderia tirar onda na escola com as amigas de que não era mais "BV"; Ela sorriu, eu segurei o cabelo dela e fui direcionando ela para o meu pau de novo. Ana Carla deu umas lambidinhas tímidas, envergonhadas no inicio, mas eu fui orientando e ela começou a lamber a mamar com a pouca experiencia que tinha, e depois de 5 minutos eu gozei. Foi épico, matei minha vontade, fiz a putinha me fazer gozar, eu lacrimejei de tanto prazer. Não gozei nela, aparei com meu jaleco. Ana Carla tomou um susto com minha gozada, mas depois só balançava a cabeça, e repetia: "você é doido, Gusta. Você é doido!"

Na sequencia saí do quarto e nem sei que horas a Denise voltou para lá. Depois disso tentei outras vezes, mas não tinha espaço, não tinha como ficar sozinho com ela, no entanto em um final de ano, a Natielle (Mae de Ana Carla) estava no Brasil, e foi no nosso bairro para um churrasco, ela me chamou pra conversar e, me advertiu, dizendo para eu "parar de ficar com gracinha com a Ana Carla" que eu era velho, e ela era uma criança, que se ela soubesse de alguma coisa ia chamar a policia. Ela ficou sabendo porque em uma conversa pela internet Natielle perguntou para Ana Carla se ela tinha namorado, e a menina disse que não tinha nenhum, mas tinha muita gente que achava ela bonita, inclusive eu. Com isso Natielle concluiu que eu estava mal intencionado.

Natielle tem uma outra filha com o Pai do Dionísio, ou seja: A menina é irmã do Dio e irmã e tia da Ana Carla. Uma puta confusão familiar. Pelo que eu vi, a menina tem tudo pra ser tão linda quanto a Ana Carla. Atualmente Ana Carla esta com 16 anos, e é simplesmente linda, uma delicia, toco uma punheta vendo o Instagram dela toda semana. A irma que também é tia da Ana Carla deve ter 9 ou 10 anos, e quem se diverte contemplando as duas todos os dias é o pai do Dionísio que deve ter muito tesão pela Ana Carla, eu tenho certeza.

Hoje eles moram em Montreal no Canadá, Natielle tem 31 anos e é tão gostosa quanto a filha, Dionísio mora em São Paulo capital, é segurança de uma boate, mas dizendo ele que é "sócio" do lugar! A filha dele deve chupar muita rola no Canada, pra quem não sabia beijar, toda semana ela aparece com um macho diferente no history do Instagram, eu morro de ciumes, foda-se! Meu sonho é foder aquela menina, chupa-la da cabeça aos pés, mas entre todas as bolinadas que eu dei nela me faltou coragem e, me sobrou bom senso pra não fazer algo que fosse ferrar com a minha vida. Acho que ate hoje Natielle não sabe das bolinadas que dei em Ana Clara, muito menos do que rolou no hospital, caso contrario ela teria me ferrado inteiro.

E um detalhe sobre mim: Em março de 2012 fui pai de uma menina, e ja ta começando!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,44 de 9 votos)
Loading...