Meu vizinho (pt.2)

Autor

Tudo bem? Vou continuar a história dos meus contos “Meu vizinho” e “O Dono da mercearia
Bom, já fazia um tempo que o Paulo tinha ido visitar a mãe e eu me “consolava” com Seu Geraldo da mercearia. Pois bem, em um belo dia vi uma movimentação na casa do Paulo e fiquei super feliz, corri pra lá sorridente pra conversar com ele, mas pra minha surpresa não era ele que estava na casa, e sim Oscar, o irmão dele. Eu o havia conhecido de relance no aniversário que teve na casa do Paulo, inclusive ele era o pai do aniversariante. Ele me cumprimentou sorrindo e viu a decepção nos meus olhos ao vê-lo e logo foi dizendo: “Você pensou que eu fosse o Paulo? Desculpa…”
Eu dei um sorriso amarelo e disse: “Tudo bem tio, mas… cadê ele?”
Ele sorriu e disse que o Paulo iria ficar mais alguns dias, que a mãe deles já estava melhor mas que ele ficaria mais um tempo com ela.
Eu acenei com a cabeça e me despedi, mas ele me chamou: “Ei… você gosta muito dele neh? Ficaram amigos, eu gosto desse tipo de amizade!”
Eu sorri dizendo sim e me virei pra continuar caminhando, quando ele me chama denovo: “Você não quer entrar? Vim dar uma olhada na casa, arrumar algumas coisas… bom que vc me ajuda e me faz companhia.”
Eu não tinha nada de melhor pra fazer a tarde mesmo e aceitei o convite.
Entrei e começamos a conversar. Entra uma arrumação e outra e muitas risadas ele disse que sabia que o Paulo e eu éramos muito amigos, e que ele queria muito ter um amigo assim como eu. Fingi de desentendido pq não sabia se Paulo tinha contato pra ele sobre nós. Ele completou dizendo que queria muito brincar comigo. Fingindo inocência eu disse: “Vamos brincar tio!” Ele se aproximou de mim e me abraçou… a sua mão foi descendo até tocar na minha bundinha… ele apertou ela e suspirou “que delicia…”
O Oscar era mais velho que o Paulo, deveria ter quase 40 anos… tinha um corpo magro, e ao contrário do irmão tinha a pele morena, e os mesmos olhos verdes. Tia uma barba linda e grisalha que contrastava com os cabelos negros.
Então ele tirou minha blusa e meu short me deixando de cueca. Me pegou no colo e me levou até a cama. Falou baixinho no meu ouvido: “Você vai ser meu menino.” E começou a tirar minha cueca com os dentes. Começou a beijar meus pés e foi subindo… começou a lamber meu saquinho e chupar meu pintinho bem delicadamente…. subiu mais chupando meus mamilos até chegar no meu rosto, me deu um beijo longo na boca e disse: “posso te pedir uma coisa?”
Eu ainda extasiado só balancei a cabeça afirmativamente.
Ele completou: “Me chama de papai?”
Eu concordei: “Sim papai… continua fazendo isso?”
Ele concordou e começou a roçar a barba no meu rosto até chegar no meu pintinho denovo…. me colocou de frango assado e começou a linguar meu cu e meu saquinho.
Depois pediu: “Tira a roupa do seu papai meu filho?”
Eu disse que sim e comecei a desabotoar a camisa dele enquanto ele massageava meu pauzinho… depois tirei a calça e por fim a sua cueca. O pau dele era lindo, cheio de veias e grande como o do Paulo, comecei a chupar e sentir seu cheiro, um cheiro característico mas gostoso, fiquei louco de tesao. Ele me deitou e começou a passar o pau por todo o meu corpo. Eu gemia e falava “Tá gostoso papai, continua.” Ele deitou por cima de mim e começou a passar o pau no meu pauzinho, fazendo movimentos de vai e vem numa gostosa briga de espadas. Aquilo tava me deixando com tesao, quando ele me virou e encaixou o pau no meu cuzinho… ele disse: “O papai não vai te machucar não, eu prometo.”
Ele cuspiu no meu cuzinho e começou um vai e vem entre minhas nadegas, mas sem me penetrar. Eu gemia de tesao: “Vai papai, isso… vai…” Ele começou a acelerar os movimentos e colocou a pontinha da cabeça no meu buraquinho, inundando de porra… senti a porra quente escorrendo enquanto ele pincelava o pau por toda minha bunda. Depois ele deitou do meu lado e pediu pra eu apoiar a cabeça sobre o peito cabeludo dele. Ele fazia carinho na minha cabeça e dizia: “Você é um ótimo filho… o papai ama você.”
Entre carinhos e beijos vi seu pau endurecer novamente, e ele começou uma gostosa punheta, perguntando se eu queria mais leitinho.
Eu disse que sim e comecei a massagear suas bolas. Não demorou muito ele anunciou que ia gozar, e eu me aproximei e abocanhei o pau dele, fazendo ele jorrar porra na minha garganta. Ele ficou muito feliz e disse que tinha adorado me ver fazer aquilo. Ficamos mais um tempo deitados e fomos tomar banho, ele me vestiu e disse que nunca ia esquecer esse dia. Me deu um beijo longo na boca e disse pra mim que sempre viria “arrumar” a casa do irmão, pq não conseguiria mais ficar longe de mim. Antes de ir falei um “Tchau papai” e ele todo feliz me levou até na porta. Essa foi a primeira de algumas vezes que rolou entre a gente, mas isso é outra história…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,67 de 15 votos)
Loading...