Gordinha Casada e Safada 6

Há 5 meses Por 3 ★ 3.17

Olá safadinhos e safadinhas,
Aqui estou novamente para narrar esse fato verídico que aconteceu comigo antes que eu e meu marido tornássemos nosso relacionamento liberal, e foi uma das experiências mais incomuns que já aconteceram comigo.
Comecei a trabalhar em uma firma como secretária e junto comigo trabalhava um rapaz de 25 anos, o Cleiton, um rapaz até bonito, de pele morena, cabelos lisos e curtos e um certo porte atlético. Cleiton era um tipo de office-boy da firma e quando não estava na rua fazendo serviços, ficava na recepção comigo. Desde que entrei, ele sempre foi muito simpático e educado comigo, mas conforme o tempo passava ele passou a ficar mais ousado e aos poucos soltava algumas leves cantadas, nada que me aborrecesse, afinal qual a mulher que não gosta de ser elogiada e se sentir desejada.
Em uma bela manhã, quando cheguei ao escritório, estava com uma saia não muito curta, salto alto, uma blusinha de alça decotada, cabelos molhados e muito perfumada. Estava em pé na cozinha, lavando minha xícara, quando sem eu perceber, ele chegou por trás se encostando em mim, pegou na minha cintura e falou baixinho no meu ouvido:
Nossa, como você está cheirosa, tem uma pele linda…eu adoraria tirar sua roupa e te chupar todinha por horas…você me tira do sério gordinha linda.
Falar no meu ouvido daquele jeito me deixou toda arrepiada, e sentir seu pau duro cutucando minha bunda me deixou com tesão. Enquanto ele falava no meu ouvido eu deitei a cabeça em seu ombro e me entreguei, mas pra minha surpresa ele simplesmente saiu, me deixando ali parada, sozinha e com tesão. Quem me conhece, sabe que sou maluca por rapidinhas e se ele tivesse tentado me comer ali eu teria deixado. Me recompus, saí da cozinha e fui para a recepção, mas Cleiton já não estava ali, tinha saído pra um serviço.
Eu não conseguia tirar aquela cena da cabeça e achei que quando ele voltasse iria retomar o assunto, mas ele chegou e não disse nada, fez como se nada tivesse acontecido, e eu segui o mesmo jogo, fiquei na minha. E assim foi por uma semana, o convívio continuava normal e nenhum dos dois tocava no assunto, mas toda vez que eu pensava naquilo ficava com tesão.
Era uma Sexta-Feira, meu chefe pediu pra eu ficar mais um pouco após o expediente para terminar uns relatórios que seriam usados na Segunda-Feira. O expediente terminou, todos foram embora e fiquei sozinha fazendo os relatórios e quando estava quase terminando alguém bateu na porta, fui abrir e era Cleiton:
Ué Cleiton, esqueceu alguma coisa?
Não, vim aqui porque sabia que você estaria sozinha.
Senti um frio na barriga nessa hora:
E o que tem eu estar sozinha aqui?
Vim pra beijar sua boca, tirar sua roupa e chupar você todinha…posso entrar?
Não sabia o que fazer, mas não resisti e deixei ele entrar. Assim que ele entrou, o abracei e começamos a nos beijar feito loucos, e deitamos no sofá da recepção, sendo que ele ficou por cima. Ele passou a beijar meu pescoço e lamber minha orelha, me deixando arrepiada, enquanto acariciava meus peitos por cima da blusa e depois tirou toda a minha roupa e a dele também. Ele chupou meus peitos com muito carinho e bem devagar, depois foi descendo, beijando e lambendo minha barriga até chegar na bucetinha que estava encharcada de tesão, e ali ele ficou chupando e lambendo por muito tempo. Eu gemia e me contorcia feito louca, apertando seus cabelos e espremendo seu rosto com as coxas.
Depois de dar provavelmente a melhor chupada que já recebi na buceta em toda minha vida, ele desceu, beijando e lambendo minhas, coxas e pernas até chegar em meus pés, onde chupou meus dedões. Me virou de costas e foi beijando e lambendo minhas pernas até chegar no bumbum, onde beijava e mordia minhas nádegas, até que passou a chupar meu cuzinho, me deixando louca e ali ficou também por bastante tempo. Depois beijou e lambeu minhas costas inteiras, indo parar na nuca:
Não disse que ia chupar você todinha?
Disse sim meu lindo, agora deita que vou te fazer um boquete delicioso.
Ele deitou, me oferecendo aquela rola fina e comprida que eu comecei a mamar com gosto. Lambi a cabeça, lambi o pau todo, fiz garganta profunda, chupei, cuspi e chupei, lambi o saco e chupei as bolas. Ele gemia feito um louco:
ssssssss que boca deliciosa, nunca ganhei um boquete assim.
Sem que ele percebesse, comecei um fio terra nele e o safado adorou. Meti o dedo sem dó enquanto continuava chupando seu pau. Que safado, gozou na minha boca, e gozou pra caralho, quanta porra…eu não dei conta de engolir, cuspi e depois beijei a boca dele.
Agora safado, quero sentir seu pau duro todinho na minha buceta e no meu cú.
Sinto muito Marcela, mas meu fetiche era te chupar todinha. Não quero te comer, sou gay e não curto comer buceta.
Ahhhh vou ficar na vontade
Infelizmente vai lindona.
Me limpei, me recompus, me arrumei, terminei os relatórios e fui embora. Pelo menos um beijo gostoso na boca ele me deu antes de ir, e chegando em casa meu marido teve que me comer até arder minha buceta, mas sem saber o que tinha acontecido.
Enquanto trabalhei na firma, de vez em quando eu ficava com o Cleiton. Às vezes só nos beijávamos, às vezes fazíamos aquele oral gostoso, mas nunca consegui fazer ele me comer.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,17 de 6 votos)
Loading...

Por

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Fodedor

    Olá gordelicia
    Me chama no Zap que deixei no seu email
    Ou passa o seu pra mim

  2. Bom

  3. Andrez

    [email protected]