Gaby, a garotinha do mercado

Autor

Olá leitores,
Venho narrar algo que muitos vão criticar, e outros elogiar. Mas pouco importa a opinião de cada um. Vou mudar apenas o nome da menina.
Sou mineiro e moro há quatro anos em São Paulo. Sou corretor de imóveis, solteiro por opção, 32 anos, magro, branco e estatura mediana.
O que vou narrar teve início há quase em 2017. Vamos lá.
Era um sábado e fazia frio. O dia amanheceu nublado. Eu precisava sair para fazer compras e pensei em antes passar em uma padaria para tomar café. Saí de casa as 08:00 hs.
Andei uns 2 kmts e vi que o mercado já estava aberto. Resolvi fazer as compras primeiro. Eis aí uma grande sorte, que vocês vão entender agora.
Ao parar o carro, uma garotinha de 11 anos veio conversar comigo:
– Tio, posso tomar conta do seu carro ?
Olhei e vi uma menina pequena, frágil e mal vestida. Confesso que fui pego de surpresa com sua presença ali. Desci do carro e disse que sim, ela podia cuidar do meu carro.
Entrei no mercado pensando naquela menina.
Rapidamente comprei o que precisava, e aproveitei para pegar algumas coisas para a menina. Peguei bolachas e uma caixa de bombons. Confesso que a menina me deixou excitado. Sempre sonhei em chupar uma bocetinha novinha. E meus pensamentos estavam a mil.
Ao chegar no carro, ela se aproximou. Pedi para me ajudar a colocar as compras no porta malas, assim ela ficaria mais perto de mim. Peguei a sacola com as bolachas e a caixa de bombons e falei:
– garota… estas coisas são suas
– Obrigada tio
Olhei para e vi uma menina linda. Vestia uma blusa de moletom, uma bermuda jeans e chinelos. Menina moreninha tipo café com leite, cabelos curtos e magra. Na hora eu fiquei com muita vontade de fazer algo com ela, mesmo não sabendo o que. Pensei como seria sua bocetinha, hummm… até que arrisquei:
– Garota, qual seu nome ?
– Gabriela.
– Você é muito bonita Gaby, vou te fazer uma proposta: Se você me ajudar a guardar estas compras lá em casa, eu te pago. Vamos ?
Ela me olhou e abaixou a cabeça. Pensei mesmo por medo que ela não iria, mas me surpreendi com a pergunta:
– O senhor vai me dar quanto ?
– Ahhh quanto você quer ?
– é só te ajudar a guardar as compras ?
– é
– Então me dá R$ 10
– Dou sim… vamos – falei já abrindo a porta para ela entrar.
Mal podia acreditar quando eu estava saindo do mercado com aquela princesinha.
Por alguns instantes permanecemos calados. Até que resolvi quebrar o gelo e puxei assuntos bobos, como onde ela estuda, que time torce, quantos irmãos ela tem…
Com calma eu coloquei minha mão na sua perninha e segui dirigindo com a outra mão.
Ao chegar em casa, subimos pelo elevador de serviço. Sei que tem câmeras, mas não me importei com isto.
Ao entrar com as sacolas, fomos para a cozinha e ela foi me ajudando a guardar as coisas. Até que falei:
– Gaby, você já tomou café da manhã ?
– Eu não tio… to com fome.
– então vou preparar chocolate quente e misto, você me ajuda ?
– Ajudo sim tio.
Tomamos café e a chamei para sentar no sofá. Liguei a TV e coloquei um filme infantil no netflix. Peguei um cobertor e nos cobrimos. Fui me aproximando e conversando sobre o filme.
Passei minha mão na sua barriguinha e fui alisando com carinho. Aos poucos ela foi se soltando e aceitando meus carinhos. Me deitei e pedi para ela deitar comigo, assim ela ficaria mais quentinha. Ficamos de conchinha. Meu pau muito duro encostado nela.
Coloquei minha mão em cima da bocetinha, por cima da roupa mesmo e fui apertando. Ela nada disse. Com calma consegui colocar minha mão entre a bermuda e a calcinha, com os dedos encontrei a fenda da xoxotinha. Nesta hora eu quase gozei. Ela estava quietinha.
Ficamos assim até o filme terminar. Até que ela falou:
– Tio, quero mijar…
Nos levantamos. Meu pau estava quase explodindo a calça. Vi que ela olhou e não falou nada.
A levei até o banheiro. Achei que ela iria me pedir para sair, mas a menina sem nenhum pudor, abaixou a bermuda e a calcinha e sentou no vaso. Eu mal consegui ver a bocetinha. Ela foi muito rápida. Escutei a xixi saindo. Que tesão.
Ao terminar ela se levantou e levantou a roupa sem secar.
– Gaby, você não secou… – falei já pegando um pedaço de papel. Estiquei a mão e passei o papel com carinho.
Eu nunca tive este contato com uma menina tão pequena.
Voltamos para o sofá. Olhei no relógio e já eram 10:15 hs. Logo ela iria ter que ir embora e eu tinha que agir rápido, senão não ia fazer nada com ela.
– Gaby, eu gostei muito de você
– Eu também gostei do senhor
– Sabe Gaby, eu sou muito carente. Vivo aqui sozinho, sem ninguém e fico triste. Agora com você aqui, eu estou muito contente. E vou fazer uma pergunta para você: Eu tenho um sonho que é beijar uma menininha aqui (falei apontando para a bocetinha). Quanto você quer para deixar eu dar beijinhos aí ?
– Ai tio, eu tenho vergonha…
– Não precisa ter vergonha, eu já vi até você mijando… Olha eu dou R$ 50,00 – Já falei pegando minha carteira e tirando o dinheiro e colocando na mão dela.
Nem deixei ela pensar muito. Peguei na sua mãozinha e a fiz sentar no sofá. Me abaixei e fiquei de joelhos no chão. Coloquei minhas duas mãos e fui abaixando a bermudinha. Ela ajudou levantando o bumbum. Tirei a calcinha e vi a coisa mais linda que já vi.
Uma bocetinha lisinha, sem pêlos e bem fofinha. Perfeita.
Fiz ela deitar no sofá e passei minha língua. Ahhh que gostoso.
Ela estava com as perninhas fechadas e pedi: Abre as perninhas.
Vi ela abrindo, como se me oferecesse o que tem de melhor. Chupei com vontade.
Percebi que era virgenzinha.
Acho que fiquei uns 20 minutos chupando a menina.
Até que ela me pediu para parar.
– Tio, vamos parar… eu preciso ir embora.
Me deixei com ela e nos cobrimos com o cobertor. Tirei minha calça e encostei meu pau na sua bundinha. Ela nada falou.
Abracei com carinho e perguntei:
– Gaby, eu te amo… você quer namorar comigo ?
– ahããã
Comecei a passar meu pau na bundinha. Eu estava quase gozando. Pedi para ela se virar e encostei meu pau na bocetinha e fiquei ali brincando até gozar.
– Tio, o senhor gozou ?
– Gozei meu amor.
Abracei ela com força e ficamos deitamos até ela pedir para se limpar. Fomos para o banheiro e perguntei se ela queria tomar banho. Ela não quis. Pegou papel e se limpou.
Dei mais dinheiro e fui levá-la até o mercadinho. Pedi para ela não contar nada para ninguém e marquei de sairmos outro dia.
Sei que isto é errado, mas confesso que me deu um puta tesão. Algo que eu já queria ter feito a muito tempo e o que faltava era uma oportunidade.
Muitas coisas aconteceram e se quiserem eu conto mais.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,54 de 39 votos)
Loading...