,

a pequena emily 2

30-06-18 Por 10 ★ 4.74

Continuação do conto a pequena emily(a pequena emily)…
Depois que tomamos café da manhã eu fui deixar a emily na escola e depois pro meu trabalho.
No caminho ela vinha querendo puxar assunto, mas eu tava meio calado ainda pensando no que tinha acontecido entre eu e ela.
EMILY: – eu gosto muito de estudar geografia e português, mas eu odeio matemática papai.
EU: – eu também nunca gostei de matematica.
E foi falando e falando até chegar na escola.
EMILY: – tchau papai até mais tarde.
EU: – tchau meu amor.
Ela sorriu e me deu um beijo no rosto e saiu do carro indo pra dentro da escola.
Era mais ou menos 12:30 eu sai do trabalho e passei na escola da emily. Buzinei e ela veio correndo pro carro. Ela entrou no carro e me deu um beijo no rosto(ela gosta de beijar meu rosto).
A gente foi no mercado fazer umas compras e falei pra ela escolher alguma coisa que ela quisesse pra merendar e tals. Saindo do mercado fomos direto pra casa. Chegamos em casa a emily vai na frente e eu fico na garagem dando uma olhada no motor do carro pra ver como tava e tals. Quando entro dentro de casa a emily tava só de toalha, tava indo tomar banho. Ela passou olhando pra mim com um sorriso malicioso estampado na cara. Eu só fiquei olhando e adimirando ela.
Sinceramente um lado meu tava pensando em fazer varias sacanagens com a emily enquanto o outro tava pensando: – cara, isso é muito errado mesmo, eu não deveria nem ficar pensando nessas coisas.
Mas no fundo eu confesso que tava realmente com vontade de comer a emily desde aquela noite e eu não parava de pensar nela a nenhum momento. Eu ficava me auto julgando e me chamando de doente por querer ela( uma menina de 12 anos e ainda mais que eu considero minha filha). Eu subi pro meu quarto e fui tomar um banho e quando eu tava no banheiro comecei a pensar na emily e meu pau ja ficou duro e deu um tesão. Na hora eu pensei em sair de dentro do banheiro nu mesmo e comer a emily. Mas aí minha mente ficou meio que vai ou não vai. Então resolvi bater uma só pra tirar esse desejo incontrolavel de pegar minha filha.
Passaram se duas semanas mais ou menos, estava tudo normal(quase que voltando como antes). Eu ja tava ate esquecendo o que aconteceu entre eu e a emily. Fiquei feliz e pensei: – isso mesmo gabriel, esquece o que houve entre você e a emily, ela é sua filha e isso é errado.
Tudo indo nos conformes até que um dia normal de domingo a emily pede pra eu levar ela até a casa de uma amiguinha que ela fez na escola. Eu disse: EU: – ta bom, mas que hora eu vou te buscar?
EMILY: – o senhor vai me buscar as 20:30 que a mãe da amanda vai levar a gente pra passear e depois no cinema.
EU: – ta bom então, as 20:30 vou te buscar.
Quando foi 1:00 levei ela até a casa dessa amiguinha ficava meio longe a casa da menina e no caminha a gente conversou um pouco.
EMILY : – pai o senhor ja teve esposa?
Eu fiquei meio envergonhado olhei pra ela e respondi.
EU: – não, eu nunca tive uma esposa, acho que ainda sou meio novo pra isso, você não acha?
EMILY: – lá na india as mulheres se casam ainda criança, sabia?
EU: – extranho isso, mas eu não iria me casar pra te dar uma madrasta que talvez nem goste de você.
EMILY: – tem razão papai, e eu não iria gostar de te ver com outra mulher, eu iria morrer de ciumes. Eu olhei pra ela e sorri. Falei: EU: – é né, se preoculpe não ta, papai não vai te trocar por nenhuma mulher.
Ela olhou pra mim sorrindo.
Depois de alguns minutos chegamos na casa da amiguinha dela. A gente se despediu. Eu falei: EU: – tchau filha, divirta se que mais tarde o papai vem te busca. Ela me deu um beijo no rosto e falou tchau. Eu fui pra casa e passei o dia inteiro sozinho, assistindo desenhos e depois lendo alguns livro e até dormi uma soneca legal. Quando era 20:00 em ponto me acordei e fui tomar um banho. Vesti minha roupa e fui buscar a emily. Chegando lá emily tava na varanda conversando mais a amiguinha dela e a mãe dela. Encostei o carro em frente a casa e a emily deu tchau pra sua amiguinha e pra mãe da amiguinha. Ela entrou no carro e começou a me contar sobre o dia. Falou que foi muito divertido e foi ao cinema pela primeira vez e comeu e que a amiguinha dela é muito legal e tals. Nós chegamos em casa era quase dez horas. Eu fui fazer alguma coisa pra eu comer e perguntei a emily se ela tava com fome. EU: – vou fazer alguma coisa pra eu comer, quer comer também filha?
EMILY: – não pai, obrigado, eu comi na casa da amanda, era pizza de frango com requeijão, minha preferida.
EU: – humm, deve ter sido uma delicia né.
EMILY: – sim, foi mesmo, eu comi bastante.
Terminei de jantar e subi pro meu quarto deixando a emily na sala assistindo tv.
EU: – ja vou dormir filha, não dorme muito tarde ta bom.
EMILY: – ta bom papai boa noite.
EU: – boa noite.
Cheguei no quarto e tirei minha roupa toda ficando só de cueca. Fui no banheiro escovar os dentes e fazer xixi. Me deitei na cama e feichei os olhos. Passou uns cinco minutos eu escutei o barulho da fechadura da porta e a porta se abrindo.
Eu já pensei comigo: – é a emily denovo, o que eu vou fazer agora. Ela veio de mansinho e se deitou na cama. Levantou a coberta e se embrulhou. Ja foi aproximando o corpo dela no me e eu senti que ela tava sem sutiã porque os peitos dela encostaram no meu braço e percebi que ela tava de calcinha porque minha coxa tava encostando na bucetinha dela por cima da calcinha. Logo de cara ja fiquei excitado e meu pau ficou duro e eu ja comecei a pensar besteira denovo e pensava comigo mesmo que isso é errado eu deveria falar pra ela parar e ir pro quarto dela. Mas eu nao conseguia, meu corpo simplesmente nao deixava eu me virar pra ela e dizer isso a ela. Então começou a tentação denovo. Ela começou a passar a mão no meu peito e passar o joelho no meu pau por cima da cueca e nem perdeu tempo, ja foi logo com a mao pra dentro da cueca e começou a punhetar. E eu com o maior tesão e ao mesmo tempo tava sabendo do peso que ia ficar na minha conciencia porque eu tava deixando ela fazer aquilo.
Logo ela abaixou minha cueca e começou a chupar. E como chupava bem essa menina, caia de boca mesmo, parecia que ja fazia isso a muito tempo. Aí eu escutei o barulho dela tirando a calcinha e fiquei ainda mais excitado com aquilo. Eu sabia que ela iria esfregar a bucetinha dela toda melada denovo. E foi isso mesmo, ela subiu pra cima de mim e ficou roçando a bucetinha dela no meu pau. Ela tava tão excitada que eu sentia o liquido da lubrificação natural dela lambusando todo meu pau da cabeça até a base. Eu tava quase gozando e ela também começou a acelerar o movimento e a respiração dela mais ofegante e mais rapida. Aí ela me deu uns apertões e ficou se contorcendo em cima de mim. Eu não aguentei e gozei também. Ela percebeu porque olhou pra baixo. Só que ela continuou a roçar a bucetinha dela toda melada no meu pau. Então ela segurou meu pau com uma das mão e colocou na entradinha da buceta dela. Aquilo foi tão gostoso que eu perdi a cabeça e segurei bundinha dela com minhas mãos. Ela ficou meio assustada mas continuou em cima de mim e roçando. Ai ela falou: EMILY: – papai você ta acordado a muito tempo?
EU: – eu ainda nem dormi.
EMILY: – então todo esse tempo você tava acordado e fingindo que dormia?
EU : – eu não queria te assustar e também tava com medo de como seria sua reação se descobrisse que eu tava acordado.
EMILY: – mas você ta achando gostoso isso papai?
EU: – to achando gostoso sim, mas isso é errado filha, eu sou seu pai e você é minha filha e isso não pode.
Ela ficou calada e continuou roçando. Aí segurou meu pau denovo e colocou na entrada da bucetinha dela, e forçou um pouco a entrada, mas foi só a cabecinha e depois ela tirou denovo. E enfiou mais uma vez até a cabecinha e eu falei: EU: – filha, papai já falou que isso é errado…
Ela só continuou nessa de colocar a cabecinha e tirar pra fora. Então ela colocou mais uma vez só que foi até a matade e ela deu meio que um gemidinho leve. EU: – filha…
Ela nem tava me dando mais ouvidos nem eu tava me dando mais ouvidos. Então eu segurei na cintura dela e empurrei pra baixo forçando a entrada do meu pau na bucetinha dela e eu acabei tirando o cabaço dela sem querer sem ter pensado no que eu tava fazendo. Ela deu um gemido meio de dor e meio de tesão e segurou nos meus cabelos puxando de leve. Ja que meu pau tava dentro e eu ja tinha feito a merda mesmo eu só continuei fodendo a bucetinha dela que tinha acabado de perder o cabaço e ela tinha parado de sentir dor e começou a sentir prazer porque ela começou a rebolar com meu pau saindo e entrando na bucetinha dela. Eu me levantei ainda com o pau dentro dela e coloque ela em baixo de mim e eu fui por cima dela. E comecei a socar nela com mais força e com mais velocidade e ela não parava de rebolar e mexer o quadril enquanto meu pau entrava e saia de dentro da bucetinha dela. Aí ela começou a me apertar forte e me deu uma mordida com força no meu braço e se contorceu toda.
eu disse: EU: – AI! calma filha, vai com calma senão você arranca um pedaço do papai.
EMILY: – desculpa papai é que eu tava com tanto tesão que acabei gozando gostoso.
Aí continuei socando nela com força e velocidade até que eu gozei e ela acabou gozando denovo e dessa vez ela ia arrancando o coro das minhas costas com as unhas.
Sai de cima dela e tirei meu pau da sua bucetinha recem desvirginada e fui no banheiro. Dei uma mijada e me limpei depois que sai do banheiro ela foi no banheiro também. Eu me deitei na cama e fiquei pensando comigo: – o que que eu fiz meu deus olha até que ponto eu cheguei, porque nao consegui me controlar e nao resisti a tentação. Aí a conciencia começou a pesar e bateu aquele arrependimento cruel. Me deitei na cama e a emily saiu do banheiro e veio pra cima da cama. Ela olhou pra mim sorrindo com uma cara de safada meio inocente e eu fiquei olhando pra ela com cara de quem comeu e gostou. Ai ela me abraçou e falou: EMILY: – doeu um pouco mais depois foi muito gostoso papai, não sabia que sexo era tão bom assim.
EU: – humf, você parece uma onça fazendo sexo minhas costa ainda estão ardendo e acho que aquela mordida vai virar um ematoma. Ela deu uma risada e falou: EMILY: – desculpa papai, eu tava com tanto tesão que não conseguia me controlar e acabei descontando no seu corpo. Eu olhei pra ela e sorri, falei: EU: – nunca imaginei que chegariamos a esse ponto.
EMILY: – pois eu confesso pro senhor que eu queria isso a muito tempo. Eu olhei pra ela com uma cara de surpreso e falei: EU: – mas você sabe que não é certo ficar fazendo issi com o papai né.
EMILY: – eu acho que a gente tem que fazer isso com quem ama independente de quem seja…
Eu só fiquei calado e falei boa noite pra ela e fui dormir. Amanheceu o dia eu me levantei ela ainda dormia eu fui no banheiro fazer xixi e deci pra preparar nosso café da manhã e deixar ela na escola. Depois de um certo tempo eu e a emily faziamos sexo com uma certa frequencia. Eu tentava sempre resistir e dizia pre ela que era errado, mas ela sempre me seduzia e conseguia me deixar fora do controle e sempre acontecia o obvio, até anal rolou depois de um tempo, mas isso fica pra uma proxima história. até a parte três galera. fui…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,74 de 42 votos)

Por ,

10 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Daniel Coimbra

    Muito muito bom. Uma narrativa muito prazerosa. Me deixou com muito tesão, com o pau muito duro e babando.

  2. SeiNão

    Muito bom !!

  3. Anônimo

    Esperando a parte 3
    Ansioso.

  4. Tiozão Pr

    Tesao louco

  5. leoncio

    Sei que eh uma ficção mas n da p dizer que uma menina que tem esse fogo Todo eh virgem.

    • Amanda

      O pior q tem

    • Augusto

      Tem sim… minha prima tem 12 e vive dando em cima de mim e siriricando

  6. Anônimo

    Aguardando a parte 3
    Muito bom seu conto

  7. ray.sp

    Nossa a Emily e mais racional e madura q mta mh com o tripolo da idade dela …

  8. Carlos

    Adorei seu conto, fico esperando a continuação.