,

Quase uma filha

Há 5 meses 6 ★ 3.67

Esta manhã fui trabalhar como todos os dias mas tive que ligar no serviço avisando que iria chegar atrasado, trabalho numa tornearia no centro da cidade é havia esquecido a chave do armário onde guardo minhas ferramentas estava no ponto de onibus e voltei pra casa rapidamente, talvez ainda desse tempo de pegar o segundo ônibus e não atrasar tanto faz pouco tempo que comecei lá na firma e não posso dar bandeira. Ao chegar moro em Betim num conjunto que prefiro guardar o nome com minha esposa e as duas filhas dela duas mulatinhas, a mais velha já adolescente não quer nada com estudos não me respeita sai pra rua e volta de madrugada se tranca no quarto pra fumar maconha dentro de casa enquanto ,a mais nova e mais tranquila muito tímida e também mais apegada a mim sempre que chego do trabalho me da um abraço apertado me enche de beijinhos no rosto. Eu já tentei conversar com minha esposa a respeito da mais velha a qual vou chamar de karen mas ela fica passando a mão na cabeça fala que e só fase então nem me intrometo. Cheguei em casa e esculto a tv estava ligada e como o volume estava alto não dava pra me ouvir chegando,fui ate o meu quarto peguei a chave na estante vou ate o quarto das meninas no fundo da casa a porta estava fechada achei estranho pois a caçula já tinha ido pra escola levada pela mais velha que vai pra escola a tarde. Dei a volta o barracão ate a janela do quarto das meninas janela tava fechada tava me sentindo euforico avancei próximo a janela feita de alumínio com alguns furos olhei por aqueles buraquinhos chequei o rosto pra ver o que acontecia no guarto e primeiro via uma cabeça que subia e descia logo vi que tava rolando um boquete o barulho de baba estalando evidenciava e uns cochichos também mas não dava pra distinguir minha adrenalina tava a mil e pau tava duro iqual pedra fiz um barulho ao encostar na janela e gelei ao pensar que ia ser descoberto continuei espiando e já angustiado por não ver quase nada quando de repente eles mudam de posição e quase cai pra trás quem tava chupando era a menorzinha minha enteada que ainda brincava de boneca tava de uniforme da escola com a boca toda babada sendo segurada pela cabeça e engolindo uma rola e dando sinais de que ia engasgar sai da janela fiquei tonto eu não consegui acreditar que ela tava fazendo aquilo parei de olhar sai de trás do barraçãoe fui pra cozinha sem reação olhei o relógio eram 8:00 precisava ir pro trampo não sabia como agir naquele momento pensei em ligar pra minha esposa que ficaria chocada pois e de igreja, meu pensamento foi cortado quando ouço do guarto um barulho de pés andando e na porta barulho do trinco da fechadura … continua

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,67 de 24 votos)
Loading...

,

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Eu

    Odeio esses contos q não dizem nada e ainda vem um continua…

  2. Pai de Familia Mg

    Continua Vizinho. Tbem sou de Betim.

  3. Anônimo

    Continua logo que tá esquentando.

  4. Japa

    Cara adorei, muito bom continua por favor
    Alguem sabe q aconteceu com o batepapo q tinha aqui ?

  5. nettoo

    continua

  6. Japa

    Muito bom parabéns, não deixa agente curioso, posa logo a continuação.