Nosso caseiro, macho e bem dotado

12-05-18 Por 2 ★ 4.33

Somos casados há 13 anos,somos bisexuais, tenho 32 anos e minha mulher 26. Minha mulher Carol é clara de corpo delicioso, tem um par de seios médios, coxas grossas, uma bunda deliciosa, e uma boca carnuda e macia. Ao completarmos 6 anos de casados, ela queria algo mais, me ofereceu sua amiga Paula, uma mulher também bem gostosa, a partir dai nossa vida mudou completamente, passamos a transar com outras pessoas, transavamos com mulheres até que passei a gostar da fruta. Apesar de ser bisexual, ela prefere transar com machos, com sua boca deliciosa, todo homem adora beijá-la e sentir a suavidade de beija-la e sentir a suavidade de sua boca envolvendo sua caralho numa deliciosa chupeta. Quando usa roupa colada ao seu corpo escultural as curvas de sua bunda ficam evidentes e irresistíveis, chamando a atenção por onde ela passa. Fomos passear num sitio de amigos, como o mesmo fica distante da cidade, vão lá poucas vezes, então contrataram um caseiro, um senhor de uns cinquenta e poucos anos, acostumado a trabalhar na roça, por isso ainda gozava de pleno vigor físico. Era um senhor simples e muito prestativo, mas não deixei de notar os olhares dele pra minha mulher quando ela estendia sua toalha na beira da piscina pra tomar sol, ele disfarçava, disfarçava ate chegar perto dela com desculpa de fazer alguma tarefa, só pra observa-la e comê-la com os olhos. Não era difícil notar o volume que formava em suas calças, sinal evidente do tesão que a visão de minha mulher lhe causava. Notando o tesão que ele sentia somente em ver minha mulher de fio dental, acabei também ficando excitado com aquilo, só de pensar no poder que uma mulher tem de fazer um homem ficar naquele estado, com uma simples visão do seu corpo seminu, ela parecia não notar o tesão do caseiro. Eu e Clara somos um casal aberto, liberal e sempre desejamos buscar outras formas de prazer sexual, depois que Carol terminou o seu banho de sol e entrou em casa, contei a ela o que estava acontecendo com nosso caseiro. Ficou evidente que a ereção do caseiro também lhe causava excitação, pois toda mulher adora se sentir desejada por outro macho, e aquele caseiro, homem simples e sem muito estudo, definitivamente mexia com seus instintos femininos. Com minha imaginação fértil e minha excitação não foi muito difícil pra nós, ( Eu e Carol) bolarmos um plano pra que ela pudesse seduzir o caseiro e deixa-lo com mais vontade ainda de desejar comer a Carol. No dia seguinte na parte da tarde, deixei Carol sozinha e disse ao caseiro pra cuidar dela pois eu tinha muitos assuntos a resolver na cidade e só voltaria no outro dia, eu sabia que era tempo suficiente pra Carol fazer a sua parte que era de seduzir o caseiro e deixa-lo com mais desejo ainda. Ela sabe muito bem fazer um joguinho de sedução. Logo após minha saída pegou sua toalha e foi pra piscina, forrou a toalha e deitou sobre ela com seu fio dental enterrado na sua buceta e ficou curtindo com o olhar de desejo do caseiro, fez tudo que podia para provoca o tesão dele até começou a escurecer, quando se despediu dele e entrou pra dentro, pois se continuasse com seu joguinho acabaria dando pro caseiro antes da hora , tamanha era sua excitação e o tesão do caseiro, ela queria que o caseiro a possuísse perto de mim, na minha frente, então teria que aguardar até o outro dia.
No sábado cheguei cedo, por volta das sete horas da manhã Clara já tinha se levantado, tomado banho e aprontava o café. Eu fiquei a conversar com o caseiro, e outros assuntos e acabei descobrindo que ele era separado a muito tempo, e que de vez em quando acabava transando com uma mulher na cidade mas ela era casada e só fazia isso quando o marido dela viajava. Então eu disse: hummm então você gosta de comer uma mulher casada em!!! Ele apenas sorriu!!! É. Depois o convidei para tomar café conosco, quando chegamos na cozinha Clara voltava do quarto tinha acabado de colocar uma calcinha fio dental preta, u,ma blçusa que apesar de
os pdeie uma sainha curta, e uma sandalhinha de salto. Clara estava maravilhosa, com certeza seria impossível alguém resistir a ela, principalmente o caseiro. Sentamos todos à mesa para o café da manhã, e Carol aproveitava pra se exibir pra ele, e ele, lógico, começo a olhar para as pernas e seios dela, minha esposa estava deliciosa e nosso caseiro comia cada pedacinho de seu corpo com os olhos, mas fazia tudo na maior discrição para não chamar minha atenção. A medida que ele tomava seu café e conversávamos ele ia ficando mais a vontade, ia se soltando mais, e Carol quis saber mais da sua vida, perguntando se ele se sentia muito sozinho, sem uma companhia feminina, já que ficava a semana inteira no sitio. Eu mesmo fiz questão de responder pra Clara que ele comia uma mulher casada na cidade quando o marido dela viajava, que ele adorava comer mulher casada. Clara riu e disse: Talvez você não precisa ir mais na cidade, deixando nosso caseiro meio sem graça, mas ele respondendo a pergunta dela disse que se sentia sozinho sim, mas já estava acostumado pois já tinha um bom tempo que era separado. Carol tentava ainda mais chamar sua atenção cruzando as pernas pra lhe mostrar melhor suas lindas coxas e deixando ele ver sua calcinha minúscula sendo engolida por sua linda bucetinha, ou permitindo-lhe ver seus lindos seios pequenos devido a blusa ser bem curta quando lhe enchia de novo a xicara de café. Claro que nosso caseiro já estava de caralho duro e tentava disfarçar talvez pela minha presença Para min tudo estava perfeito e muito excitante, e toda aquela situação aumentava ainda mais o meu tesão. Depois do café nosso caseiro foi cuidar de seus afazeres, mas assim que se levantou não foi difícil perceber o quanto seu caralho estava duro dentro da calça, fazendo um grande volume. Nesse momento percebendo o nosso olhar no seu caralho ficou vermelho de vergonha ou de mais excitação não sei ao certo. Assim que ele saiu Carol me tomou pala mão e disse: Vamos pra cama, minha buceta ta babando. Motivada pelo clima anterior, nossa transa foi muito gostosa, ela dizia que queria dar pro caseiro, que eu seria seria sempre seu amor e me perguntava se eu vi o quanto ele estava com tesão ao me ver daquele modo e dizia que queria aquele caralho dentro dela e gozou gritando que eu seria sempre seu amor e seu marido que era cumplice de tudo que ela fazia.Mais tarde Carol resolveu ir pra piscina, queria provocar mais um pouco nosso caseiro, e me chamou pra ir com ela. Quando Carol estendei a toalha e se deitou sobre ela, pude ver como ele ficou quando a viu de fio dental de bruços, a bunda deliciosa quase toda nua, com o fio dental enterrado no seu cú e também na sua bucetinha, ele não conseguia deixar olhar, e ela aproveitava pra se exibir cada vez mais, de óculos escuros ele não percebia, mas ela conseguia visualizar todo o seu olhar de desejo, de vontade de come-la ali mesmo na minha frente. Essa provocação demorou algum tempo enquanto ela estava na piscina, então Carol tomou a iniciativa de pedir ao caseiro que passasse o bronzeador em suas costas, ele olhou pra mim, como se perguntasse se podia, e eu fiz sinal de positivo, aquilo foi como dar um doce a uma criança, vi o sorriso de satisfação em seu rosto, e meio sem jeito foi se aproximando de Clara e se abaixando. Clara soltou a parte de cima do bikine jogando de lado, ele pegou o bronzeador e com jeito foi passando em suas costas, ombros, braços e depois nas coxas e pernas. Carol pediu: passa no meu bumbum, novamente ele me olhou, e novamente fiz sinal de aprovação, ele começou a passar o bronzeador naquela bunda deliciosa, Carol então disse: vou tirar meu bikine pra não sujar, ficando completamente nua, enquanto ele passava o bronzeador em sua bunda ela abriu as pernas e uma empinadinha e com as duas mãos abriu suas nádegas expondo pro caseiro seu belo cuzinho rosado e sua bucetinha linda. Vi a sua agitação, e como ele ficou mais vermelho ainda, outra vez ele me olhou, e eu já estava com meu caralho em riste me punhetando, fiz sinal pra ele foder ela, e rapidamente ele abaixou sua calça e surgiu um belo caralho, grosso, duro e com uma cabeçorra avermelhada e babando. Ele pincelou no seu buraquinho e foi introduzindo seu cacete nele ate sumir, deitou-se sobre ela e fodeu gostoso seu cuzinho ate urrar de prazer, e encher ele de com muita porra. Vendo ele gozar e encher o rabo de Carol de porra eu gozei também, esguichando jatos e mais jatos de porra. Nosso caseiro gozou tanto que ficou mole, quase inerte em cima de Carol. Depois dele sair de cima. Ela se virou e ele pode ver seus belos seios e sua bucetinha bem depilada com seus lindos lábios saindo pra fora, Carol disse: ainda quero chupar seu caralho e engolir toda a porra que você tiver, e tem mais, quero que você abrir minha buceta ate deixar ela toda esfolada, faz tempo que desejo esse caralho, vou explorar ela ao máximo. Mas isso pode ficar pra noite, quero você bem descansado. A noite, depois de se arrumar Carol me beijou, e me agradeceu por deixa-la dar pro caseiro e matar seu desejo e seu tesão por aquele caralho, que deixava sua bucetinha melada só de imaginar aquilo dentro dela. Ela estava linda e pediu pra eu chamar o caseiro, queria matar sua vontade de dar, queria ser comida mais uma vez pelo caseiro. Fui e ao voltar entramos no quarto, ela estava de costa, deixou o vestido cair deslizando pelo seu corpo ate chegar ao chão, ficando apenas de calcinha, uma calcinha branca de rendinha que realçava ainda mais sua bundinha deliciosa, e foi logo dizendo:
Ela Passou a contar como estava com tesão para agasalhar o caralho do caseiro. – Olha o que quero lhe dar!
– Meu marido gosta de me ver sendo fodida por outro macho, ele sabe que sou bem puta e quero sentir seu caralho dentro de min agora, quero que meta na minha buceta com força e com raiva, quero sentir esse caralho esfolando minha buceta e me rasgando toda. Ela se apoiou na cômoda e empinou a bunda e ordenando ao caseiro.!!!.. Vai, encosta ela no meu rabo, mete tudo no meu cu, depois tira e mete fundo na buceta. Mete com força, quero sentir meu cu ardendo, pegando fogo, depois minha buceta sendo rasgada por esse caralho, vai enfia logo. Ela parecia perder o controle, de tanta vontade, de tanto desejo, ainda disse: meu marido ficará contente em me ver sendo comida por um macho de verdade como você.
Ele veio por trás me deu um tapa na bunda com tanta força que senti minha carne pegando fogo, rasgou minha calcinha com a indelicadeza que esperava e merecia, sem pedir licença meteu a língua meu cuzinho.
– Você quer vara, não quer!!! Quer meu caralho, não quer!!! Vou te mostrar agora como se come uma puta no cio. Disse isso ajeitando seu caralho na entradinha do meu cu, e numa estocada única senti sua pica rasgar minhas pregas e invadir meu cu, vi estrelas, seu caralho parecia maior e mais grossa que no dia anterior. Deu umas quatro ou cinco estocadas fortes que até me levantava do chão, tirou e enfiou tudo de uma só vez na minha buceta como eu havia pedido, mais uma vez aquilo entrou rasgando, com força, me fazendo sentir dor. Foi enterrando seu caralho na minha boceta adentro, nunca havia sentido algo tão grosso, tão gostoso como aquele caralho a preencher cada centímetro da minha buceta, aquilo queimava, parecia não ter espaço para mais nada, só seu caralho. Não era delicado, mas era grosso, era macho!!! Macho de verdade comendo uma puta como ele mesmo disse. Tudo que ele desejava era saciar o tesão acumulado de tanto me observar e comer com os olhos, e eu de matar minha vontade de dar minha buceta e meu cu para aquele homem rude, selvagem mas muito macho.
Ele bombava, bombava sem parar, e dizia que minha buceta e meu cuzinho eu era o melhor presente da vida dele, a coisa mais gostosa que ele já havia comido. Gozei duas vezes com seu pau dentro de mim. De repente senti seu caralho engrossar mais ainda, pulsar mais forte e despejar seu jorro quente bem no fundo da minha buceta, nunca alguém tinha gozado tanto em minha buceta como aquele caseiro acabava de fazer, ele gozou como nunca tinha gozado antes. Tirou o caralho da minha boceta e e eu ali de pe, apoiada na cômoda com minhas pernas abertas vi seu gozo cair no chão e escorrer por minhas pernas, eu estava mole, meu cuzinho e minha buceta ardia em brasa mas eu estava satisfeita de ter dado conta daquele macho bem dotado. Eu ainda queria chupar aquele pau, sentir o gostinho de porra em minha boca, depois de um descanso merecido comecei a chupar aquele caralho ainda melado com seu gozo e o meu, e não demorou muito pra ele ficar novamente de pé, me deixando ainda mais louca de tesão, chupei, chupei gostoso aquele caralho ate sentir seu gozo jorrar novamente enchendo minha boca, engoli tudo que consegui mais não dei conta, o resto ele foi esporrando em meu rosto, uma porra tão abundante que melou todo meu rosto e cabelos, levei um banho de porra literalmente. Ele foi embora e eu com meu marido fomos tomar um banho, eu ainda com a buceta e o cuzinho ardendo e toda dolorida pelas estocadas da pica do nosso caseiro. |Meu marido aproveitou e chupou meu cuzinho e minha buceta (sentindo na boca o gosto do macho) deixando eles limpinhos! Durante o banho chupou gostosamente meus peitinhos deliciosos. Ele me beijou e falei você é o marido que eu queria, sempre amigo, cumplice e sobretudo sabe que sou uma puta safada. Acordei com o café pronto na cama, fui acordada com um beijo, estava ansiosa e excitada de novo, tomei banho, passei creme no corpo, preparei-me inteira pra receber aquele macho selvagem dentro de mim novamente. Me vesti, me produzi, queria ficar ainda mais linda, eu podia sentir o desejo exalando do meu corpo, ansiava por ser novamente possuída e penetrada, pela caralho grande e grossa do caseiro. Depois do banho me vesti, coloquei apenas o vestido, disse que queria ficar sem calcinhas por baixo. Meu marido foi chamar o caseiro, queria que ele tomasse o café conosco. Depois de ter comido minha mulher disse.
– A sua mulher muito gostosa, ela precisa muito de caralho, comi ela do jeito que ela queria, e se ela quiser mais é só falar, eu sou o macho que ela precisa, quando o senhor quiser ver ela gozando no caralho de um macho de verdade é so me chamar. Nesse momento ela se levantou, pediu pro caseiro ficar de pé e baixou sua calça liberando seu caralho.
Passei a chupar aquele caralho mais uma vez com maestria, aquela boca linda e macia engolindo aquele caralho bem maior e mais gross. Depois de chupa-lo bem, foi a vez dele chupar sua buceta, ele foi pra cima dela que se apoiou no sofá e levantando seu vestido até a cintura já sem nada por baixo. Ele abriu suas nádegas expondo sua buceta e seu cuzinho rosado e inchado pelo estrago da noite passada. Ele elogiou sua buceta e seu cuzinho, dizendo que eram lindos, e foi chupando sua buceta por trás, e também lambendo seu cuzinho deixando-o bem lubrificado
Ele começou a bolinar o seu grelo esfregando o dedo deixando-o durinho e saliente e Ela foi ficando excitada. O caseiro já segurando seu caralho na mão com a cabeça bem melada colocou na entrada do cuzinho dela perguntei se ela iria aguentar mais uma foda no cu, apesar de ainda estar com um pouco de dor, mas que desejava aquele caralho todo bem dentro dela. Enquanto aquele caralho ia abrindo caminho e arrombando mais uma vez seu cuzinho, ela gemia de dor, dizia que estava ardendo mas não pensava em parar, que estava muito gostoso e queria sempre aquele caralho a lhe comer. Ela gemia alto, gritava alto num misto de dor e prazer, ela gozava com aquele caralho no cuzinho e chamava seu marido maravilhoso, que tinha encontrado o macho completo que lhe satisfazia, nessa hora o caseiro gozou com estocadas fortes enchendo mais uma vez aquele cuzinho de porra. Ela ainda deu a buceta mais uma, enquanto o caseiro lhe comia na frente do marido enchendo sua buceta de porra e fazendo eu gozar no seu caralho. Antes de voltarmos pra cidade, ela ainda lhe chupou o caralho ate sentir ele gozar e encher sua linda boquinha de porra, parte ela engoliu e depois beijei meu marido, dando para ele uma parte daquele macho gostoso.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,33 de 6 votos)

Por

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Lobo71

    Cara é muita viagem… sua mulher casou com 13 anos… em qual país do Oriente médio???

  2. Anônimo

    Conto repetido