Nádia

Autor

Olá. Já contei aqui minhas histórias com minha prima Zuleika, que tinha 15 anos e era cinco anos mais velha que eu. Pois bem, ainda naquela época, menos de um ano depois que as nossas "brincadeiras" começaram, mudou-se para a casa ao lado uma família que tinha uma filha adotiva, Nádia, da mesma idade que eu. Eram duas casas de fundos, no mesmo terreno, então, as famílias tinham muito contato e acabaram ficando logo amigas. Apesar do nome, Nádia era uma menina com a pele bem escura, porém, com os cabelos lisos e compridos. A minha família era do leste europeu, os pais dos meus pais haviam vindo para cá por necessidade e pelo nome, a menina chamou logo a atenção dos meus pais. A cor da pele dela também era muito admirada por eles, que a achavam linda, já que a nossa família é toda muito branca. Logo Nádia e eu ficamos muito amigos. É lógico que minha prima deu-me logo a idéia de brincar com Nádia as mesmas brincadeiras que fazíamos. Com pouco tempo a mãe da Nádia começou a deixa-la conosco, quando precisava sair, já que, se minha mãe também precisasse sair, ainda teria a minha prima para nos olhar. Um dia, quando Nádia e eu estávamos com a minha prima – nossas mães haviam saído – e já suados de tanto correr pelo quintal, minha prima nos chamou e disse que precisávamos tomar banho, mandando que tirássemos as roupas (nádia estava só de calcinha e eu só de shorts). Eu fui logo tirando, Nádia parece ter achado aquilo natural e tirou a calcinha, também. Fiquei fascinado com aquela buceta lisinha e pretinha e aquela bundinha redondinha. Minha prima nos colocou embaixo do chuveiro mas não tirou a roupa e nem entrou no box, só comandava o banho, nos dizendo para molhar aqui, passar o sabão ali… Em dado momento Zuleika disse que era melhor que nos lavássemos um ao outro, mandou que eu ensaboasse o corpo da Nádia, que parecia estar se divertindo muito e, depois, mandou que ela fizesse o mesmo em mim. Meu pintinho já estava apontando para cima e Nádia parecia dar maior atenção a ele, embora minha prima ficasse dizendo a ambos onde ensaboar, alisei muito aquela bocetinha, abri aquela bundinha e passei muito o dedinho naquele cuzinho, minha prima me mandava lavar os cabelos da nádia e, nessa hora, ela hora encostava a bundinha em mim, quando estava de costas, hora encostava a bocetinha, quando estava de frente. Depois que saímos do banho, minha prima não nos vestiu e disse para não irmos mais para o quintal, com a desculpa de não nos sujarmos, inventou uma brincadeira de desfile, onde Nádia desfilava, eu era o jurado e minha prima a platéia. Zuleika levava Nádia para um canto e dizia a ela o que fazer, primeiro Nádia desfilou com um vestidinho por cimo do corpo, depois, veio só de calcinha, que a minha prima enrolou nas laterais e enfiou bem no reguinho da Nádia, como se fosse um "fio dental", por fim, Nádia veio pelada, andou para um lado e para o outro, deitou na cama com as pernas bem abertas, ficou de quatro na cama, de costas para mim e eu assistia a tudo, com o pinto apontando para o teto. É claro que Nádia venceu as concorrentes imaginárias, aclamada pelo público. Depois dessa primeira vez as coisas evoluíram muito entre nós, mas isso eu vou contar nos próximos. Até lá.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,11 de 9 votos)
Loading...