,

Minha primeira vez foi no ônibus com um cara que nem sabia o nome

Há 5 meses Por 1 ★ 3.83

Olá meu nome é Lily e eu tenho 17 anos. Bom vou contar a história de como deixei de ser virgem, mesmo que tenha sido uma experiência um pouco assustadora para mim naquele momento, hoje eu fico excitada com isso.

Tudo começou quando eu estava em uma festa com as minhas amigas e elas resolveram que vinham mais tarde para casa e eu fui mais cedo, tive que voltar de ônibus já que não consegui chamar o Uber e não tinha nenhum posto de táxi por perto. Quando eu subir no ônibus vim o cara da festa que eu achei ele super lindo e a gente tinha trocado olhares, bom quando eu passei da catraca fui para parte do meio, ele estava um pouco perto de mim, porém ficou atrás de mim e começou a me encoxar de leve e sempre pedia desculpas.
A rouba que eu estava também não favoreceu a mim, bom eu estava com uma saia cintura alta curta e um croppet sem sutiã, já que não precisava.
Logo ele começou a me encoxar mais e a segura a minha cintura, eu tentei soltar e olhei para ele com a cara fechada, ele riu e disse.

— Oh putinha não tenho medo de cara feia, você tá me provocando desde da festa.

Fiquei com medo nessa hora e não fiz nada, acho que ele entendeu como um sinal para avançar e foi logo beijando o meu pescoço, me arrepiei com os seus beijos e por impulso joguei a minha cabeça paraa trás apoiando no ombro dele.

— Viu linda você quer isso tanto quando eu.

— Não! Por favor, aqui não

Mesmo eu falando ele continua, leva uma de suas mãos até a minha intimidade e acaricia o meu clitóris, depois ele vai subindo a minha saia e aperta a minha bunda, mão consigo evitar nessa hora e dou um gemido baixo. Foi nesse momento que ele rasgou a minha calcinha e colocou no bolso da sua calça, eu fiquei bem envergonhada e com medo de alguém olhar. Logo começo a sentir o membro dele, olho para trás e suspiro.

— Não faz isso aqui por favor, eu sou virgem!

Quando falo isso, ele enfia dois dedos em mim e fica tirando toda hora, suspiro e sinto a minha intimidade ficar molhadinha.

— Porra linda, você tá muito molhadinha, vou adorar gozar em você.

Ele falar isso e se afasta um pouco, tento sair, mas ele me segura e tira o seu membro de dentro da calça e começa a roça na minha bunda, ele dá um tapinha e abri as minhas pernas.

— Relaxa, você só vai ser furada.

Nessa hora eu não tive reação, apenas fui sentindo o sem membro entrando em mim e me fazendo aperta a barra de ferro, fecho os meus olhos sentido uma leve dor e depois abro os olhos e o encaro, ele me dá um sorriso malicioso e começa a fazer movimentos de vai e vem.

— Caralho você é muito apertadinha.

Ele aperta a minha cintura e vai acelerando, mordo o meu lábio inferior com força para não gema e acabo gozando logo.

— Viu linda falei que ia gostar!

Ele diz e logo gozar dentro de mim, me vira para sua frente e faz com que nos beijamos, mas eu o empurro, ele me olhar com um olhar frio e aperto o meu corpo contra o dele.

— Porra putinha, você não entende que eu vou te comer.

— Você não entendi que isso é estupro?

— Então porquê gozou?

Fiquei sem reação e vejo que estava chegando o meu ponto.

— adeus!

Puxo a corda para mim descer e ele me solta, só que desce comigo, fico com medo e vou andando o mais rápido para minha casal, ele riu do meu desespero e parou na casa ao lado, vi que ele era o meu novo vizinho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,83 de 12 votos)
Loading...

Por ,

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. tih

    olha que conto ruim e falso, me desculpa mais sou sincero .