Minha namorada e sua irmã 2

Autor

Olá a todos novamente. Vou continuar esse relato, e já avisando que não é ficção, aconteceu e ainda acontece, só que bem menos, por motivos de trabalho, aula e etc.
Então vamos continuar, no conto anterior não mencionei muitos detalhes, desculpem pois estava super ocupado, mas agora sim, conheci essa minha ficante através do face quando ela ainda tinha seus 13 anos, eu já tinha 36, até aí tudo bem, conversas e mais conversas, pedidos de créditos pra poder mexer no face e zapzap, coisa de toda adolescente, sempre pedindo. Enfim, depois que ela já tinha seus 14, nos conhecemos e foi uma farra, sexo mesmo, com direito a tudo mesmo, quem já comeu uma novinha sabe como é, elas tem muito fogo, kkkk. Enfim, o tempo foi passando e como mencionei anteriormente, ela teve que trazer sua irmã pra minha kitnet.
Agora vamos voltar ao que interessa, enfim estávamos naquela boa foda com a presença da irmãzinha quando peço pra comer sua bundinha, coisa que ela sempre dava e com gosto, mas nesse dia não, simplesmente ela chega e diz: se quiser, come o cuzinho da minha irmã, gente quase pirei, gaguejei, suei, tremi na base, pois uma novinha é bom, mas uma mais novinha ainda é maravilhoso, então a pergunta que não queria calar, vc deixa? E simplesmente a resposta, é só não machucar ela, quero ver o cuzinho dela arrombadinho (kkk). Até aí tudo bem, mas agora vinha o problema, como fazer ela aceitar, eis que um bom papo de uma "boa" irmã não faz.
Então, tudo preparado, muitos incentivos e elogios só pra deixar a menina mais alegre, tipo: sua bundinha é linda, coisa que era mesmo, se eu aguentei com 11 anos tbm, pq vc não aguenta? mentira, que foi com 13, kkkk, ele vai meter devagar, outra mentira kkkk, e daí vai. Até que a menina aceita.
Tudo pronto, uma boa chupada numa ppk virgenzinha, com pouquíssimos pelos, um cuzinho minúsculo, seios só duas bolinhas, dois caroços, e então a menina está toda mole e arrepiada. Então chega a hora e minha namorada que já não aguentava mais de tanto tezão, manda ela ficar de 4 na cama, e pega meu pau e vai logo dizendo: amor arromba esse cuzinho. Passa o óleo erótico que uso sempre, aponta a cabeça no buraquinho e manda eu meter, tento a primeira, segunda, terceira e nada, a menina até pede pra parar, mas minha Manu já tremendo, suando, tanto de nervosa querendo ver meu pau dentro, quanto de tesão, diz pra eu tentar mais uma vez e se coloca atrás de mim e diz que é pra ela ficar parada e esperar que vai entrar, mesmo a irmã dizendo que estava ardendo.
Novamente coloca óleo, só que agora mete um dedo no rabinho da irmã, só pra melar por dentro, e depois posiciona a cabeça bem na entrada, estando atrás de mim, segura firme a cintura da irmã e manda eu meter, nisso quando eu vou forçando, ela que estava atrás de mim, puxa a irmã de vez, não deixando nada sair ou escapar, e… lá se vai meu cacete todinho de uma vez no rabinho da irmãzinha, a menina chorando, tentando sair, e minha gatinha a segurando com força e dizendo pra ela: calma que vai passar, é assim mesmo. Passados uns minutos todos nessa mesma posição a menina já começa a relaxar e então minha Manu diz, amor vai metendo e tirando devagar, até ela se acostumar, nisso depois de umas empurradas vejo que a menina começa a gemer, e então perguntamos a ela se ela está gostando ou não, então vem a resposta que todos queriam ouvir, dói mas é bom, então digo só pra saber qual a reação dela, vou tirar tá, então outra resposta, não precisa tirar não, continua, aí é só alegria.
Bom, se eu continuar vou passar o dia todo contando essa exitante história. Então até a próxima, se quiserem é claro. E pra quem mora em São Luis-MA, se quiserem entrar em contato, meu e-mail osantomagu@hotmail.com

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,60 de 20 votos)
Loading...