Minha mulher disse e provou 4

Autor

Após sairmos da piscina tomamos um banho, fizemos um lanche. Enquanto fui para o quarto assistir uma resenha, Sonia foi terminar seus afazeres. Depois de um tempo, entrou no quarto, pegou o controle e colocou num canal pornô que todos conhecem. Tirou a camiseta e aninhou-se em mim. Abaixou meu short e começou a acariciar minha vara suavemente enquanto víamos as cenas. Com o passar do tempo, ela encostou sua boca no meu ouvido sussurrando, nós somos melhores. Meu pau já duro começou a soltar o mel e ela passava o dedo na cabeça. Abaixou, fez um biquinho no buraco da pica, fez uma sucção e sorveu. Deu uma abocanhada magistral, umas mamadas, subiu e disse, que leitinho gostoso. Me beijou, acariciou meus cabelos e dormi. No dia seguinte, acordei Sonia já tinha ido levar o garoto na escola. Ele estuda em caráter integral até as 17:30. Tomei um banho, ela chegou. Como sempre sorrindo comentou, o Gui tá vindo tomar café conosco. Nada de excepcional, ele fazia isso algumas vezes em todos esses anos. A única diferença agora era que eles tinham dado uma foda no dia anterior. Tentando disfarçar um desconforto disse, será que aconteceu alguma coisa? Claro, disse ela com um sorriso nos lábios, ele está alucinado. Você não estaria? Concordei que sim completando, mas tão cedo ? Acredito que nem se recuperou ainda. Ela emendando, depois de todo aquele rala e rola, de todas aquelas emoções, daquele fervor de ontem ? Ficaria boba se isso não acontecesse. Preparou a mesa contando com sua vinda. Fui me arrumar, a buzina tocou e ela saiu para recebê-lo. Quando voltei a cozinha ele já estava sentando com um sorriso no rosto. Me cumprimentou, falou que veio filar o café. Fizemos o lanche e Sonia então comentou, vocês hoje tem muito a fazer? Depende, disse eu, como você sabe no nosso trabalho somos nós que fazemos o horário. Ela então completa, que tal então logo mais nós irmos ao nosso barzinho? Tudo por minha conta, eu pago disse ela. Sorrimos, e eu sem me dar conta falei da inconveniência dos carros. Ela completamente senhora do que queria falou, eu levo vocês no trabalho e logo mais vou buscá-los. Por volta de 18:30 pego vocês. E o carro do Gui ? Perguntei. Ela, fica aqui, quando voltarmos ele pega. Gui na hora, pra mim tudo bem. Olhei pra Sonia e vendo aquele sorriso percebi que ela estava tramando alguma coisa. Ele pediu que esperássemos que ele iria falar com Marta e também colocaria o carro na garagem. Após sair ponderei a inconveniência, ela taxativa, vamos aproveitar as loucuras de momento. Caso de tudo certo e você queira, hoje o meu voyeur vai gostar mais ainda. Em meio a muitas brincadeiras, ela nos levou. Ligou pra mim quatro vezes, em todas falando muitas sacanagens. Perguntei como faria com o garoto. Ela, vou deixá-lo em casa com as recomendações de sempre, fica tranquilo. Como combinado, ela foi nos buscar. Deu-me a chave, sentou no carona e Gui, colocando os braços nos bancos da frente, ficou entre a poltronas conversando. Sonia com o ombro esquerdo encostado no banco ria e conversava animadamente com ele e comigo. Em algumas vezes ela chegava perto de mim, me beijava e recomendava atenção na estrada. Gui ria. Chegamos no bar. Sonia escolheu uma mesa mais afastada, tinha pouca gente e pouco iluminada. Sentamos, pedimos uma cerveja enchemos os copos, brindamos e sorvemos. Estávamos com as cadeiras próximas e claro Sonia no meio. Sonia com um vestidinho que emoldurava suas curvas e coxas. Gui falou que precisava ir ao banheiro e saiu. Ela riu, me beijou e comentou, acho que foi se limpar, agarrei a pica várias vezes, você percebeu? Mais ou menos eu disse. Ela falou, como você quer ouvir, bebe finja que ficou bêbado, que eu vou falar e fazer muita sacanagem com ele. Eu comentei, será que vai dar certo? Ela, amor por uma foda faz-se qualquer coisa. Bebemos, dei a entender aos dois que estava bêbado, enrolei a língua, até arriei a cabeça sobre a mesa. Ela então pediu a conta, deu a chave pro Gui e me colocaram no banco de trás deitado com a cabeça atrás do banco do carona. Quando eles sentaram, ele falou será que ele vai dormir? Ela, claro que vai, vamos esperar só um pouquinho, você tirou a sunga? Ele, não. Então vá ao banheiro e tire. Gui obedecendo foi. Ela virou pra mim e disse, tá ouvindo? Eu disse tô. Ela, se ajeite de forma que possa ver alguma coisa. Vou mandar levar o carro pros fundos do estacionamento, lembra já fizemos isso algumas vezes. Ela se mexeu no banco e me entregou a calcinha, toma segura pra mim. Gui voltou entrou no carro, ligou, quando ia sair Sonia ordenou, faça o contorno e vamos pro fundo do estacionamento. Ele já dando a impressão de nervoso, não será perigoso? Ela, não, eu e ele já fizemos isso. E mandando, ali, ali, encosta, encosta isso, tá bom. Ele, o dono não vai desconfiar? Sonia rindo, desconfiar? Ele sabe. Já nos falou algumas vezes que se quiséssemos ficar mais a vontade que viéssemos pra cá. Se quisermos alguma coisa é só piscar o farol que ele vem atender. Será que ele dormiu? Ela, agora só acorda em casa. Ela se aproximou dele, fica tranquilo, arria a calça, abaixou a cabeça e começou a chupar. Saia e falava que pica gostosa, muito gostosa. Gui arfava e ela fazia o barulho do boquete. Gui apreensivo, cuidado ele pode ouvir. Ela não dava atenção, chupava, saia e elogiava, que vara gostosa, tua vara é muito boa. Em alguns momentos ela enfiava o braço entre as poltrona e procurava minha vara para segurar, eu guiava sua mão e ela me apertava e elogiava. Depois de um bom tempo ela levantou e piscou o farol. Gui com medo, tá doida Sonia. Ela rindo, porra Gui, tu vem pra cá, o cara sabe e não vai comprar nada, ele sabe que é uma cerveja. O dono trouxe, encheu os copos os serviu e voltou. Eles beberam, quando acabou ela falou, Gui, dê a volta. Ele sem entender, pra quê. Ela porra Gui pra foder né. Ele fala baixo. Ela, então vem. Ele deu a volta, ela abriu a porta, arriou o banco, mandou ele sentar, arriou em cima. Ele, tu é louca. Ela pelo visto tu nunca fudeu num carro não é ? Ele nada disse, ela começou a quicar, ele suspirava e ela falava, que pica, vai fode, me come, me fode, eu quero gozar, quero gozar. Ele, cuidado. Ela, deixa eu gozar, me faz gozar. Ta gostando, fala porra ta gostando. Ele, tô, tô gostando. Ela é bom, é bom fuder a mulher do amigo? É bom, fala, é? Ele é, é muito bom. Ela, o que que eu sou, fala, o que eu sou. Ele, tu é gostosa, muito gostosa. Ela, eu sei que sou, eu sei. Ele, vai me dar o cuzinho, vai ? Ela, você quer? Quer muito? Ele, quero, quero muito. Sonia saiu do carro, falou vem. Ele saiu, foi pra trás dela, ela curvou e disse devagar, bem devagar. Ela suspirou fundo falou deixa eu rebolar, eu também quero gozar. Ela mete, mete, gostoso mete, me faz gozar. Ele. ai Sonia vou gozar, vou gozar. Ela goza porra, goza. Ele suspirou e gozou. Saiu, ela acabou? Ele, tá muito perigoso. Ela riu, então vamos embora. Ele pegou o volante, ela encosta mais pra frente, vai lá paga e dá uma gorjeta pro cara. Ele, quanto? Ela, ah Gui, quanto vale uma foda? Dá uma grana. Ele foi, ela virou, pediu a calcinha e falou, gostou, bem pertinho de você. Ficou com tesão? Falei que sim. Ela, continue fingindo, não dê mancada. Gui, chegou. Ela,deu uma grana a ele? Ele, dei. Só não gostei que ele ficou perguntando algumas coisas e com cara de cínico. Ligou o carro, saíram. Sonia começou a rir e e falou, ele disse o quê? Ele, ah não gostei, perguntou se tinha corrido tudo bem. Se eu me senti bem servido. Se pretendia voltar outras vezes. Sonia rindo, tu é muito fresco, tu acha que ele não sabe o que aconteceu lá. Claro que sabe, ele que oferece. Ele, só não gostei. Ela rindo, tu fode no estacionamento do cara e fica chateado. E riu. Chegamos em casa. Gui pegou o carro, eu saí esfregando os olhos, Sonia encosta no carro e fala você hoje tá me devendo hem. Ele foi embora. Fomos tomar um banho. Sonia me pergunta, satisfeito, não falei que você iria ouvir? Fala pra mim, não teve vontade de participar. O que preciso fazer mais pra te convencer? Eu falei, me deixar ver muitas vezes. Ela riu e disse, vou deixar paixão, enquanto você quiser vou deixar. Agora vamos pra cama, pois não gozei ainda. Estava com receio que nada desse certo. Agora vamos nos dar prazer. Ainda em estase perguntei, quando é que você vai me contar como isso começou? Quando você teve certeza que poderia fazer isso? Quando notou que eu iria gostar? Como foi que o Gui entrou nessa história. Sonia me deu um longo beijo e falou, ainda essa semana eu te revelo. Mas isso é um segredo que uma mulher só revela quando está muito segura. Essa semana eu conto o que ela disse.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,44 de 9 votos)
Loading...