,

Meu Mulato Gostoso, meu Homem…

12-05-18 Por 1 ★ 4.40

Essa história que passo a relatar, me aconteceu há 2 anos atrás…

Morava em um bairro classe média-alta, e lá era incomum casas vazias, pois é um bairro legal prá morar. Mas, havia uma casa que era ocupada pelos mendigos, pela falta de gente morando lá. Eu sempre gostei de ser útil, ajudar quem precisasse. Uma coisa eram minhas putarias, que não dispenso, e outra, era meu lado humano que sempre gostou de ajudar. Sabendo que moravam alguns mendigos lá, fiz eu mesmo um sopão e fui levar prá eles, o que me rendeu fodas muito gostosas…

Chegando lá, bati palmas, e um homem com cara de nordestino veio me atender. Quando começou a falar, pelo sotaque forte, vi que realmente, era nordestino. Olhando-me de cima a baixo, perguntou-me o que eu queria. Mostrei a ele a bolsa térmica dizendo que estava cheia de comida que eu havia levado prá eles. Sorrindo, ele pegou a bolsa das minhas mãos e pediu prá que eu o seguisse. Seu nome, ele me disse, era Carlos, tinha 37 anos, corpo bonito, e pelo volume que eu percebia na calça, tinha uma rola avantajada e apetitosa. Me apresentou ao Valney, negro, 45 anos, gostoso e que pelo volume que fazia na bermuda era maravilhosamente bem dotado. Naquele momento, segundo Carlos, eram só os dois, pois os demais estavam como eles diziam em trabalho noturno.

Abri a bolsa térmica, e coloquei todos os marmitex de sopão ali, dando à eles além do marmitex, um suco também preparado por mim em duas garrafas de 3 litros. Agradecendo, eles se sentaram e foram comer, enquanto não paravam de me olhar de cima a baixo e cochichar entre si, sorrindo. Quando eles terminaram, novamente me agradeceram, perguntando-me porque eu me dava aquele trabalho todo, e ainda mais, sozinho. Respondi que adorava fazer aquilo porque me dava alegria em ajudar. Carlos olhou prá Valney, apertando o pau por cima da calça, me perguntando se eu não os ajudaria de outras maneiras também. Sorrindo eu perguntei em que mais poderia ser útil à eles, o que ambos ao mesmo tempo, responderam tirando suas rolas prá fora, me deixando louco e com o cu piscando de tesão em ser enrabado por eles. O pau de Carlos deveria ter uns 17,5 cms por 5 cms, o de Valney deveria ter uns 21 cms por 7 cms mais ou menos. Nossa, só de lembrar, é uma delícia que faz meu cu piscar só em lembrar daqueles dois mastros lindos, grandes, grossos e maravilhosos…

Me coloquei ajoelhado em frente ao Carlos, iniciando uma chupeta, enquanto punhetava o Valney. Mamava, chupava uma bola, a outra, voltava lambendo o pau todo, chupava de novo. Até que Carlos, sem aguentar mais, me pegou e me levou pros fundos, aonde prá minha surpresa, haviam colchonetes no chão. Me coloquei de quatro, e enquanto Valney enchia minha boca com seu mastro enorme, senti Carlos atrás de mim, salivar meu cuzinho várias vezes, e em seguida, passar o pau entre minhas nádegas. Fez isso várias e várias vezes, até encaixar no meu cuzinho e me penetrar bem gostoso. Senti centímetro por centímetro aquela pica me penetrando, meu cu se dilatando prá receber o macho gostoso. Quando senti suas bolas baterem em minha bunda, Carlos se debruçou sobre mim, passando o braço por baixo dos meu, e começando a bombar com força e tesão o meu cuzinho faminto. Eu então, comecei a gemer ao ritmo das estocadas, enquanto Carlos me fodia com mais e mais intensidade. O ritmo das estocadas de Carlos era tão intenso, que as bolas dele batiam com toda força em mina bunda, fazendo um barulho enorme. Enquanto sentia Carlos me fodendo gostoso, eu mantinha minha boca ocupada com o cacetão do Valney, que enquanto era chupado, me acariciava os cabelos. Carlos, que já metia com força e tesão no meu rabo, intensificou ainda mais as estocadas, que culminaram com a estocada derradeira e uma gozada tão intensa dentro do meu rabo que senti contrações dentro do meu cu. Carlos desabou satisfeito sobre mim, deu-me um beijo no pescoço e tirou sua pica saciada do meu cu lambuzado. Enquanto Carlos se deitava em um dos colchonetes, Valney veio e pediu-me que eu deitasse de barriga prá baixo, enquanto ajeitou um "travesseiro" embaixo de minha barriga. Abriu minhas nádegas, viu meu cuzinho arregaçado e cheio de porra, e encaixou o pauzão dele, empurrando pouco a pouco todo aquele mastro negro dentro de mim. Gemi, e ao se deitar sobre mim, senti todo o pauzão dentro do meu cuzinho. Ele então, começa a socar bem gostoso, deitado em cima de mim, fodendo com todo tesão meu rabo. Eu gemia, pedia mais e mais, me deixando levar pelo tesão daquele picão gostoso fodendo o meu cu. Eu delirava sentindo aquele homem me foder, me fazer passivo e submisso, me usar como mulher prá ele matar sua vontade de sexo. Eu sentia Valney cada vez mais e mais excitado, estocando com vontade e tesão o meu cuzinho, me falando palavras excitantes ao meu ouvido, me beijando o pescoço e me chamando de tesãozinho. Valney, então, intensificou o ritmo da foda gostosa, e cravou a picona no meu cuzinho, urrando como um louco de tesão. Senti meu rabo ser totalmente preenchido daquela porra quente e muito gostosa. Ao sair de dentro de mim, o negão me dá um beijo em cada nádega minha, agradecendo-me pela comida e por eu ter sido a "sobremesa" deles. Ri e fiquei ali deitadão nu naquele colchonete, enquanto ambos foram atrás da casa, tomar uma ducha de água gelada. Estava ali, deitado quando vi um garoto lindo, mulato, corpo delicioso entrar e admirado ficar me olhando ali deitado à vontade. Sem dizer nada, o garoto tirou toda a roupa, revelando um cacete lindo GGG(Grande-Grosso-Gostoso), e vir sem cerimônias em minha direção. Sem nada dizer, o garoto coloca minhas pernas em seus ombros, e sem nada dizer, desliza prá dentro de mim o seu enorme e gostoso pau duríssimo. Enlouqueci, e deixei o garoto matar sua vontade em foder um cuzinho. Ao colocar todo o pau dentro de mim, o garoto começa a socar gostoso todo aquele pauzão dentro do meu cuzinho, com todo desejo, tesão e vontade que ele tinha. Tamanho o tesão que eu sentia naquele garoto, enquanto ele me fodia gostoso, eu acariciava suas costas e coxas, deixando o garoto mais louco de tesão ainda. Ele fodia impiedosamente, com toda força o meu cuzinho, me levando ao delírio. Tão excitados que nós estávamos, nem percebemos que Carlos e Valney nos observavam sorrindo. O garoto louco de tesão, cravou com força o pauzão no meu cuzinho, enchendo-me de porra quente e grossa, e desabando com a cabeça em meu peito. Fiquei ali, com o garoto engatado dentro de mim, acariciando-o. Quando o garoto saiu de dentro de mim, fomos juntos tomar um banho, e enquanto nos banhávamos, outra foda mais gostosa ainda aconteceu entre eu e o garoto dentro do chuveiro. Ao terminarmos, o garoto me revelou que era filho do Valney, tinha 18 anos e queria ficar comigo prá sempre, porque eu tinha sido uma mulher prá ele como nenhuma mulher tinha sido. Resultado? Estou com ele até hoje….

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,40 de 15 votos)
Loading...

Por ,

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. John Deere,Matador de Veados

    Né veado,você ainda não parou com a veadagem e já avisei vc
    Se te encontro por aí na boiolagem te endireito rapidinho ok