Fudendo com minha dentista coroa

Sou um cara loiro, 43 anos, 1m70 e um poço fofinho, mas um cara normal. Rotinameiramente vou a minha dentista, que consulto de 6 em 6 meses.
Na última vez, tive que fazer duas consultas: uma para restaurar um dente e outra consulta para fazer um clareamento de dentre, pois gosto que consumir muito café.
Minha dentista, Sirley, uma coroa de seus 55 anos, cabelos pretos, rosto bonito e peitos e corpo atraentes.
Na primeira consulta, ela gosta muito de conversar, muito embora não possa falar muito respondendo sempre sim ou não com a cabeça.
Neste dia, ela tava com um vestido com decote bem aberto e não aparentava estar com sutiã sob seu jaleco. Conversa vai e vem, com ela se inclinando sob mim realizando seus procedimentos, meu "imaginario" foi um pouco "além", o que imaginario me fez ficar de pai duro, o que certamente fez ela perceber.
Nisto, ela me pergunta: você me acha atraente?!
concordei com a cabeça.
Enquanto minha dentista se ocupava de fazer a obturação de meu dente, ela começou a me narrar que seu marido não procurava mais na cama, sendo o sexo uma coisa mecânica a cada 2 ou 3 meses, que já não havia mais tesão em também procura-lo e não via a hora de acabar quando isto acontecia. Dentre outdas narrativas que não vem ao caso ao conto, ela me falou que percebeu que eu a secava ela, principalmente os peitos e quando percebia meu olhar de canto para a bunda e o ventre dela sob a roupa.
Terminado o procedimento, ela me pergunta se sou bom, mas bom mesmo para guardar segredos, e que a história que ela havia me contado não sairia do consultório dela, bem como o que ela iria fazer naquele. momento. Concordei que sim, que era algo só entre nós e morreria por ali.
Nisto ela tira as luvas, mascara e por fim, desabotoa o jaleco e deixa cair no chão estando ela com uma ligery preta com renda, com um sutiã que deixa seus peitos volumosos.
Não tenham dúvidas que meu pau emdureceu e fui logo levantando desabotoando minhas calças e abraçando ela arrancando dela um beijo de língua. Solto o sutiã dela deixando os peitos volumosos e suculentos, com ela metendo a metendo a mão no pau dentro de minha cueca.
– Tira teus sapatos e tuas roupas – disse ela.
Completamente nus, sentei numa cadeira de canto e comecei a chupar seus peitos com vontade, com ela erguendo a cabeça largando um gemido baixo acompanhado de um belo sorriso e os olhos virados pra cima.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 1,86 de 7 votos)
Loading...