Como no há dentista parte 2

a primeira parte de meu conto foi incompleta, mas dando continuidade à ele.. .

Terminado o procedimento, ela me pergunta se sou bom, mas bom mesmo para guardar segredos, e que a história que ela havia me contado não sairia do consultório dela, bem como o que ela iria fazer naquele. momento. Concordei que sim, que era algo só entre nós e morreria por ali.
Nisto ela tira as luvas, mascara e por fim, desabotoa o jaleco e deixa cair no chão estando ela com uma ligery preta com renda, com um sutiã que deixa seus peitos volumosos.
Não tenham dúvidas que meu pau emdureceu e fui logo levantando desabotoando minhas calças e abraçando ela arrancando dela um beijo de língua. Solto o sutiã dela deixando os peitos volumosos e suculentos, com ela metendo a metendo a mão no pau dentro de minha cueca.
– Tira teus sapatos e tuas roupas – disse ela.
Completamente nus, sentei numa cadeira de canto e comecei a chupar seus peitos com vontade, fui descendo até dar de cara com sua buceta carnuda de pelos pretos e uma fenda linfa. Ela ergue a cabeça largando um gemido intenso acompanhado de um belo sorriso e os olhos virados pra cima dizendo: – FODE!!!!
Tiro meu pau pra fora e deixo quaisquer preliminares de lado. O tesão de ambos era intenso, e encabeço meu pau naquela buceta molhada… Tudo sob a cadeira de dentista.
Ela me agarra levemente pelo pescosso e me encara nos olhos me chamando de "meu macho!!!" e eu metendo com vontade dentro dela… Sob aquela transa intensa, gemidos de uma loba no cio num lapso de 5 minutos anúncio que vou gozar com ela mais uma vez me puxando pelo pescoço pedindo para gozar tudo dentro dela.
Enchi aquela buceta linda e gostosa de porra até a última gota de sêmen.
Quanto sai dentro dela paro de frente pra ela com ela ainda deitada de pernas abertas admirando ela passando a mão na buceta colhendo o sêmen que saia da vacina com os dedos e levando o provando e se lambendo a porra que saia em abundância dentro dela.
Ela se recompõe e levanta da cadeira e, vendo ainda meu pau ainda meio duro, se ajoelha na frente de mim dando uma chupada suave no meu pau.
Dei uma mamada ainda em seus peitos é ela me pede um abraço pedindo que a gente se veja mais vezes para poder sacia-lá e poder ter umas preliminares com mais calma.
Nos vestimos e faltando uns 30 minutos para seu próximo atendimento me despedi.
Se a galera gostou do conto, narro em próxima oportunidade nosso encontro no motel.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,11 de 9 votos)
Loading...