Comendo uma gatinha estudante

Autor

Era uma terça-feria e o fim de tarde apresentava uma fina chuva vinda de um céu cinzento.
Solitariamente estou dando uma volta de carro quando passo por uma escola municipal e em sua volta haviam vários estudantes caminhando com suas capas ou guarda-chuvas ou esperando a chuva passar sob o teto de alguns poucos prédios comerciais que ali existiam.

Noto que muitas menininhas adolescentes uniformizadas caminham ou estão no aguardo da chuva cessar. Algumas muito lindinhas por sinal.

Alguns metros da escola, vejo uma moreninha linda, caminhando sem qualquer proteção da chuva. Mochila nas costas, cabelos, blusa e calça já acumulam uma certa quantidade de água.
Noto que não há ninguém próximo a ela e ao olhar pelo retrovisor, os alunos praticamente estão sumindo da minha vista.
Resolvo encostar proximo a ela, baixo o vidro e pergunto se ela quer carona.
Ela fica espantada, diz que não, porém, eu insisto. Digo que ela não pode caminhar na chuva, que poderá ficar gripada e não ir a aula nos proximos dias. Lembro que o uniforme também não pode ficar num estado que não dê para secar no outro dia.
Ela ainda resiste e digo que ela pode vir sem medo. Que irei deixa-la em sua casa. Que ela pode confiar.
Ela diz que tudo bem. Abro a porta e percebo que ela está bem molhada.
Apresento dizendo meu nome e ela diz que o seu é Amanda. Digo pra ela ficar tranquila. Pergunto onde ela mora e ela diz que é num bairro que para chegar lá teria que passar próximo à minha casa.
Digo que a levarei sem problemas. Falo pra ela que nao farei mal a ela e que ela pode ficar calma e relaxada.

Coloco um forró e ela até gosta. Diz que gosta de dançar mas que não pode ir às festas.
Pergunto a idade dela e ela responde onze anos.
Foi a deixa para eu começar a tecer elogios. Digo que ela é muito bonita pra idade e que jamais pensaria que ela tivesse onze aninhos pois pela altura parecia ter mais
Amanda sorri e agradece.
Em seguida pergunto se ela já namora e ela meio que envergonhada diz que não
– Nem um ficantezinho, você tem?
Amanda sorri mais ainda e diz que não. Que parece que ninguém acha ela bonita.
Aproveitando da situação digo que não acreditava, que ela é bonita demais para ficar solteira.
Apesar de35 anos, tenho uma aparencia de ter uns 28. Falei a ela que tinha 25 e ela acreditou,
Meu pau já começa a despertar imaginando a possibilidade de fuder essa moreninha.
Falo pra Amanda que preciso passar em casa pra pegar um boleto e que seria bem rapido.
Ela manda aquele sonoro hummmm, mas diz que está tudo bem.
Como o portão de casa é eletronico não precisaria descer para abrir e correr o risco de ser flagrado pelos vizinhos. A película também me protegia de qualquer flagrante da vizinhança.
Ao entrar, percebo uma preocupação de Amanda. Digo pra ela entrar, falo que vou pegar uma toalha pra ela poder se secar. Ela me espera na sala. Pego a toalha e ela vai se enxugando. Começa pelos cabelos, blusa calça….Nesse momento, pego na blusa da escola e passo a mão em sua calça jeans na altura da coxa. Digo que está bem molhada. Pergunto se ela não acha melhor esperar pra secar. Ela me pergunta como. Pedi pra ela ir ao meu quarto tirar a roupa e ficar com a toalha ou uma blusa minha, que ficaria imensa nela.
Amanda vai para o quarto Notei que ela não se negou mas já demonstrava nervosismo. Ela sai do quarto e vem enrolada na toalha com as roupas em mãos. Muito linda, cabelos enroladinhos e umas perninhas nem muito fina nem muito grossa. Vou em sua direção, pego as roupas e coloco atrás da geladeira na cozinha. Falo pra ela que em dez minutos a roupa estará seca,
Convido amanda para ir ao quarto pra gente assistir algo pra passar o tempo. Ela enrolada na toalha vem sem cerimonia. Senti que ela já confiava em mim. Ela senta na beira do final da cama, de frente pra televisão mais ou menos. Sento ao lado dela. Ela tenta segurar a toalha. Coloco num filme de terror (Atividade Paranormal 3) e ela diz gostar. Não demora 2 minutos e ela já está vidrada no filme. Me deito na cama e peço pra ela fazer o mesmo. Ajeito os travesseiros pra que ela pudesse ficar acomodada. Ela se deita segurando a toalha para não mostrar nada demais.
Não demorou muito e eu, deitado ao lado dela, começo passar as mãos em sua cabeça, depois braços e olhando para o filme começo a alisar seu rosto.
Percebo que ela respira de forma mais intensa, então eu olho pra ela. Ao perceber que estou olhando ela se vira e é no momento que nos encaramos e vou aproximando meu rosto para beija-la. Um beijo inocente, sem lingua, mais lábios, porém, que fazia a suspiração de amanda bater mais forte.

Começo a deslizar minhas mãos pelo seu corpo, faço ela ficar de ladinho e minhas mãos começam a alisar suas pernas., enquanto outra bem devagar segura sua cabeça.
Amanda, começa a respirar ofegante. Minhas m;aos começam a tocar suas coxas e subir a toalha.
Amanda sai dos meus lábios e olha eu levantar a toalha a ponto de tocar suas nádegas, depois alcançar sua calcinha. Sinto que ela é de algodoão. Passo a mão bem gostoso em um lado de suas nádegas.
Puxo, Amanda para ficar por cima de mim. Magrinha como era, não fiz muito esforço. Meu pau estava como uma barra de ferro, mas ainda estava de bermuda. Fiz amanda ficar numa posiçao por cima de mim em que eu pudesse passar a mão em sua bundinha e a fizesse sentir meu pau duro.
Dois minutos depois, beijando e alisando-a começo a tirar a toalha. Ela não mostrava nenhuma resistencia. A barriga lisinha sem uma unha do dedo de gordura, um umbiguinho minusculo e um formato violãozinho do corpo me deixaram maluco;

Passo a mão por dentro da sua calcinha, e uma calcinha verde, tipo cuequinha box e meu dedo maior já encontra seu reguinho a ponto de encontrar seu cuzinho e bucetinha so de leve.
Amanda suspira alto. Sente a dureza do meu pau. Tiro ela de cima de mim e a coloco de ladinho enquanto tira a bermuda. Amanda se assusta quando vê o voluma que tem minha cueca.. Volto a beija-la e direciono a mãozinha de amanda para meu pau. Meu pau tem 19 cm mas creio que nesse ele chegou a 22 cm de tão grande e duro que estava. Coloco a mãozinha dela por dentro da cueca. A cabeça do pau está molhadinha e aquele liquidozinho amanda pega nele sem querer. Me levanto e coloco amanda de peito pra cima. Fico por cima dela e começo a chupar seus seios. Passo um bom tempo neles. e Amanda com os olhinhos fechados geme. Desço e começo a beijar toda a extensão de sua barriguinha, passo a lingua em seu umbiguinho, amanda ri e sente prazer ao mesmo tempo. Desço pra sua bucetinha e rapidamente retiro sua calcinha. Começo a chupar bem gostoso aquela bucetinha minuscula e moreninha. Chupo e chupo, chupo muito. Amanda não para de gemer. Pergunto se está bom e ela diz que sim. Bucetinha de menininas de 11 anos com direito a gosto e cheiro de xixi…que delicia.
Passo a lingua lá dentro e amanda geme mais alto. Abro suas perninhas e la está o hímenzinho lindo, gostoso, doido pra ser arrancado.

Penso: esse cabacinho será meu. Fico um tempinho olhando pra aquele himenzinho. Eu ia estourar um cabacinho de 11 aninhos.
Peço pra ela levantar as pernas e começo a sentir o seu cuzinho na ponta da lingua. Sim…uma chupada num cuzinho de tamanha inocência era maravilhoso. Sinto um gostinho de cuzinho em minha boca. Amanda só geme. Em nenhum momento encontro resistência.
Fico em pe e desço minha cueca. Amanda olha assustada o tamanho do meu pau. Como estava em pé mirou meu pau pra boca de minha moreninha e ela começa a me chupar. Apesar do esforço ela nao chupa nem um terço do meu pau. A unica coisa que sei que a chupada de uma virgem mesmo não sendo da melhor qualidade é uma chupada de uma virgem.
Então, após alguns minutos ela me chupando me deito novamente por cima dela e começo a apontar meu pau na entradinha de sua bucetinha e…Galera o sono chegou. Desculpem os erros mas estou caindo de sono escrevendo esse conto.

Se tiver muitos comentários e notas legais eu continuo com certeza esse conto.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,78 de 27 votos)
Loading...