Amor entre irmãos (1\2)

Autor

Minha irmã (Eliza) ou como chamo “Éli”, sempre foi muito apegada a mim e eu a ela, diferente da maioria dos irmãos a gente nunca brigava e fazíamos td junto, mas uma dia td mudou e suas atitudes foram mudando junto. Eli sempre foi muito recatada, roupas comportadas, nunca usou decote, suas roupas tampavam bem seu corpo, nada vulgar, vestidos do joelho pra baixo, calças, e roupas q se via claramente q ela era uma pessoa tao linda por fora quanto por dentro, ao conversar com ela era como se estivéssemos vendo como ela realmente era por dentro, e isso me chamava a atenção nela, sempre me cativou por esse lado dela, meigo, doce, e puro.
Sua mudança começou quando ela conheceu um rapaz e passaram a namorar. Aos poucos ela foi mudando seu jeito de vestir, passou a usar roupas coladas, passou a frequentar a academia com o rapaz e usar calças leggings e tops, decotes, vestidos curtos e shortinhos ainda mais curtos. Não apenas suas roupas, mas seu comportamento, vivia pela casa agarrada ao namorado, ele sempre abraçado com ela a encoxando, e eles se pegando pelos cantos da casa. Eu passei a ter certo ciúmes dela, e sentia sdd daquela irmã carinhosa de antes, mas confesso q seu corpo me despertava muito interesse agora q estava mais exposto, coxas e bundas grossas, mesmo antes da academia, cintura fina e seios médios. Pele branquinha, cabelos loiros lisos e longos uma pinta no meio da bochecha q dava um olhar ainda mais sensual. Ela era linda da cabeça aos pés, e namorava um Zé ninguém, ela com 15 anos, minha irmã gêmea, apesar de não sermos tão parecidos, eu tbm sou loiro, e diferente dela, sou mais alto e tenho olhos azuis, os dela são castanhos.
No começo nossos pais relutaram com o namoro, mas aceitaram rápido demais pro meu gosto, ela acabou ficando mais chata, brigava por qualquer coisa, e cmg sempre me tratava mal, e às vezes xingava, já me chamou de td, mas o q mais me incomodou foi “fracassado”, ela me falar isso por ser considerado NERD, inteligente, justo ela q me pedia ajuda quase toda semana com estudos, agora me tratando assim. Então aos poucos e com dor no coração fui me distanciando dela, evitando brigas e evitava ver ela nos braços daquele desgraçado do namorado, q agora vivia a encher a cara junto com meu pai (ele tinha 18 e bebia mais q meu pai). Td mudou quando fizemos um churrasco em casa, minha casa tem um terreno muito grande, a casa tem uma piscina na parte de trás junto com a área da churrasqueira, mas um pouco mais afastado tem um quartinho no fundo do terreno, q meu pai colocou um freezer e uma pequena dispensa pra momentos de festa, churrasco, comemorações.
Eu já estava na piscina, e meus pais arrumando o lugar pra quando as visitas chegassem, Eli estava com o namorado, sentados na beira da piscina. Quando meu pai pediu q ela fosse a dispensa e arrumasse espaço para as coisas q os convidados trariam, ela foi reclamando e meu pai pede ajuda ao namorado dela (Renan), pra buscar um equipamento de som na casa de meus avós, iam demorar um pouco, mas antes de sair, meu pai me diz pra ajudar minha irmã. De cara fechada e sem querer ajudar, fui mesmo assim. Quando cheguei a minha surpresa, ela q estava com um biquíni rosa destacando sua pele branca, a parte de baixo um fio dental com um babado nas laterais, aparte de cima um tomara q caia com um feixo na frente, com a bunda virada pro meu lado, de costas pra mim. Aquela visão me deixou doido dnv, então comecei a pensar em besteiras e naquele momento eu queria encoxá-la, nem q eu levasse um tapa, ou ela brigasse cmg.
Fui tomando coragem e me aproximando devagar, enquanto ela mexia em algumas coisas dentro do freezer horizontal, o q a fazia inclinar e deixar sua bunda empinada na minha direção. A poucos centímetros de sua bunda, pensei “agora ou nunca”. Cheguei encoxando e pegando na cintura dela, aos poucos ela foi levantando e pegando em minha mão. Eu não acreditei no q estava vendo, diante de mim, mas somente quando ela encostou sua costa em meu peito, foi q percebi q ela estava com os olhos fechados, vi q estava com sorte devido a situação, então fui aproveitando e passei a encoxar ela firme, enquanto beijava o pescoço dela, esfregava meu pau nela, uma mão na cintura e outra subindo pra pegar seus seios com os biquinhos saltados, (talvez pq ela mexia no freezer).
– Aqui não, alguém pode ver! – essa frase dela, me encheu de raiva e ciúmes ao mesmo tempo.
Como eu já estava duro, tirei ele da minha sunga, passei um pouco de cuspe, e colocando a parte de baixo do biquíni dela pro lado, fui introduzindo, enquanto ela gemia e dizia.
– Renan, para, por favor, meu irmão pode ver e meus pais então em casa, vc esta louco? – aquilo me deixou com ainda mais tesão, e fui empurrando enquanto ela gemia.
Entrou com um pouco de dificuldade, mas estava uma delicia, aquela xaninha era muito aperta, estava me deixando louco, parecia espremer meu pau inteiro.
– Ai, Caramba, Renan! Parece q seu pau cresceu desde ontem! O q deu em vc? – ela ainda achava q era o namorado dela, mas saber q ela tinha transado com ele no dia anterior apenas me deixava mais bravo.
A pressionei contra meu pau, e puxei o cabelo dela, o q arrancou um gemido muito gostoso dela, enquanto ela jogava sua bunda contra o meu pau.
– Ahhh, que delicia, assim ahhh, me fode, pega sua putinha de jeito q ela vai gozar! – parecia q a cada palavra dela me deixava mais possesso de raiva, mas antes dela gozar ela abre os olhos!
– MAS!… Q MERDA!.. BRYAN- falou Eli ao mesmo tempo q me da um empurrão me fazendo cair de bunda no chão, tentei segurar nela, mas não consegui. – SEU FDP, NÃO ACREDITO Q VC ME COMEU! AAAAHHHHH Q ODIO DE VC! – eu subi rapidamente a sunga e tentava me proteger enquanto ela me desferia socos, tapas, pontapés e xingamentos – DISGRAÇADO, VC É MEU IRMÃO SEU TARADO, FDP.
Ela continua me xingando e batendo quando minha mãe chega pra separar a briga, no meio da confusão, consegui esconder a ereção (q já estava abaixando), ELI não contou o q aconteceu, era obvio q ela não teria como explicar a situação. Eu tinha corrido e mergulhei na piscina. Os convidados foram chegando e o churrasco ocorreu normalmente, às vezes pensava no ocorrido e ficava de pau duro (e corria pra piscina), queria ter terminado o serviço, mas ela não gostou e me dei mal, mas pensava “pelo menos não foi pior, afinal, ninguém nos pegou e ela tbm não contou”. Às vezes eu achava q ela já estava calma, mas bastava nossos olhares se cruzarem, ou ela olhar perto de mim, e ate mesmo passar perto, q eu podia perceber q ela estava querendo me matar só com o olhar. Algumas pessoas perceberam e perguntaram o q aconteceu, e ela dizia q não era nada.
A noite os convidados já haviam saído, minha mae e ELI limpavam algumas coisas, meu pai e Renan assistiam futebol na sala tomando cerveja, e eu na sala com o laptop, acabando o jogo, meu pai foi pro banho e dormir, minha mae já estava deitada. Eli tbm já havia tomado banho e chamou Renan pra dormir, mas ele havia começado a assistir um filme e disse q iria depois, assim continuou assistindo e bebendo sozinho. Ela deu um beijo nele e foi pro quarto, (ele tbm dormia no quarto dela, em um colchão no chão), ela me ignorou e foi dormir.
Resolvi tomar um banho tbm, quando sai, passei pelo quarto de Eliza, ela estava dormindo no colchão do chão, fui pra sala e seu namorado tbm estava todo apagado no sofá (pelo tanto q bebeu, duvido q acordaria tão cedo), vendo aquela situação, me passou pela cabeça de terminar o q comecei de manha, so de pensar já estava ficando louco. Fui olhar Eli, voltei, ajeitei o Renan no sofá, pra ele ficar mais confortável, e nem percebeu, desliguei a TV, apaguei a luz, e fui pro quarto, dei uma ultima olhada onde ela estava, e apaguei a ultima luz, ficou td um breu, não enxergava minha mão na frente do rosto. Fui tateando, ate chegar ao colchão.
Fui apalpando, e ela se mexeu, abri suas pernas e fui tocando suas coxas, bunda, e beijando seus pés, quando ela gemeu, toquei sua vagina, acariciei um pouco e tirei o shortinho do pijama colado q ela usava, era difícil fazer as coisas (tocar e tirar a roupa dela) sem enxergar absolutamente nada, sem a parte de baixo passei a dedilhar e chupar, sua xaninha estava doce, muito deliciosa, e um leve gostinho de salgado tbm, mas era evidente q ela estava molhada. Estava chupando ela quando a senti tocar minha cabeça, fiquei com medo dela perceber (meu cabelo é mais liso q o de Renan) então segurei suas mãos, e continuei chupando, parecia estar lisinha sem pelos, eu queria ver, mas me contentava com a situação.
Segurei suas mãos (dedos entrelaçados) e continuei beijando e subindo, ao mesmo tempo q subia sua blusinha junto sem qualquer sutiã, segurei um seio com minha mão e fiquei chupando o outro, ate a ouvir sussurrar q eu estava “mais carinhoso”, achei q aquilo poderia me denunciar, então decidi ser mais rude, bruto. Mas assim q firmei a pegada, ela disse.
– Não, eu quero devagar hj, continua carinhoso, q eu to gostando – isso me fez pensar q eles só fazem com força, e não mudam o estilo, por isso ela queria algo diferente.
Continuei a chupando e depois chupei seu pescoço, o suficiente pra deixar uma marquinha, na parte de baixo, bem escondida, ela gemeu, e a fiz virar de costas, não queria q por algum motivo qualquer ela pudesse descobrir q era eu. Beijei suas costas, seu pescoço, e me posicionei pra comer aquela bucetinha dnv, no escuro era difícil acertar, mas quando senti a cabeça deslizar, e sentir algo apertado e úmido deslizando pelo meu pau ate a base, fiquei louco. Assim q meu quadril encostou-se à bunda dela, e meu pau estocou inteiro dentro dela, Eli deu um gritinho abafado, e balançou as pernas, eu no medo apenas fiz um “shiiiiiu” e ela se acalmou. Fiquei parado, e ela respirava forte. Pra ela não perceber eu entrelacei seu cabelo em meus dedos e puxei pela base, beijando seu pescoço, ainda sem me mexer dentro dela e ouço: “ahhh, eu to gozando, oohhh q delicia, enfia mais, mais eu quero mais, me come pfv”.
Ela começou a tremer, e como seus gemidos estavam mais fortes enfiei a cabeça dela no travesseiro, e enquanto ela gozava apertando meu pau, comecei a me mover, estava muito apertada, e logo aliviou um pouco após ela relaxar depois do gozo. Ela já tinha gozado, e eu metia com vigor, firmeza e gentilmente ao mesmo tempo. Logo a puxei e coloquei de 4 em minha frente, e a puxando pela cintura, ia devagar pra não fazer barulho, e mesmo ela gemendo baixinho eu queria estimular ela ainda mais, e posicionei meu dedão pra enfiar no rabinho dela, onde apenas ouvi um “não”, então recuei, a abracei pela cintura por baixo e cuspi em meu dedão, fui introduzindo e ela tentando fugir, ela dizendo “não” e eu apenas fazendo um “shiiiu”.
Após colocar o dedão, eu queria falar algo, mas não falei, e ela ficou quieta, deve ter percebido q não era tão ruim apenas o dedão, e voltei a come-la de 4, mas com o dedão da mão direita dentro do rabinho gostoso dela, passei a ir mais rápido e toda hora tinha q fazer sinal pra ela ficar quieta, ela dizia: “vc esta acabando cmg, seu pau está muito gostoso hj, o q q vc anda comendo heim, ahhh adoro ser sua putinha, ahh to adorando seu dedo no meu cuzinho, me come gostoso vai!”. Diferente da vez na dispensa, dessa vez aquilo me excitava. “Ai, eu vou gozar dnv, continua assim vai”. Ela continuou com o rabo levantado enquanto eu a comia, mas afundou a cabeça no travesseiro pra abafar os gemidos, mordia e segurava o travesseiro com uma mão e me arranhava as coxas com a outra mão.
Ela ficou uns 15\ 20 segundos gozando, e quando terminou se jogou na minha frente, deitando de bruços, eu já fui me posicionando pra voltar a comer ela, q me pedia pra esperar ela pegar um folego, mas aquilo me deixou com uma vontade enorme de pegar ela de jeito, e foi o q eu fiz, me deitei sobre ela e encaixando entre suas pernas fui metendo com mais força enquanto ela dizia “espera! Devagar! Vc vai acordar td mundo” e realmente eu estava fazendo mais barulho, estava com medo, mas ao mesmo tempo me enchendo de tesão. Eu queria terminar logo, por isso dava estocadas longas e rápidas. Ela começou a gemer com a cara no travesseiro, e eu a abracei firme pelos ombros.
– Pelo amor de deus Renan! Vai devag… aahhh merdaaa eu vou gozar dnv! – nesse momento ela começou a me arranhar a lateral da barriga, enquanto eu abria minhas pernas empurrando as dela, a deixando com as pernas bem abertas enquanto eu metia e gemia pela narina – goza cmg por favor, goza logo!
Eu não pretendia gozar dentro, mas não podia negar quando me pedia pra fazer isso (achei q ela poderia suspeitar), Eli se contorcia e eu a agarrava ainda mais forte, gozando, dava estocadas firmes e fortes, cada estocada um jato longo bem no fundo daquela xaninha apertada, nem sei quantas, mas devo ter esvaziado totalmente minhas bolas dentro dela. Fiquei por cima dela um tempo recuperando o folego, depois sai de lado tirando meu pau de dentro dela, todo melado, Eli ainda tremia do meu lado, respirava fundo. Logo depois ela se virou, e começou a me beijar (nesse momento pensei q poderia ser besteira eu querer tentar me esconder naquela escuridão, afinal ela não conseguia me ver), seu beijo era tão delicioso quanto sua bucetinha.
– Isso foi maravilhoso, quero q me pegue assim como uma cadelinha mais vezes – falava ela, e eu com medo de puxar papo apenas a abracei e fiz um “uhumm”.
Fiquei de barriga pra cima, ela me abraçando, e ficamos assim ate eu perceber q ela havia dormido, então devagar a tirei de lado e fui para o meu quarto, meu coração a mil, mal acreditava no q havia acontecido e mesmo cansado mal consegui dormir, demorei pegar no sono e acordei cedo. Meus pais levantaram cedo, e Renan tbm, quem acordou tarde foi Eliza, tomou um banho e estava toda contente e pegajosa com o namorado, aquilo me dava certo ciúme, mas ao lembrar da noite, sentia uma satisfação tremenda ao olhar meu cunhado e saber q fiz dele um corno. O dia seguiu tranquilo, e eu feliz da vida, ate q escutei minha irma discutir com meu cunhado, e uma frase q ouvi, me fez gelar o corpo todo: “COMO ASSIM VC DORMIU NA SALA?”

CONTINUA, comentem, votem e amanha envio a continuaçao…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,66 de 38 votos)
Loading...