,

Agora assume meu Filho!

Há 5 meses Por 2 ★ 4.27

Ola pessoa, voltei e dessa vez com força total, desculpem a sumida!

Td começou uma noite em que resolvemos fazer um Happy Hour entre amigos, eu sou Jorge, tenho 19 anos moreno alto, óculos e barba rala, Alison meu colega de trabalho tem 21, ele é mais baixo e musculoso, estilo boa pinta e vaidoso, gosta de pegar geral. E nossa historia é com Daya, nossa colega de trabalho, 24 anos, morena clara, franja e cabelo preto cumprido, baixinha e peitudinha, bundinha redondinha e pequena.
Haviam cerca de 15 pessoas no happy hour, todos bebendo se soltando e falando de tudo, não demorou e começou a rolar besteira nas conversas. Os casados e compromissados logo foram saindo, e no final já meio bêbados sobrou apenas Alison, Daya e eu. Nas conversas ela revela q não transa a uns 2 meses, eu pergunto do EX dela (não sei pq fui fazer isso, mas acabou dando certo). Ela disse q ela pediu uma fantasia pra ele e depois daquilo, o cara ficou puto de raiva com a fantasia e aos poucos foi ficando frio, ate q terminou com ela. De tanto insistir, ela acabou revelando a fantasia, ela queria ir pra cama com 2 caras ao mesmo tempo. Eu fiquei surpreso, mas Alison já foi esperto e jogou “um verde”, dizendo q a gente estava ali se ela estivesse a fim. Ela riu, a gente continuou conversando, rindo e bebendo e formos parar no motel e tomamos um banho antes de começar.
Eu estava nervoso, estávamos todos sem roupa após o banho, eles já começaram a se beijar, foi quando ela perguntou sobre a camisinha (eu estava sem, e por falta de experiência não sabia q poderia pedir pro pessoal do motel), Mas nem deu tempo de pensar direito, ela já virou e me disse q eu só poderia comer o cu dela, porque não queria arriscar uma gravidez, então Alison q estava de camisinha ia foder a buceta dela. Fui encoxando ela, q logo virou e me beijou tbm, logo foi descendo e começou a chupar a gente, batia uma punheta pra um enquanto chupava o outro, e assim ia revezando. Era obvio q ela era experiente, foram anos de namoro, mas era estranho ver minha colega de trabalho, q sempre foi certinha estar ali com duas rolas. E tbm era muito satisfatório ver q eu era bem maior q meu colega, ele deveria ter uns 15cm ou talvez menos. E fui notando q ela dava mais atenção a chupar o meu pau, aquilo me deixava doido de vontade, eu olhava seus seios, grandes e firmes era incrível ver como algo tao grande permanecia em pe, seus mamilos retraídos, aos poucos foram saltando. Logo ela pegou a camisinha e colocou no Alison com as mãos, logo q colocou, se virou e disse e ele estava liberado pra foder.
– vc eu tenho q colocar mais saliva antes de enfiar isso no meu cuzinho – ela cuspia, e chupava com gosto, tentava a todo o momento ver o máximo q conseguia enfiar na boca, as vezes eu sentia ela esticar a língua pra lamber minhas bolas, e logo ela estava de quatro me chupando e recebendo rola do Alison.
Alison metia com voracidade, dava pra ouvir o corpo dos dois se batendo, e logo ela me pediu pra deitar e ela veio por cima, de costas pra mim, com um pouco de dificuldade, foi se sentando e enfiando meu pau no cuzinho. Eu sentia uma pressão contra a cabeça de meu pau, não parecia q iria conseguir penetrar aquele cuzinho moreno, ate q senti a cabeça passar, ela gemia e meu pau foi deslizando com mais facilidade pra dentro como se fosse o apertar de uma seringa, lentamente, ate a base. Logo q se acomodou, ficou chupando o Alison, e aos poucos voltou a se mover, cavalgava (pulava) em meu pau, seu cuzinho era muito apertado. Ela começou a gozar e gemer muito alto, rebolava e soltava o peso sobre mim, gemia e dizia q eu estava acabando com o cuzinho dela. Depois ela se inclinou pra traz e pediu q ele enfiasse em sua buceta tbm, ela abriu as pernas, e pude sentir mais pressão sobre o meu pau quando o Alison começou a meter nela tbm, era uma dupla penetração, ela toda aberta. Gemia e rebolava deito louca, ela estava com a mão pra trás em meu peito, chegava a me beliscar, eu acariciava seus seios e beijava seu pescoço, Alison parecia nervoso, e metia com força, estava inclusive me incomodando na penetração. E pelo visto incomodava a Daya tbm, q pediu pra ficar por cima dele. E me chamou pra pegar ela por traz, fui devagar como ela mandou, e aos poucos já estava metendo fundo no cuzinho dela, q gemia feito puta com duas rolas dentro dela e pedindo mais e mais, eu aumentando o ritmo anunciei q iria gozar: “ahhh goza logo, huummm enche meu cu de leite”. Ela não precisava falar duas vezes comecei a gozar com a cabeça na entrada do cuzinho dela, enquanto batia uma com a cabeça dentro, depois de gozar muitos jatos enfiei meu pau todo naquele rabo, o q arrancou um grito fino, parecido com um latido “aauuuu”, e em seguida algumas reboladas dela.
Sai de cima e fiquei em um canto, observando os dois, enquanto eu me recuperava. Alison continuava a meter com força, mas parecia mais calmo, com um ar de superioridade (entendi q ele não estava gostando da atenção q a Daya me dava, e agora estava feliz pq gozei primeiro). Ele continuou, e eu notei q o meu gozo estava escorrendo pelo cuzinho de Daya, e descendo ate a bucetinha, onde o Alison q metia rapidamente estava empurrando td pra dentro dela, eu observava paralisado, e ver minha porra entrando dentro da bucetinha dela, estava me dando muito tesão, comecei a ficar duro e me masturbar vendo aquilo, e tão logo fiquei duro Alison começou a dar estocadas longas e varias gemidas, cada estocada era mais um pouco da minha porra q ele empurrava na buceta dela. Logo ela saiu de cima dele, e eu já fui me aproximando pra um segundo round, mas ela me bloqueou, disse q já estava tarde e precisava ir, mas tinha adorado a foda, e deu uma piscadinha discreta pra mim, enquanto pegou rapidamente em meu pau. Alison ainda estava deitado, todos tomamos uma ducha rápida, e fomos embora, eu e Daya no banco de traz, ela me chupando, Alison dirigindo (não tenho carro ainda, ele q nos levou e deu carona), e novamente parecia nervoso. Ele queria me deixar na minha casa primeiro, era obvio q ele queria ficar sozinho com ela, mas ela não deixou, pois era quem morava mais próximo de onde estávamos.
Ela desceu e eu nem havia gozado ainda, depois ele me deixou em casa, e não falamos nada no caminho, inclusive nos dias seguintes Alison passou a me ignorar, não conversava cmg a menos q fosse necessário, por conta do trabalho (eu não ligava por achar ele um babaca), em compensação a Daya passou a me dar olhadas e sorrisos de canto, ao qual alguns colegas passaram a perceber. Ela tbm tratava super bem o Alison, q passou a canta-la com frequência, mas nada mais acontecia (notei q a raiva dele, era pq provavelmente ele gostava dela, e não queria q eu tivesse participado mesmo ele tendo sugerido aquilo). Depois de um tempo ele veio conversar cmg, pois a Daya avisou ele q ela estava gravida, ele entrou em pânico, disse ter usado a camisinha, mas ela disse q não fez com mais ninguém e só podia ser dele. Então veio me perguntar o q eu achava da situação, obvio q me lembrei da minha porra entrando na bucetinha dela, mas estava com tanta raiva dele q falei.
– vc não devia ter usado tanta força, deve ter furado a camisinha! – ele ficou irritado com minha resposta, deveria querer ouvir palavras de conforto, mas procurou a pessoa errada.
Logo a Daya tbm veio falar cmg, parecia triste com a situação, afinal no dia ela mesma disse q não queria imprevistos. Depois de um tempo os dois resolveram tentar um namoro, mas viviam brigando, por causa dele ela foi parando de falar cmg, mas eu sempre percebia um olhar de longe. Depois de muitas brigas eles terminaram, e eu aproveitei pra falar com ela, q parecia carente, pois além dele não a satisfazer na cama, tbm não dava a atenção pra ela depois q a barriga começou a crescer ele perdeu interesse (isso pq gostava dela, imagino se não gostasse). Aconteceu q eu acabei consolando, acabamos ficando e levei ela pro motel, eu era sempre cuidadoso, mas procurava dar atenção a ela, e achava aquela barriguinha bem sexy, como ela já estava gravida, eu sempre gozava dentro, a menos q ela me pedisse algo diferente. Aos poucos fomos ficando cada vez mais próximos, e ela sempre frequentava minha casa e eu tomava conta dela.
O tempo passou, minha filha nasceu, e o Alison assumiu a criança (tenho tanta raiva dele q deixei a situação continuar assim), hj ele paga pensão e eu tenho condição de dar algo melhor a minha filha, às vezes ele a pega pra passar o fim de semana na casa dele, acho ótimo, pois fico o fim de semana todo comendo a Daya pela casa toda, sem interrupção. Teve um final de semana q perguntei o q ela acharia se nossa filha fosse minha filha de sangue, ela disse q seria maravilhoso (acho q pensou, q falei como se aquela noite eu deveria ter saído com ela apenas, so nos dois), mas com a resposta dela eu tomei coragem e contei o q aconteceu.
Achei q ela ficaria brava, mas começou a chorar, e quando perguntei se estava chateada, ela me disse q estava feliz q era eu o pai. Perguntei se devíamos contar ao Alison, ela riu e disse pra deixar as coisas como estavam, pois ele era um idiota (ela não se dava bem com ele, principalmente depois do namoro). Depois de saber disso ela ficou ainda mais fogosa cmg, as vezes me dava muito cansaço acompanhar ela, cheguei a perguntar se ela queria uma dose dupla dnv, ao qual ela negou dizendo.
– de jeito algum, jamais farei isso dnv- respondeu com naturalidade e sorrindo, mas me falou outra fantasia – mas eu toparia com uma amiga minha, afinal vc já me fez uma dose dupla, não custa tentar algo novo certo?
Eu estava nervoso, não sabia se iria aguentar duas na cama, mas topei, e em um final de semana q o Alison estava com nossa filha, ela convidou uma amiga pra vir em casa, ao qual mesmo eu sendo mais novo, fiquei sem forças no final do domingo, pois as duas viviam de olhares de canto uma pra outra, e logo em seguida já me agarravam. Sua amiga achava legal eu ser mais novo, eu pensava q seria apenas uma transa, mas ela ficou o fim de semana todo em casa, foi embora na segunda de manha para o trabalho, a todo tempo dormiu em nossa cama junto da gente, aquela noite eu apaguei, mas todas essas memorias estão gravadas em minha mente.

Votem, comentem, quero opiniões.
obgd e ate a próxima! 🙂

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,27 de 11 votos)
Loading...

Por ,

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Nilson33

    Muito bom mesmo …

    • JS

      Tnks