Velhos Amigos

Autor

Olá, meu nome é Pedro e vou relatar uma história que espero que vocês gostem!!!
Voltando um pouco no tempo, quando eu estava na 8ª série estudava uma mina chamada Kathleen, ela era morena, magra mas sensual, muito sensual, cabelos longos lisos que iam até sua bundinha durinha, ela era saradinha e tinha peitinhos pequenos mas redondinhos e durinhos, ela era uma mina muito ousada, mas fingia ser santa, apesar de ousada tinha um certo carisma por nós da sala, especialmente por mim. Conversávamos bastante, até que viramos de ano e ela mudou de escola.
Já esses dias, estava eu em casa vendo TV e mexendo no celular, navegando pelo facebook, até que enquanto rolava a tela sem mais nem menos seu perfil apareceu nas sugestões. Que mulherão ela havia se tornado. Mandei um convite e ela logo aceitou, começamos a conversar e depois de uns 20 minutos combinamos de nos encontrar para tomarmos um sorvete. Ficou marcado para a tarde do dia seguinte.
Dia seguinte, 15:00. Fui ao encontro dela em uma sorveteria no nosso bairro. Cheguei e ela ainda não estava lá, escolhi uma mesa e fiquei à sua espera, olhava o movimento da rua, carro vai carro vem, até que a vi de longe vindo na calçada. Que mulher meu Deus, vinha desfilando, sandálias pretas; short jeans azul claro e uma blusinha preta mostrando a barriguinha; seus longos cabelos soltos e um batom vermelho bem forte. Linda de morrer. Fiquei admirado vendo aquela deusa vindo passo à passo em minha direção:
— Eai sumido! Como é que ce tá?
Acordei do transe e lá estava ela, cumprimentei de volta e a abracei, que perfume gostoso. Tendo voltado do meu momento de contemplação, logo puxei uma cadeira pra ela, fui fazer os pedidos e passamos o resto da tarde lá, conversando, rindo, lembrando dos tempos de escola e das coisas que aprontávamos, foi uma tarde bem divertida. Eram por volta das 17:00 quando resolvemos ir embora, fomos andando tranquilamente, ainda conversando, até chegarmos numa pracinha que tem perto da casa dela, onde eu ia deixá-la e ia embora. "Nada mais que um encontro de amigos", pensei eu. Já íamos nos despedir quando me deu cede, acho que por conta do sorteve:
— Bom Ka, eu vou lá, tô com cede pra caralho (risos)
— Ué, toma água em casa, é aqui pertinho mesmo…
Lá fui eu, chegamos lá e ela foi logo pra cozinha. "Senta aí no sofá, fica à vontade que eu já volto com a água!". Me sentei e esperei alguns segundos até que ela veio com a água, encheu meu copo e enquanto eu bebia ela me esperava ali em pé, me olhando. Entreguei o copo à ela e agradeci.
— Quer mais?
— Não não, valeu mesmo.
— Então agora quem vai matar minha vontade é você!
Ouvi aquilo e fiquei tipo "hã?", ela se virou, colocou a água na mesa de centro e veio até mim, segurou em meus ombros e, colocando uma perna de cada lado meu, se sentou no meu colo.
— Que que você tá fazen…
— Shhhh, quietinho. Sabia que eu sou louca pra te dar desde a escola?
Entrei no jogo!
— Não, não sabia não. Mas pensando bem, sempre fui louco pra te comer também!
— Então porque a gente não aproveita essa casa vazia, só nossa hein??? — colocou a boca no pé do meu ouvido — Eu tô molhadinha!!!
Segurei ela pela bunda e levantei, já beijando aquela boca gostosa, carreguei ela até o quarto onde coloquei ela no chão e, ainda entre beijos, puxei sua blusinha, ela beijava com vontade, minhas mãos já percorriam seu corpinho delicioso, tirei seu sutiã e comecei a chupar aqueles peitinhos lindos, ela pedia mais e gemia, apertei sua bundinha com a mão esquerda, e a direita passei na bucetinha,por cima do short, ela pegou minha mão e enfiou por dentro da calcinha, comecei alisar sua xoxotinha, e disse pra ela:
— Tá lisinha né sua safada, tá do jeito que eu gosto, veio preparada hein, gostosinha!!
Ela gemia meio alto e mexia as pernas, apertando minha mão na sua xotinha, que estava muito molhada aquela altura.
Sentei na cama, ela de frente pra mim, ela tirou minha camisa, e eu abaixei o short dela, ela usava uma calcinha de renda preta, comecei a lamber por cima da calcinha, ela se contorcia toda e gemia deliciosamente alto, e puxava minha cabeça contra ela, tirei sua calcinha e pude ver aquela delicia de buceta, lisinha e toda molhadinha. Deitei ela na cama de barriga para cima, abri suas pernas e comecei a chupa-la com força, e ela gemia:
— Vai, isso, aaaaahhhh, delicia, me… chupa… Aaaahhh… Assim… Aaaaaaaaaaaaaiiiii meu Deus, que gostoso…. Isso, isso, eu, v-vo, ah, ah, AAAAHHHHHHHH
Ela teve o primeiro orgasmo, se tremia toda, continuei, mas depois desse orgasmo, enfiei minha mão por dentro do rabinho dela e coloquei um dedo no cuzinho, super apertado, coloquei e fiquei fazendo um vai e vem no cuzinho, enquanto lambia o grelinho, ela gritava e dizia:
— Safado, mete… No, aahhh, meu cuzinho, isssooooooo, ahhhhhh, vou te dar o… Aaahhhh, cuzinho… Hoje… Vai… Issoooooo… Tá vindo… Denovo… Aahhh, AAAAHHHHH, delíciaaaa.
E teve outro orgasmo, continuei chupando até que ela me disse para parar, ficou de 4 pra mim, empinou a bundinha e disse toda safada e sensual:
— Tira a porra da roupa e vem comer meu cuzinho, tô pegando fogo, me provocou agora vem, me arromba!!!
Tirei a roupa, cheguei por trás, abri aquela bundinha empinada lisinha, ela me olhava e quando fui cuspir na mão ela disse:
— Não, come sequinho mesmo, com dor desse jeito é mais gostoso, gosto quando arde, vem!!!
Coloquei na entradinha, ela recuou e gemeu baixinho, depois voltou e disse:
— Vai, me abre em duas, me arromba toda, esfola meu cuzinho, mete forte vai!!!
Coloquei denovo e forcei a entrada, invadi ela literalmente, ela tremia, chorava mas pedia mais e mais, comecei as bombadas devagar pois tava bem apertadinho, dai fui aumentando e as estocadas ficaram mais rápidas, ela gritava e gemia:
— VAI, AHHHH, AHHHH FODE… MEU… CU, ME… VAIHHHH, ARROMBA INTEIRA PORRA, FAZ MEU, AHHH CU ARDER FILHO DA PUTA, AHHHHH, DE NOVOOOOO, AHHH, AAAAAHHHHHHH.
Dessa vez esguichou tudo na cama, a cada estocada jorrava um pouco, molhou tudo, ela tremia inteira e nós estavamos suados, mas ela não queria parar, mordia os lábios, começou a esfregar o próprio grelinho e revirava os olhos:
— Mete, mete, ahhhhh, não… Para… mete forte, eu… Vooooo, g-g-gozaaaa, aaahhhh — suas pernas começavam a tremer denovo e ela tava quase desmaiando de tesão — Voooo… Gozaaaa… Ahhhhh, aaahhhh, issoooooo, ahhh, aaahhhhh… OOOOOOOOHHHHHH, OOOOOOHHHHH MEU DEUS AAAHHHHHH… PORRAAAA, AAAHHHH…
Ela gozou outra vez, tremia muito e chorava, tirei o pau dela, ainda tava duro feito pedra, deitei ela de barriga pra cima e comecei chupá-la denovo, engoli todo o seu mel, ela gemia e soluçava, chorava.
Depois que chupei bastante, ela se sentou, eu fiquei em pé e disse:
— Você ainda não terminou aqui, me chupa também!!!
Ela ainda fogosa, colocou o cabelo de lado e abocanhou, chupava deliciosamente bem, tava quase gozando e ela disse:
— Goza na minha boquinha, enche minha boca com sua porra, quero tudo na minha boquinha.
Enrolei seus cabelos na minha mão e comecei comandá-la num vai e vem gostoso, ela me olhava nos olhos e me chupava, comecei puxar mais e mais forte e ela engasgava e gemia, até que gozei, gozei na sua boca como nunca antes, enchi de porra, tirei meu pau e ela me olhou e começou engolir, depois de uns 10 segundos, abriu a boca e tava limpinha e disse sorrindo:
— Delícia de porra, quentinha, engoli tudinho!!!
Deitamos na cama e caímos no sono, quando acordei, era umas 19:00, tava escuro e os pais dela já estavam pra chegar, acordei a Kathleen, nos vestimos e ela me levou até o portão:
— Vou dormir com esse gostinho na boca, delicia!!!
— Sempre que quiser mais, me liga gostosa. Tchau!
Só não sabia que ela ia ligar tão rápido…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,20 de 10 votos)
Loading...