,

Tive que dar o Cu pro meu Genro pra salvar o casamento da minha Filha

14-04-18 Por 3 ★ 4.15

Há uns anos atrás meu marido decidiu que seria melhor nos mudarmos para os Estados Unidos pois havia mais e melhores empregos por lá. Arrumamos tudo e fomos embora. Um ano depois, minha filha começou a namorar um colega negro na faculdade e uns meses depois se casaram.

.

No início da vida de casado e com dificuldade de arranjar um bom emprego, os dois vieram morar conosco. Nossos quartos eram contíguos. Meu marido tem sono pesado mas eu acordo com qualquer barulho ou conversa. Eu estava notando que minha filha estava meio triste, emburrada, mas ela é muito fechada e não queria me contar o que estava acontecendo.

.

Foi por acaso, que ouvi no meio da noite uma conversa entre ela e o marido no qual ela dizia que nunca ia dar a bunda pra ele, pois ela tinha nojo de sexo anal e não achava isso normal. Ele por outro lado adorava comer uma bundinha e estava na seca fazia tempo, pois não traía ela.

.

Quanto ao sexo normal, na xoxota, parecia não haver problema, pois ouvi ela contar para uma amiga no telefone que adorava dar pro marido e que fora o anal, o resto era nota 10.

.

Durante a tal conversa no meio da noite, ouvi claramente o Mark dizer para minha filha, que já que ela não dava o cu, ele achava que tinha o direito de procurar esta modalidade na rua, caso contrário o casamento iria acabar. Ela começou a chorar, pois não queria que ele transasse com outra na rua, pois poderia trazer uma doença pra ela, além de não suportar a ideia de vê-lo montado sobre a bunda de outra mulher, e que ele ia acabar querendo deixá-la pela outra que desse a bunda. Estava criado um impasse e o assunto parecia ser sério. Eu teria que intervir…

.

Na tarde seguinte, o momento ideal apareceu quando meu genro chegou cedo em casa e ainda faltavam umas 2-3 horas para meu marido e minha filha chegarem em casa. Levamos o seguinte papoOi Mark.. Chegou mais cedo hoje ?

– É, o gerente dispensou todo mundo mais cedo por causa de um problema lá.

– Posso ser franca num assunto contigo, querido ?

– Claro.. Diga..

– Ontem a noite ouvi sem querer vocês discutindo sobre sexo anal..

– Ih.. desculpe por termos falado alto.

– Minha filha gosta demais de você, e eu também.. Não queremos

que você vá comer o cu de outra mulher na rua, nem que

se separe da Nádia. Por isso vou propor uma solução..

– E qual seria ?

– Eu só fiz anal poucas vezes na minha vida, pois meu marido não

acha muita graça nisso, mas eu tentaria dar meu cuzinho

pra você se você prometesse duas coisas..

– O que ?

– Uma… que você fosse bonzinho ao me comer a bunda, já que

eu sou uma coroa quase virgem analmente

Dois.. você prometesse que não iria se separar de minha

filha, nem comer outra na rua..

Ele me olhou fundo nos meu olhos com seus olhos negros e os dentes brilhando de tão branquinho e disse:

.

– OK, Prometo. Quando vai ser ?

– Quer agora ?

– Claro. Onde ?

– No quarto da minha filha não.. Vem pro meu..

.

Tirei meu robe de chambre e ele as calças e a camisa.. Foi aí que eu me dei conta da besteira que eu tinha feito. No que baixou a cueca, pulou pra fora uma cobra negra comprida e grossa. Pensei: Me ferrei !!! Ele então pegou um pouco de óleo de massagem sobre a minha penteadeira e sapecou no cacete dele todo menos na cabeça e alguns centímetros pra

baixo. Então apontou pra ele e disse:

.

– Chupa sogrinha.. Mama no caralho do teu genrinho.

Hoje vai ter argolinha de carne no espeto

– Olha o respeito menino. Eu sou uma coroa séria…

– Por isso vai levar no cuzinho sem rir…

.

Me colocou de quatro na beirada da cama. Eu estava literalmente apavorada. Então senti a língua do safado cutucando meu ânus. No que tentou enfiar a língua eu disse:

.

– Isso não.. Enfiar a língua no cu não deixo.

– Por que ?

– Tenho vergonha.. Só deixo meu marido fazer isso.. Ele não come mas lambe.

– OK, então vou passar o óleo e lá vaaaamos nós..

.

Meu cu piscava de medo e eu senti então a ponta do cacete me encostar na roseta. Apertei o cu, mas tomei um tapa na bunda e uma ordem de abrir bem a bunda e afrouxar o fiofó…

.

Ele enfiava e tirava cada vez mais quilometros do seu enorme cacete. Pensei que ia me fazer cosquinha no umbigo por dentro. Eu sentia meu cu completamente arrombado, e quando ele tirava pra ver o estrago, um ventinho soprava pra dentro das minhas pregas.

.

Então senti seu pau engrossar e suas mãos firmes me apertarem a cintura. Este negro jorrou tanta porra dentro do meu cu, que quando tirou, não parava mais de vazar. Cheguei a lhe dizer que estava com medo de meu marido me lamber o cu a noite e cair porra do meu genro na boca dele.. O garoto riu de rachar o bico com isso…

.

O fato é que ele realmente não deixou minha filha e nem procurou outra mulher na rua, mas em compensação até hoje o safado me visita toda semana para mais uma comidinha de cu de sogrinha…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,15 de 26 votos)
Loading...

Por ,

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Anônimo

    É a sogra que todos gostariam de ter, generosa e safada.

  2. dudu safado

    corno lambe teu cu com o leite do genro pauzudo

  3. silva

    Uma óptima ideia que teve dois em um para além de salvar o casamento da filha ganhou um amante que a come como gosta espero ler mais é belos contos o corno nem imagina lember o cú com leitinho do genrro.