Papai e Filhinha 18

Autor

Olá, meu nome é Lilica e vou continuar o relato do conto https://contoseroticoscnn.com/2018/04/papai-e-filhinha-17/

No outro dia acordei com papai passando a mao no meu rosto. Eu levei um leve susto, ele fez sinal de silencio pra q meu irmão não acordasse. Pensei q papai ia me levar pro quarto dele, mas ali mesmo do lado do meu irmão, papai tirou o pau e colocou na minha boca.
Ele enfiava e tirava da minha boca, até que deixou so a cabeça dentro e começou a punhetar até gozar. Eu engoli tudo e limpei a pica do papai.
Ele saiu e eu fui atrás achando q ele ia me comer. Ele entrou no banheiro.
Eu: papai!
Papai: oi filhinha.
Eu: o senhor não vai me comer?
Papai: agora não filha. Papai já ta meio q atrasado. A noite a gente faz bem gostoso.
Eu: ta.
Papai: filha, hj quando vcs chegarem da escola, brinca com seu irmão pra cansar ele e bota ele pra dormir. Papai vai chegar um pouco mais tarde.
Eu: ta bom papai.
Papai: outra coisa filha, vc podia convidar alguma das suas amiguinhas pra dormir aqui final de semana né!?
Eu: o senhor deixa papai?
Papai: claro filha. Depois a gente combina direitinho isso.
Eu nunca relatei, mas claro que uma criança da minha idade tinha algumas coleguinhas, tanto da escola quanto da vizinhança. De vez em quando eu ia na casa delas e elas viam na minha casa, mas sempre durante o dia, pra brincar de casinha, boneca, bambolê, essas coisas. Essas visitas ocorriam mais de manha.
Por incrível que pareça, na minha ingenuidade de criança, não imaginei q papai tinha segundas intenções, achei que era so pra me agradar mesmo.
Papai se arrumou e foi trabalhar.
Depois da escola eu e meu irmão brincamos muito e cedo da noite ele já tava dormindo cansado. Papai chegou um tempo depois.
Quando papai chegou eu já tava banhadinha, cheirosa e sem calcinha rsrsr. Ele entrou e ficou surpreso quando me viu assim. Eu já fui receber como sempre dando um abraço e falando q tava com saudades. Escanchei no papai, ele já me deu um beijo gostoso na boca e ficou alisando meu corpinho todo. Ficou num beijo apaixonado ali mesmo na porta.
Então ele caminhou até a bancada da cozinha americana, me colocou encima dela, abriu minhas pernas e caiu de boca na minha buceta.
Eu fiquei deitada em cima e papai chupando minha pepeka. Ele passava a língua no grelinho, chupava e enfiava a língua no buraquinho da buceta.
De repente papai me bota de 4 e começa a chupar minha buceta por trás, ficou fudendo ela com a língua. Pra minha surpresa ele abriu minha bunda e passou a língua no meu cu. Me arrepiei toda e soltei um gemido. O safado viu meus pelinhos arrupiados e se concentrou em explorar meu cuzinho com a língua.
Tava muito gostoso aquela sensação. Quando achei q não podia melhorar, papai enfia a ponta da língua no meu cú. Eu quase gozei nessa hora. Papai vendo q eu tava com muito tzao, me pegou e colocou de 4 no carpete da sala com minha cara no chão e o rabo pra cima, tirou a roupa bem rápido, tirou o pau pra fora e foi pra traz de mim e mandou eu abrir minha bunda com as mãos. Senti quando a cabeça encostou no meu cu, tava toda melada, mas não era creme, era só o melzinho do papai mesmo. Ele forçou e a cabeça deslizou pra dentro. A sensação foi tão boa q eu gritei mais foi de prazer. Definitivamente papai sabia fuder gostoso.
Depois que entrou a cabeça papai cuspiu no meu cu. O cuspe passou dos 2 lados do pau dele fazendo lubrificar e papai foi metendo. Metia um pouco, cuspia e continuava empurrando pra dentro. Ele não tirava, continuava sempre metendo. Não sei pq mas eu tava agüentando a rola grossa do papai no cú melhor q na buceta. Acho q foi a preliminar q me deixou com muito tzao. E depois eu realmente descobri q quando a mulher ta com muito tzao ela dá o cu mais gostoso.
Papai colocou a mao na frente da minha boca e mandou cuspir. Eu cuspi na mao dele, ele levou a mao pra trás e passou o meu cuspe no pau dele. Senti o pau dele engrossar mais ainda. Aí ele começou a pegar meu cuspe pra passar no pau e no meu cu pra ficar enfiando. Papai derramava meu cuspe na minha bunda e ia descendo pelo reguinho até chegar no pica dele. Aquela sençaçao tava me deixando doida de tzao, e pela grossura do pau do meu pai ele também tava adorando.
Eu tava sentindo dor, é claro, papai tava me arrombando usando so meu cuspe como lubrificante, mas o tzao tava tão maior que eu nem vi quando soltei um “mete papai”. E cada vez que eu gemia soltando um “ai” demonstrando dor, papai ficava com mais tzao e o pau mais grosso, só que uma coisa boa era q a cabeça soltava mais liquido pra lubrificar. E assim aquele cacete ia entrando no meu cú. Eu dava umas empinadas com a bunda o q deixava ele mais louco de tzao.
Pouco a pouco eu ia sendo enrabada pelo meu pai. Papai era cuidadoso e carinhoso, ele metia, parava um pouquinho e metia de novo. Sempre me elogiando.
Papai: nossa filha, vc e maravilhosa, muito linda, muito gostosinha.
Elogiando e metendo e eu ali com a bunda empinada me entregando pro papai, e ainda pedindo pra ele me comer. Até que senti o saco bater na minha buceta. A pica do papai tava toda atolada no meu rabo.
Papai pegou a mochila q tava do lado, abriu o notebook e colocou um pouco afastado do nosso lado e ligou a câmera. Dalí eu conseguia ver a gente na tela do note. Me ver naquela tela olhando a posição q eu tava tive uma sensação estranha de puro prazer. Eu já tinha assistido pornôs, mas agora eu tava assistindo meu próprio pornô.
Fiquei contemplando aquela imagem. Eu lá pequenina embaixo do papai, que perto de mim era um gigante. O pau todo atolado no meu cu, ele apoiou as mãos no carpete e debruçou pra cima de mim e comecou a lamber minha orelha e colocar a língua dentro. Nossa a sençaçao que tive é q ia morrer de prazer. Não tinha mais lugar pra eu me arrupiar.
Comecei a rebolar na pica do papai. Ele não fez movimentos de meter e tirar pra não me machucar. Eu fiquei ali rebolando e olhando na tela. E falando safadezas. O bom desse momento era q eu podia chingar meu pai todinho q não tinha problemas. Esse era meu momento mágico.
Eu: ai paizinho safado. Seu cachorro. Comendo o cu da própria filha. Eu sou sua bbzinha.
Papai: vc é minha bbzinha putinha, filha. Eu sempre vi vc rebolando no travesseiro e nos meninos da vizinhança. Sua safadinha. Agora ta aqui rebolando na pica do papai. Vou apagar esse seu fogo safada.
Eu: o senhor q é safado. Tarado.
Papai: olha ali no computador, quem ta rebolando gostoso na pica do papai. É minha bbzinha vadia. Minha puta safada. Rebola cachorra.
Papai tinha razão, a bbzinha dele tava adorando a rola grossa no cú, o tzao aumentava quando almentava a dor tbm. Eu gostava de propocionar prazer pro meu pai e isso me enchia de prazer tbm. Me via na tela, a bbzinha pequenina rebolando gostoso naquela pica, uma criancinha arrancando gemidos de prazer de um adulto.
Eu acelerei a rebolada e pedi pro papai me comer, eu queria que ele gozasse pois o tzao so fazia o pau dele ficar mais grosso. O safado ia me arrombar.
Eu: vai paizinho. Me come. Come sua bbzinha. Seu safado. Seu cachorro.
Coloquei minha mao na cabeça do papai q tava com a língua na minha orelha e dei um puxão no cabelo dele.
Papai começou a gozar gostoso. Sentia a cabeça inchar e derramar a porra quente no meu cú. Gozava igual um cavalo, o gozo era tão forte q senti suas pernas tremendo. Quando começou a gozar papai me deu uma mordida no ombro. Mordeu forte q doeu, eu senti mais uma vez uma corrente no meu corpo e comecei a gozar tbm.
Gozar com a pica do papai no meu cú e com aquela mordida foi maravilhoso. Aquela mistura de dor e prazer me causava sensações boas.
Papai: ai cadelinha safada. Ta fazendo papai gozar gostoso aaaahhh. Puta safada. Gostosa.
Eu: vai goza, cachorro. Tarado. Ai safado, ta doendo. Seu tarado.
Quanto eu mais gemia de dor, mais papai gozava.
Papai terminou de gozar e foi tirando o pau devagarzinho de dentro do meu cu. Eu sentia meu cu aberto devido a grossura que o pau tinha ficado.
Depois de tirar o pau papai foi pro banheiro tomar um banho, enquanto eu me estiquei no carpete e fiquei me olhando na tela do compudador. Eu tinha agüentado uma rola grossa e apesar da dor eu tinha adorado. Minha buceta tava pingando de tão babada.
Eu tava perdida nos meus pensamentos quando papai voltou do banheiro. Ele não tinha banhado, mas apenas lavado o pau. Depois de tanto gozar aquele pau ainda tava duro. Eu realmente causava muito tzao no papai. Ele chegou com o pau perto do meu rosto e pediu pra mim cuspir no pau.
Papai: filha, cospe no meu pau, vou enfiar na sua bucetinha.
Ele não queria saber se eu tava cansada nem nada, o safado queria o cuzinho e a bucetinha na mesma noite. Enquanto eu cuspia e espelhava no pau dele, ele levou a mao na minha buceta e sentiu o quanto ela tava molhada.
Papai: minha bbzinha ta no cio. Ta toda babadinha, sua safada. Ta querendo rola essa buceta.
Meu pai tinha razão, apesar q eu tava sem forças e cansada, mas eu queria q ele fudesse minha buceta. Era a foda q eu tava esperando. So que como estava molinha eu me esparramei deitando no carpete e só empinei o quadril oferecendo minha buceta pro papai.
Papai se deitou por cima, apoiando os joelhos e as mãos pra não soltar o peso do corpo em cima do meu, e foi enfiando aquela pica. Eu forçava o quadril pra cima ao encontro do pau que começou a entrar e abrir minha bucetinha.
A pica do papai foi entrando devagar até que entrou até o talo, nesse momento eu fui tendo outro orgasmo, nem eu entendia o que era aquilo. Mas com o pau entrando na minha buceta eu fiquei arrupiada e qundo tava todo comecei a gozar.
Papai percebeu q eu tava gozando e começou a socar socar fundo e forte. Ele mal conseguia tirar 1 centimetro de pica pra fora pq a contração da minha buceta apertava com força o pau todo. Então papai segurou firme e ficou socando com o pau todo dentro. Não deu outra, papai começou a gozar tbm.
Papai: isso putinha, goza na pica do papai. Ta fazendo papai gozar de novo aaahhhh delicia. Q buceta apertada minha bbzinha tem.
Eu terminei de gozar e fiquei molinha. Mas papai tava mais q tarado. Continuou de pau duro me chingando e me fudendo.
Papai começou num vai e vem e começou a socar parecia q tava fudendo uma puta. Ele tirava o pau todo e enfiava de novo. Senti aquele pau sai e entrar me deixava realmente arrupiada mas eu não tinha mais forças pra nenhuma reação.
Papai tava muito tarado. Eu ali deitada e ele por trás de mim segurando meu quadril pra cima, eu molinha, parecia uma boneca sem reação. E papai metendo sem dó.
Papai: vou te fuder toda hoje sua cadelinha. Vc não gosta de pica!. Não ficava com a buceta cocando e esfregando nos meninos!? Agora toma rola de verdade, safadinha. Toma, toma, toma…
Meu paizinho enfiava a tora na sua bbzinha até o talo. Ele socava forte chega fazia barulho quando a virilha dele batia na minha.
Papai começou a socar muito rápido, e falando putaria logo tava gozando de novo. Ele tava tão tarado que era gozando e continuou socando até ficar exausto. Caiu do meu lado todo ofegante seu coração parecia q ia sair pela boca.
O safado ainda me puxou pelo cabelo e fez eu lamber o pau dele todinho. Depois me puxou, me deu um beijo e disse q me amava muito.
Ficamos os dois deitados no carpete durante um tempo se recumperando, tanto papai quanto eu estávamos cansados.
Deitei no peito do papai enquanto relaxava e sentia a porra escorrer do meu cu e da minha buceta.
Nossa brincadeira tinha durado bastante tempo, já era tarde da noite quando fomos dormir.

E por hj é só. No próximo conto tem mais.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,85 de 13 votos)
Loading...