O grande flagra: meu pai e o rapaz

Autor

Fiquei pensando em tudo que eu vir, mas infelizmente não puder, nem prestava atenção nas aulas, trabalhava aerea e malha so ficava um minuto e depois iria pra casa, tenho algumas amigas que são minhas confidentes, queria desabafa com elas mas tinha receio da reação delas imagina o pai da sua amiga gay e além do mas transar com o próprio sobrinho, e todas elas conhecem meu pai, fiquei sozinha no mundo.
Até que no certo dia a noite sair da academia mas cedo pois não estava bem inspirada, cheguei em casa e subir uma pequena escada, chegando na sala viro a minha cabeça para o lado direito em direção a sala e vejo, meu pai de 4 sendo enrabado por um garoto de 24 anos que não conheço, meu pai ficou branco e espantado com o flagra eu sair correndo em direção ao quarto e comecei a chora.
Minutos depois meu pai bate na porta querendo entra pra conversa, implorou para justificar o que eu tinha visto, de tanto insistir eu abro a porta, veio até mim e deu aquele abraço, olhou pra mim e falou.
– sei que não tem explicação, mas depois de hoje eu confersso minha pra você, que eu sou gay.
Com a voz meia chorosa eu pergunto:
-mas como isso aconteceu.
– tudo culpa da sua mãe filha.
Agora vem a parti ruim da minha estória, vou contar pra vocês, minha mãe ja falecida sa chamava Roberta, ela era linda e os homens se encantava com ela, meus pais dr conheceram numa festa e papo vai papo vem começaram a namora e meu pai engravidou dela, com o passar dos tempos minha mãe pulava a seca, até que uma dessas puladas ela se envolveu com um cara casado, um certo dia minha mãe e esse cara saíram do motel de carro que era o amante dela, e pararam no semáforo até que veio uma moto do lado ainda minha mãe estava, e o cara da garupa deu três tiros na minha mãe e outro pegou também no amante dela, os dois morreram na hora e soubemos que foram os dois irmãos da mulher do amante da minha mãe que mataram eles, meu pai ao sabe de tudo isso ficou deprimido e sem ânimo pra viver.
Mas vamos aos fatos pq esse conto é pra vocês gozarem não pra chorarem rs. Segundo as palavras do meu pai ele explicou pra me que já foi traído várias vezes e que não tinha mas animo pra mulheres depois de muitas decepções amorosas, e que numa dessas corridas deu carona a um casal gay que começaram a se beijar e a mexer comigo mas tive que ficar calmo, até que um dos rapazes mexeu na minha rola e ficou duro disseram para eu encosta no lugar calmo e escuro, andarmos por São Paulo todinha até que acharmos um lugar calmo, no retrovisor olhei a rola do ativo era grande o companheiro dele começou a chupa, e o outro me convidou mas eu nunca tinha feito isso mas já estava cansando de tudo aquilo e na curiosidade comecei a mamar e minutos depois fiz meu primeiro anal, doeu mas eu gostei.
Meu pai me contando tudo isso é vir que ele estava abatido e nervoso, abracei ele e disse a ele:
-mesmo assim pai, eu sempre vou te amar, seja você gay ou não, pois você é o único que a importa comigo.
Ao ouvi essas palavras ele começou a chora mas ainda e me deu aquele beijão que a anos não tinha recebido, depois de muitos choros veio a calmaria, daí fiz a pergunta crucial.
-quando foi que o senhor dr envolveu com Cássio?
Na hora meu pai arregalou os olhos e ficou mas branco ainda, gaguejando perguntou.
– como você sabe disso?
– foi na segunda vez de vocês, eu estava em casa pois no meu trabalho estava fazendo pintura nova.
Meu pai ficou sem palavras, mas perguntei outra vez.
-pai como foi na responda?
-foi no dia que você estava na escola e eu voltei pra casa pois meu carro estava com defeito, e mas tarde Cássio veio até aqui pra ficar aqui te esperando, você sabe que ele é louco por você.
Eu dei um sorriso e falei.
– sim eu sei, ele é taradinho.
-então, aí ficou aqui vendo TV e sei la do nada deu vontade de transar com ele, até que não resistir, fui pro meu quarto e fiquei nu, parecia que tinha me transformado, e fui até a sala todo nu, desfilei na frente dele e fingir abaixar pra pega uma coisa, olhei pra trás e vir ele olhando meu rabo, daí perguntei.
– e ai gostou Cássio?
Meu pai:- vir que ele ficou sem falar, até fui la e sentei no colo dele e ela nada, até que sentir um volume e tirei as calças dele mas ele ainda estava assustado, e comecei a chupa a rola dele até ficar duro, perguntei a ele, se ele era virgem, Cássio respondeu que sim, então virei de costas perguei na rola dele e coloquei no meu cu, ele gritou de dor, levantei e sentei de novo, até que se acostumou e daí minha filha ele gozou.
Vir que meu pai estava nervoso e na curiosidade perguntei:
-você gosta de transar com ele?
-sim eu gosto, mas vou respeita você filha.
Eu interrope e disse:
-pai tudo bem, eu guardarei segredo de vocês dois, o importante é a sua felicidade, ficará sp entre nós dois.
E naquele dia tudo ficou em paz, no outro dia acordei e ao sair do quarto ouvi a voz do Cássio e de outro garoto, fui ver pela frecha da porta e vir que era o filho do vizinho o Zeca, ele tem 15 anos, moreno do tamanho do meu primo, olhos castanhos escuros e é amigão do meu primo.
Vejo meu pai de 4 no sofá enquanto isso Zeca e Cássio reversava metendo a rola no cu do meu pai e eu vendo tudo aquilo comecei a me delicia numa gostosa siririca, a cada gemidas do meu pai eu gemia juntos, fazia tempos que eu não transava a última vez foi com um rapaz na escola e foi horrível.
Via nos olhos do meu pai a excitação dele de recebe duas rola naquele cu, até que o Zeca gozou dentro do cu dele, depois Cássio enfiou mesmo cheio de gozo e minutos depois gozou também dentro e eu fiquei ali no pensando mas transas.
Zeca vai embora e Cássio ficar ali na sala, meu pai sair e vai ao banheiro, eu saí de leg preta sem calcinha e fui provoca Cássio, quando ele me viu enlouqueceu, daí bom dia pra ele e depois pro meu pai que mesmo dentro do banheiro ele respondeu, fui na cozinha e minutos depois meu pai sai so de toalha e eu com a cara mas sinuca falo:
-eu vir ta.
– e ai gostou de ver o papai em ação?
– vou ser sincera pai, fiquei excitada.
Ele começou a ri todo descontraído, fazia tempos que eu não via meu pai assim todo feliz, depois da traição da minha mãe ela se fechou, fico feliz em ver meu pai feliz, não ligo se ele é gay, pra mim o que importa é a felicidade dele.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,60 de 5 votos)
Loading...