O filho da minha prima 2

Autor

Como eu contei no primeiro relato o João, filho da minha falecida prima ficou aos meus cuidados enquanto os mais velhos foram pescar e nessa ocasião brincamos bastante na água descobrindo nossos corpos e por final entre os dois carros na sombra das Árvores o João começou a me chupar até aparecer um senhor que antes estava próximo da gente dentro da água e este senhor revelou estar nos observando de pinto duro o que me encorajou a colocar o João para voltar a me chupar e permitir a participação deste homem que quando gozou assustou o João fazendo o garoto tirar o pinto do homem de dentro da boca ficando com o rosto e o corpinho Magrinho todo gozado, o senhor logo foi embora para que ninguém percebesse e o João continuou me chupando e atendendo ao meu pedido engoliu quase toda a minha porra, e o que ele não aguentou engolir escorreu pela sua boca deixando o seu queixo todo gozado.
Conforme eu relatei no conto anterior o João que isso dormir comigo no quartinho dos Fundos da casa do meu tio. Quarto é esse que ficava fora da casa a onde havia uma cama de casal. Inicialmente minha tia achou que o garoto e ia me incomodar porém minha mãe vendo que o garoto havia se apegado a mim, incentivou, dizendo que não incomodaria. Eu também concordei no final o garoto foi dormir comigo.
Antes de dormir peguei com a minha mãe no creme Hidratante que ela levava na bolsa com a desculpa de que eu havia tomado muito sol. Logo todos foram dormir com a casa trancada e eu e o João fomos para o quartinho nos fundos do quintal e também trancamos a porta. Eu fui logo ficando pelado e o João ficou me olhando ainda admirado. Eu chamei perguntando se ele queria chupar novamente a minha rola e ele veio todo animado e começou a me chupar ainda mais gostoso do que anteriormente. Eu tirei a roupa do João deixando ele peladinho todo branquinho e magro com aquela bunda saliente e redonda bem durinha. Depois que ele me chupou por um bom tempo eu decidi ir para o próximo passo. Mandei ele ficar deitado de bruços na cama comecei a acariciar, beijar e lamber aquela bunda branquinha e depois comecei a Lamber o seu cuzinho. O garoto gemia de prazer rola babava de vontade de penetrá-lo. Peguei o hidratante e lambusei o rego do joão inciando o dedo no seu buraquinho e deixando bem melado. Mexer bastante o dedo dentro do seu buraquinho para lubrificar e lacear um pouco pois minha rola não é exagerada mas é razoavelmente Grossa e eu não queria machucar o meu garotinho. O João estava deitado de bruços por algum momento eu pensei que ele estava acostumado com aquilo pois em nenhum momento ele reclamou de dor, parecia já ter sido penetrado antes. E isso foi me encorajando.
Foi então que eu aproveitei o melado da minha rola e com um pouco mais ti hidratante lubrifiquei bastante e comecei a esfregar lá no rego do João. Ele estava deitado de bruços e com as pernas para baixo na beirada da cama.
Posicionei a cabeça da minha rola no seu buraquinho e comecei a forçar bem devagar até sentir suas preguinhas se abrindo e a cabeça da minha rôla deslizando lentamente para dentro dele. Tentei não forçar muito mas como estava muito lubrificado logo a cabeça da minha rôla entrou dentro do João e ele soltou um gemido que parecia uma mistura de prazer e dor. Eu perguntei se ele queria que eu parasse e ele Balançou a cabeça dizendo que não. Comecei a mexer minha rola de forma a ir penetrando cada vez mais. Com toda aquela lubrificação do hidratante e da minha gala, minha rola foi deslizando para dentro do João e eu comecei a foder bem devagar, num movimento de vai e vem que fez minha rola entrar cada vez mais até eu sentir minhas bolas batendo no meu garoto. Ele gemia e agarrava o lençol da cama, às vezes ele mordia o lençol abafando os seus gemidos. Porém ele não pediu para eu parar e eu continuei fodendo cada vez mais forte e mais rápido. Mas eu queria aproveitar ao máximo aquele momento pois não é sempre que a gente encontra um garoto lindo e que gosta de uma boa rola. Principalmente daquela idade, O que torna tudo muito mais excitantes e prazeroso.
Mudamos de posição, eu fiquei sentado na cama e coloquei o João de frente para mim, encaixei minha rola no seu buraquinho que já estava bem laceado e ele foi sentando bem gostoso e fazendo minha rola sumir dentro do seu cuzinho. Mesmo com alguma dificuldade o João cavalgou na minha rôla Enquanto Eu segurava o seu quadril e eu ajudava mas percebi que aquela posição estava difícil para ele, então coloquei ele na beirada da cama de frango assado e pode penetrá-lo olhando aquele rostinho de olhos fechados e mordendo os lábios enquanto eu o fodia. Ele ainda agarrava o lençol com as mãos a cada estocada que eu dava. Fazia cara de choro e de prazer e eu observava seu corpo magro e branquinho, seu pintinho permanecia duro, e eu continuei fodendo até perceber quê Ia gozar.
Soquei bem fundo e comecei a derramar meu leite em jatos fortes dentro do João e quando tirei minha rola de dentro dele ainda que escorreu muita porra em cima do seu pintinho.
O garoto estava exausto, todo mole e eu deitei ao seu lado e eu puxei para deitar sobre o meu peito. Depois de um tempo juntos bem agarradinhos vamos nos arrumar e dormir.
Dormimos agarradinhos e pelados. Parecia um sonho aquele garoto Magrinho nos meus braços. Mas no dia seguinte eu sabia que iria embora e minha vontade era levá-lo comigo, mas isso eu não poderia fazer..
Para não perder aquela chance tão preciosa eu acordei o João ainda de madrugada, antes que todos levantacem. E O João fez mais uma chupeta maravilhosa e desta vez engoliu todo o meu leite ainda lambeu um pouco que escorreu até o meu saco.
Ainda curioso eu perguntei para o João se ele já tinha feito aquilo com outras pessoas e ele me surpreendeu balançando a cabeça e afirmando que sim. Perguntei se ele podia me dizer com quem foi ele sorriu sem graça e disse que não podia me contar porque era segredo. Aquilo frustrou a minha curiosidade mas também me deixou um pouco mais tranquilo pois percebi que o garoto sabia guardar segredo e eu não corria o risco de ninguém descobrir.
Naquele dia antes de irmos embora eu levei a uma loja na pequena cidade e ele escolheu um presente.
Depois de tudo aquilo eu comecei a insistir para que minha mãe e meu pai fossem mais vezes visitar meus tios para pescar.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,90 de 29 votos)
Loading...