Meu Avô

Autor

Sou Sara, filha de Carol e Carlos, todos dizem que nos parecemos, eu com minha mãe, minha tia (que adoro demais) e minha prima, parecemos muitas vezes gêmeas. Inclusive devido ao meu comportamento, igual a minha tia, já que minha mãe é fogo e adora sexo de todas maneiras, eu sempre usei roupas largas, escondendo meu corpo e também me sinto melhor assim, ao passo que minha prima é igual a minha mãe, uma putinha safada, não estuda direito e sempre tenho que dar aulas particulares para ela, inclusive dizem que nos trocaram no berçário do Hospital, devido a sermos diferentes de nossas mães.
Meu avô vinha nos visitar e ia ficar alguns dias em nossa casa, minha mãe preparou o quarto de hospede para ele. Sempre gostei dele, pois é carinhoso, igual a meu pai, sempre me tratou bem e com carinho. Quando viajávamos juntos ele estava sempre presente e me cobria sempre de carinho e atenção. Quando chegou, ele veio me beijar e senti que ele me olhava diferente, talvez por eu agora ser mulher, já que meu pai, com meu consentimento e prazer para ambos foi e tem sido meu homem. Já que ao me ver nua ele ficou de caralho duro e fiquei com vergonha, ao mesmo tempo ele chegou perto de mim e acabamos indo para a praia. lá encontramos minha tia com seu marido e minha prima. Meus pais e meu avô retornaram para casa e fiquei com meus tios batendo papo com minha prima. Quando retornei para casa, ouvi uns gemidos, e me direcionando para o quarto de meus pais, minha mãe rebolava no cacete de um enquanto chupava o outro, eles e ela gemiam bastante, senti minha buceta ficar molhada e com vontade de entrar na brincadeira, mas fiquei com receio, depois deles terem comido seu cuzinho e sua buceta, caíram cansados, ela foi se lavar e eles ficaram conversando. Puxa meu filho sua mulher é um tesão que loucura, será que a irmã dela é assim? Olha pai já transei com elas umas vezes, foi demais, parece minha mulher, mais velha, mas muito gostosa, pena que tenha casado e o marido é bem devagar, mas fico por perto para ver se sobra novamente para mim, kkkkk. Aqui me deixava com uma vontade de transar com os dois. Mas acabei indo para meu quarto e fui tomar um banho frio. Deitei e acabei dormindo. Quando acordei, já noite, notei o silêncio na casa, meu pai tinha me pedido para usar sempre fio dental quando estivesse em casa e uma blusa bem transparente que deixava meus peitinhos visíveis. Levantei e fui na cozinha ver se tinha alto e tomar um copo d’água. Estava somente com o fio dental e de repente alguém chega por trás e fala comigo, era meu avó, fiquei com vergonha, ele estava com um short e quando me virei vi que seu caralho ficou duro, ele me beijou me abraçando, aquilo me deixou mole e doida de vontade, ele me olhava de cima embaixo me deixando mais envergonhada mas ao mesmo tento com minha bucetinha molhada e queimando, aquilo estava me deixando bem excitada. Comemos algo e fomos assistir tv, depois falei que ia dormir e fui para meu quarto, tinha colocado uma blusa transparente quando fomos comer algo, e mais tarde fui acordada por meu avô que estava ao lado da cama, olhando minhas coxas e meus peitinhos. Tentei me cobrir mas ele falou : deixa minha neta, você está muito linda, não tinha notado como você está muito bonita, é um prazer para meus olhos cansados. Olhava para ele tentando ver se seu caralho estava duro. Queria estar juntinho dele só para provoca-lo, chamei Vô senta aqui na cama perto de mim. Ele sentou e se aproximou de mim, tocou minha coxa, fiquei arrepiada com o toque de sua mão, dava para ele ver o fio dental bem transparente minha buceta, ele deu um suspiro como se estivesse sem folego. Ele se aproximou e falou: Sara como você é bonita, esta visão sua praticamente pelada, me deixa sem fala. Alisei seus cabelos grisalhos e falei, sem problemas vô, é natural o senhor sentir desejo, ainda é um homem forte e vigoroso. Ele me puxou devagarinho de entrono ao seu corpo, agarrei seu ombro, colando meu corpo ao seu, seu caralho estava duro como uma rocha, pressionava por cima do fio dental. Me a ele beijou minha testa me abraçando fortemente, ele deitou na cama e começou alisar minha bucetinha, gemi, empinei minha bunda, fechei meus olhos senti seu caralho na minha bunda, não queria acordar com o prazer que estava sentindo com ele, colocou um dedo na entrada da minha buceta, seu dedo é grosso parecia um caralho de menino, ficou alisando e enfiou um pouco quase gozei com aquilo, depois ele enfiou o dedo todo, dei um gritinho , ai ai avô continua, não para vai ui ui ui, que gostoso, coloquei a mão para traz para segurar seu caralho, alisei sua bermuda, seu caralho delicioso alisava a até a cabeça, ele gemeu e começou a a colocar e tirar o dedão da minha bucetinha, meu gozo se aproximava, falei vô vou gozar, ele colocou mais dedos me fazendo gozar, não resistindo mais gozei feito uma puta, gemendo como minha mãe fazia. Disse que queria mais ele falou sim querida, foi tirando a bermuda eu tirei o fio dental e a blusa, disse que eu parecia uma Deusa, me deitou e começou a chupar meus peitinhos que estavam bem durinhos, foi descendo, beijando minha barriga até chegar na minha bucetinha estava molhadinha, levantei e abocanhei seu belo e gostosos caralho, fique entre suas coxas chupando seu caralho como minha mãe e meu pai tinha ensinado, disse que queria que ele gozasse na minha boca, abocanhei novamente seu caralho que brilhava de repente ele segurou minha cabeça e senti seu caralho duro, mais grosso e encheu minha boca, bebi tudo sem deixar uma gota de fora, limpei seu caralho e falei, impressionante ele continuava duro, mesmo depois de ter comido minha mãe, ele respirava forte, disse deixe eu sentar no seu caralho, segurei seu caralho e coloquei na entrada da minha bucetinha, fiquei pincelando seu caralho na entrada, não aguentava mais de vontade, fui arriando, os lábios da vagina foram se abrindo, dei um grito, pois seu caralho era maior do que o do meu pai. Ele alisava minha bunda, ele me fez deitar sobre seu peito, me abraçando forte e falou agora você vai gozar de verdade. Eu gemia e ele também eu com a buceta apertando seu caralho e fazendo ele gemer também,. Eu já tinha gozado novamente e queria mais. Virei para o lado e abri as coxas, ele segurou seu caralho foi entrando arriando seu corpo em cima de mim, eu ficava com a cabeça na altura do seu peito, pedi para ele me beijar, ele ficou apoiado nos braços e ele enfiava sua língua na minha boca como se estivesse me comendo. Botei minha ligua para fora e ele chupou como um picolé, iniciou o entra e sai, percebi que a cada entrada ele enfiava mais, perdi o controle, ergUi as pernas e cruzei em suas costas, ele segurou em meus obros e socou fundo ,o prazer era forte ia e vinha, senti seu saco batendo na entrada da minha bucetinha, que agasalhava aquele belo e gostosos caralho. Pedia via vovô enfia na buceta da sua neta, faz ela ser uma puta como minha mãe. Iamos gozar juntos, senti ele ficar com seu caralho mais duro enchendo minha buceta com seu leite. Senti ele ir ficando semi flácido foi saindo e cai de boca sentindo um gosto gostoso do néctar do macho junto com o meu. Ele falou você é igual a sua mãe, sabe dar prazer a um macho. Disse de vez enquanto somente é que gosto de fuder, hoje foi especial, pois sempre gostei do senhor. Fui me levantar e ele depois foi fazer sua higiene e disse que queria comer meu cuzinho, falei, mais tarde vovô vamos descansar. Ele me beijou e dormimos pelados.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,08 de 12 votos)
Loading...