Encontrei um Pedreiro Pernambucano gente boa

Ola pessoal, meu nome e Flavio, sou casado, meia idade, a já alguns dias vinha buscando encontrar um Pedreiro barato, pois pretendo fazer uma casinha no litoral, já tenho um abarraco de compensado, com um quarto, cozinha e um banheiro, tudo muito simples e pequeno, só mesmo para passar um final de semana para tentar construir a casinha, já havia recentemente construído o alicerce, estava tentando levantar a casa, em conversa com um amigo, ele me apresentou senhor Antonio um pernambucano rezem chegado de pernambuco, estava morando nos fundos da casa de um amigo, fazendo bico, conversei com ele, eu disse que tinha comprado dois caminhão de aterro para aterrar o alicerce, que eu pagaria o dia para ele e ele iria conhecer o serviço, ele aceitou.

Seu Antonio um senhor bem alegre, no caminho do local que demora uma hora mais ou menos, conversando ele disse que já a uns três meses que não fode ninguém, eu que adoro uma rola já maquinei alguma coisa, chegamos e logo começamos a trabalhar, não poderíamos perder tempo, começamos a carregar o aterro, fomos almoçar num barzinho próximo, voltamos a trabalhar, trabalhamos ate umas as 19 horas, no canto do barraco tem um chuveiro água fria, uma ducha, eu tirei a minha roupa fiquei nu para tomar banho, modesta parte tenho um corpo bonito, umas pernas grossas, uma bunda carnuda redondinha, corpo lisinho, eu depilo os poucos pelos que tem, dizem uns amigos que eu de costa pareço uma mulher, fiquei me ensaboando e alisava minha bunda, a unica coisa que eu não gosto e meu pau que e pequeno 16 cm duro mole ele encolhe, de vergonha eu fico com a bunda virada para fora do chuveiro, de lado vi ele passar a mão na rola, eu então disse a ele o seu Antonio esta com vergonha de tirar a roupa para tomar banho, ele disse não e começou a tirar a roupa, quando tirou a bermuda e a cueca não acreditei, ele tem uma rola muito grossa, cabeçuda, não muito grande, uns 18 cm mais a grossura principalmente a cabeça nossa coisa de louco, eu coloquei uma roupa, ele também e fomos ate o barzinho tomar umas, como bom pernambucano pediu logo um conhaque, disse que o conhaque dá tesão, e prolonga a gozada, sei lá e conversa de pernambucano, tomamos umas 6 cervejas, já passava das 22 horas, comemos alguma coisa e fomos dormir.

No barraco, só tinha uma cama de casal, eu disse seu Antonio só tem duas opções, dormir nos dois na cama ou colocar uma taboa no chão forrar e o senhor dorme ai, ele perguntou para mim tem algum problema eu dormir na cama junto com você, eu respondi claro que não, só que eu durmo pelado, algum problema, ele disse não posso dormir pelado também, eu respondi o senhor e quem sabe, fui tomei uma chuveirada e fui me deitar, deitei no canto junto a parede, e fiquei com a bunda virada ´pera ele, já imaginando alguma coisa peguei um creme e deixei do meu lado, pois aquela cabeçorra para entrar iria dar trabalho e doer muito, ele veio e deitou=se iluminação só do banheiro que deixava aquela penumbra, fica meio escurinho, logo senti ele com as pernas encostando em mim, não reclamei, ele veio e colocou a rola no meio das minhas pernas, e no meu ouvido ele disse na seca que eu estou esta bunda linda virada para mim, posso meter minha rola lá dentro, eu só disse vai devagar, e passei o creme para ele, ele foi tentando de lado, e deu uma estocada a cabeça entrou nossa que dor, eu já estava acostumado, mais aquela rola era muito grossa, doeu para caralho, ele me acertou me virou de bunda para cima e na virada socou tudo, ai ficou brincando tirava e colocava , ate gozar dentro sem camisinha, nossa quanta porra, ele não tirou de dentro, ficou brincando eu fui sentindo a rola endurecer de novo dentro do meu cu, quando estava bem dura, ele me puxou para a beirada da cama fazendo eu ficara de quatro ele de pé fora da cama, fodendo tirava tudo e colocava de novo, nossa quando passava a cabeçorra doía, muito, eu gritava, ele dizia isso seu potinho engole toda minha rola, que cu delicioso, e socava forte eu gozei umas duas vezes, na segunda vez ele demorou muito para gozar, eu não estava aguentando mais meu cu estava ardendo, ele gozou desmaiou em sima de mim, dormimos assim, pela manha ele de novo socou a rola em mim, levantamos fizemos uma café ele disse adorei, eu disse olha seu Antonio isso tem que ser segredo, ninguém pode saber, ele disse pode ficar sossegado, vou meter muito nesse cuzinho, e fomos trabalhar, a tarde entes de vir embora ele de novo quis me foder, e assim passamos vários finais de semana.

Construí a casa começamos no acabamento, ai a minha mulher passou ir também, pois já tinha banheiro e um quarto para nos, minha mulher também e muito bonita, pernas grossas uma bunda carnuda seios médios para grande muito gostosa, seu Antonio não a conhecia, no primeiro dia minha mulher simpatizou -se com ele, como estava muito sol e calor ela colocou um biquine e foi tomar sol na grama, e nos trabalhando, ele foi pegar massa e viu ela na grama arregalou os olhos, no primeiro dia eu deixei ela dormir e fui ate o quarto dele, ela adora beber, e ate acompanhou seu Antonio no conhaque, chegou em casa desmaiou eu fui meter com ele no outro quarto.

No transcorrer da semana na cama eu comentava com ela que ela tomando sol o seu Antonio ficou vidrado, olha que ele disse que já a mais de três meses que não fode uma mulher, você com este bundão a mostra deixa o cara doidinho, ela ria, todos dia dava vontade de foder só para ter esta conversa com ela, acabei dizendo a ela que ele tem uma rola muito grossa, e disse acho que nem entra nesta bocetinha, minha mulher adora dar o cu, eu completei no cu então nem pensar, ela me respondeu você que pensa, sempre se da um jeito, eu perguntei tu teria coragem, ela me respondeu de tanto você falar na rola dele que eu ate tentaria.

Fomos na sexta feira a noite, eu ela e seu Antonio, paramos no barzinho, eles beberam conhaque, uns quatro, minha mulher já estava vidrada, misturando com cerveja, já passava das 22 horas fomos para casa, minha mulher ria, já meio de fogo, se abraçava com o seu Antonio, chegamos em casa seu Antonio foi tomar uma chuveirada no quintal, pois era chuveiro frio, eu fui também, estava eu e seu Antonio pelado se enxugando conversando chega minha mulher peladinha, eu disse mulher tu esta bêbada, nossa seu Antonio na hora ficou de rola dura, ficou com a bunda virada para ele, estava meio escuro, eu falei vai seu Antonio encosta nela, ele foi mesmo, encostou a rola nela, ela debruçou na parede empinando a bunda para trás, ele devagarinho com sabonete penetrou na boceta dela, ela gritou suspirou, e disse caralho que rola grossa, eu então disse quer foder mesmo vamos para a cama, ai sim ela se entregou a ele ele fodeu ela nossa encheu a boceta dela de porra eu chupei tudo ate a rola dele, ela não se cansava, e nem ele a rola não amolecia, ai foi a vez dele penetrar no cu dela, nossa ela gritou emperneou mais ela não quis saber meteu tudo, ela então dizia estava vendo amor eu não disse que era só jeitinho esta tudo lá dentro, como ele já tinha gozado umas duas ou três vezes, no cu demorou ela ficou com o cu arreganhado assado, ai desmaiou, pela manha outra seção de fora nossa que delicia, ai fodemos no Sábado, domingo, e metemos todos finais de semana, ate em dia de semana o Antonio vai em casa foder, nossa ele e muito gostoso, e insaciável, fode muito, ela adora foder com ele ele chupa a boceta dela, e arregaça a boceta e o cu dela, ate na boca dela ele já gozou, uma delicia.

Desculpe por ser longa na próxima eu conto mais algumas historias, agora minha mulher não para quer foder toda semana.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,56 de 9 votos)
Loading...