Tomei um porre, levei no cu!

Bem leitores, sou Chel, uma leitora deste site já faz aproximadamente uns dois anos, mas confesso que nunca comentei, votei ou coisas do tipo. Este é meu primeiro conto e espero aperfeiçoar-me nesta arte de excitar as pessoas com palavras com o tempo, e espero que gostem, e espero também que deixem seus comentários sinceros, pois as críticas ajudam a melhorar.

Primeiramente vou me descrever por adiantamento (risos) Sou pequena, tenho 1m62, seios empinadinhos, durinhos e médios, bunda carnuda e arrebitada, coxas grossas, pele clarinha, cabelos ondulados e tingidos de ruivo acobreado, lábios carnudos e olhos esverdeados, sou bonita, modéstia a parte. Agora vamos ao conto!

Eu namorava havia mais de um ano na época, com um cara que chamarei de Mateus (fictício, para preservar a identidade dele, nunca se sabe…), ele tem 1m70, cabelos castanhos, corpo atlético e uma ferramenta de uns 18 cm, moderadamente grossa. Nós havíamos sido convidados para passar um final de semana no sítio de um amigo, onde rolaria uma festa e haveria uma bagunçazinha básica. Topamos de prontidão e eu já fiquei toda animadinha! Separei uns biquínis e uns shorts minúsculos pra levar.

Fomos para lá em um sábado e, no carro, já discutimos, pois ele dizia que eu estava com roupas curtas demais, e que aquilo atrairia muitos olhares e ele não gostou, fiquei bastante irritada com isso. Tínhamos uma vida sexual bem ativa, transávamos todo dia, mas eu nunca tinha dado meu cuzinho para ele (e nem para ninguém), e ele sabia que eu sou bem safadinha e que amo atrair olhares, o que o deixa até hoje enciumado.

Chegando lá, cada um foi para um lado por causa da discursão no carro, ele ficou perto da churrasqueira bebendo com uns amigos, e eu fiquei perto da piscina tomando sol. Foi aí que resolvi irritá-lo, tirei o shortinho e revelei o biquíni branquinho minúsculo, todo atoladinho na bunda que eu usava e entrei na piscina para jogar vôlei com o pessoal, percebi seu olhar de raiva instantaneamente para mim, mas ignorei.

Levei algumas apalpadas na piscina e percebia olhares, apenas ignorei, pois sou uma putinha fiel! (risos). Passei um tempo jogando, mas saí rapidamente e comecei a beber, bebi bastante whisky e vodka, e no fim do dia eu já estava de porre e falando coisas sem sentido, foi quando Mateus foi me dar um banho e me por no quarto para dormir. Ele estava bastante irritado ainda, e eu mesmo zonza percebia.

No banho, ele tirou toda a minha roupa e a dele também, enquanto me ensaboava ele passava a mão na minha bunda e tocava meu cuzinho, me deixando arrepiada, me levou para a cama no colo, me dando beijos e chupões, apertando meus seios com força, deitou-me e começou a chupar meus seios, foi descendo até minha bocetinha, chupava meu grelo, passava a língua da bocetinha até o cu, me deixando toda arrepiada e molhadinha, ele começou a chupar meu cu e tentava enfiar a língua, me fazendo rebolar na cara dele. Então, ele colocou um dedo no meu cu e começou a chupar meu grelo, aquilo fez minha boceta contrair-se cada vez, mas e eu senti que ia gozar, mas ele percebendo isso, parou e me virou de bunda para cima, com um travesseiro por baixo, eu ainda não percebendo suas intenções permiti.

Ele começou a roçar a cabeça da pica na minha boceta, deixando-a lubrificada com meus líquidos, e senti a cabeça tocar meu cu, percebi suas intenções e fui pra frente falando “no cu não…, caralho”, ele me puxou de volta pra perto com força e falou no pé do meu ouvido:

“-Cala a boca putinha, depois da raiva que você me fez, como seu cu hoje, por bem ou por mal, acho bom você colaborar porque você vai acabar gostando.”

Comecei a tentar sair debaixo dele, mas ele é bem maior e mais forte, seu peso sobre meu corpo impedia, e eu senti a cabeça da sua pica tentando invadir meu cuzinho virgem e travei o cu, na hora, senti apenas um tapa fortíssimo na bunda que me causou formigamento e ardor… Não acreditei que aquilo estivesse acontecendo, mas nada podia fazer e tentei relaxar.

Depois de algumas tentativas, senti a cabeça entrando aos poucos, rasgando meu cu, causando-me certo ardor e uma dor difícil de explicar, doía muito, e aquela pica duríssima ia cada vez mais achando espaço dentro do meu cu… Comecei a chorar e a pedir para ele parar, mas ele não parava, apenas dizia que eu iria gostar de dar o rabo. Ele me masturbava e, aos poucos, comecei a sentir prazer com aquele pau entrando no meu rabo. Senti que tudo tinha entrado quando suas bolas tocaram minha bocetinha, e ele lentamente começou a bombar, eu já rebolava discretamente e gemia baixinho e, ao perceber isso, ele começou a rir…

“-Eu sabia, que você iria gostar de dar a bunda, sua puta, esse cu foi feito para ser arrombado, rebola no meu pau putinha, fala que você tá gostando de dar o rabo pro teu macho, fala, fica exibindo esse cuzão por aí e não quer dar, agora você aprende a não me provocar mais sua biscatinha rabuda!”

Não ia deixar aquilo assim, o filho da puta ria enquanto eu me contorcia de dor e tesão debaixo daquela pica, numa foda meio forçada.

“-Mete, seu filho da puta, mete com força, você não queria comer esse rabo?! Aproveita caralho, mete nesse cu direito, me arromba, com força vai, come meu cuzinho virgem!”

Sentir um pau no cu me deu um prazer indescritível, eu comecei a adorar aquela situação, sentia as bolas do meu namorado baterem na minha boceta enquanto aquela pica entrava e saia da minha bundinha, me deixando louca de tesão, cada vez mais minha boceta se molhava e eu gemia alto pedindo mais, acho que os outros hóspedes da casa estavam ouvindo a minha barulheira, mas nem me importei, minha bocetinha estava queimando e meu cu também, gozei a primeira vez com um pau no cu, meu cu e a minha boceta se contraiam com força, era um gozo diferente, delicioso, quase desmaiei, e pouco tempo depois, senti a porra quase fervente no fundo do meu reto, foi aliviante, e meu namorando caiu por cima de mim.

Depois desse dia, não fico mais sem dar o cuzinho, amo sexo anal e meu rabinho apertado está à disposição de picas grandes que queiram entrar nele!

Este foi meu primeiro conto, comentem, digam no que posso melhorar! Desculpem se ficou muito longo e possíveis erros de gramática, beijos safadinhos e safadinhas!

E-mail para contato:

chelcontos@yahoo.com

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,42 de 59 votos)
Loading...