Quantas Saudades

Autor

Boa noite a todos, após ler alguns dos contos postados aqui resolvi contar algumas experiências que aconteceram comigo. E sem dúvida a mais marcante delas foi com a Duda, filha de um casal de amigos dos meus pais.
Eu tinha entre 15 e 16 anos e nunca tinha tido atração por novinhas, até então, tanto é verdade que não curtia mto visitar a casa desse casal de amigos dos meus pais. Eles tinham dois filhos, um menino de 12 anos e a Duda, que neste dia em questão estava com 8 anos. Nina branquinha, baixinha para a idade, mas com uma bundinha já formada e uma xaninha bem capozinho. Extremamente esperta e muito curiosa também, ainda bem rsss.
Era mais um jantar entres meus pais, os pais da Duda e outro casal de amigos. Este outro casal de amigos não tinha filhos, então ficávamos jogando vídeo game eu, o irmão da Duda e ela. Após jogarmos algumas partidas eis que a mãe da Duda vem até o quarto onde estávamos e chama ela para tomar banho. Eu e o irmão de Duda continuamos jogando normalmente até que sem lembrar que ela tinha ido para o banho eu fui até o banheiro pois estava com muita vontade de mijar. Quando abri a porta do banheiro vi a cena mais linda que já vi até hoje na minha vida. A Duda sentada na banheira (tinha uma hidro no banheiro) com as perninhas abertas e brincando com um coelhinho dentro d’agua. Travei, fiquei imóvel, não sabia como reagir perante uma visão tão perfeita. Pensei em sair correndo com medo d algum adulto me ver olhando aquela princesinha nua no banheiro, mas quando fui fechar a porta ela abriu um sorriso e perguntou: – Quer ver minha pererequinha Lukas? A paulada foi tamanha que não consegui reagir, fiquei parado de boca aberta olhando para ela, com meu pau explodindo dentro da calça, até que notei a mãe dela vindo no corredor. Fechei a porta e voltei rapidinho para o quarto do irmão dela. Fiquei lá tentando jogar vídeo game de novo, mas só tentando porque eu só conseguia pensar era naquela bucetinha rosinha, bem apertadinha que tinha visto minutos atrás. A partir daquele momento todo meu pensamento foi direcionado para conseguir uma forma de ficar sozinho com a Duda de novo para poder ver aquela xaninha com mais calma.
Fiquei ali por mais uns 40 minutos esperando que minha princesinha voltasse, mas nem sinal dela, até que a mãe dela apareceu na porta para avisar que eles, os adultos, iam num bar próximo e que era para nós 3 ficarmos em casa jogando até eles voltarem, imagina a minha cara de contente, mil ideias na cabeça rsss.
A Duda estava no quarto dela, brincando de bonecas e coo eu estava no outro quarto jogando com o irmão dela eu precisava achar uma forma de sair dali sem que ele viesse junto…..mas como? Resolvi inventar uma dor de barriga, foi a única coisa que me veio na cabeça na hora. Comecei a fazer umas caretas e colocar a mão na barriga, não demorou muito e ele perguntou se eu estava bem. Imediatamente disse que não, que o sorvete que a gente tinha comido tinha me feito mal e que eu ia no banheiro. Mas que ele podia ir jogando na minha vez porque eu achava que ia demorar. E não é que deu certo, ele ficou jogando fissurado e eu saí do quarto sozinho, primeira parte completa.
Conferi se não tinha ninguém na casa mesmo e parti para o quarto da Duda. Assim que cheguei ela abriu um sorriso largo, ela era linda, e bem sapequinha, o que dava mais tesao ainda. Ela estava sentada na cama vestindo um vestidinho branco, soltinho. Cheguei perto e perguntei se podia sentar e ficar ali com ela porque não queria mais jogar game, e ela inocentemente deixou kkkkk. Não demorou nem 2 minutos e parti para cima:
– Duda, o que era que você queria me mostrar no banheiro mesmo??
– Era minha pererequinha, você não viu?
– Não deu tempo, tua mãe estava vindo, mas você deixa eu ver agora?
– Deixo, mas você não pode contar para ninguém porque só mostro para você
Sabe menininha quando fica apaixonada pelo amigo mais velho do irmão?? Ela era doidinha por mim e eu nem imaginava. Ela se levantou e eu sentei na caminha dela, deixei ela bem na minha frente e levantei aquele vestidinho branco. Por baixo dele uma calcinha branquinha, com a carinha da Barbie na frente e retratando a xaninha estufadinha dela. Nem perguntei se podia pegar. Enchi a mão colocando ela todinha na minha mão, sentindo ela macia, quentinha e MOLHADINHA hummmmmmm. Olhei para ela e vi um sorrisinho maroto de quem estava adorando aquele toque que ela nunca tinha ganhado.
Perguntei, ainda segurando sua bucetinha, se ela já tinha visto um pinto? Ela disse que já, o do pai dela, quando viu ele e sua mãe metendo um dia em casa. Meu pau estava doendo já dentro da calça de tão duro, não resisti e perguntei se ela queira ver de pertinho. E para minha sorte ela topou na hora, acho que estava com tanto tesao quanto eu. Tirei os 17cm para fora, durasso, roxo de tão duro e sem pedir nem nada ela pegou nele meio sem jeito, mas já mexendo tentando punhetar. Provavelmente tinha visto a putinha da mãe dela punhetando o pai.
Ela estava tao pertinho da cabeça dele que institivamente fui puxando a cabeça dela em direção ao meu pau, quando estava bem pertinho perguntei para ela:
– Duda, você quer dar um beijinho nele?
– Uhum, e posso por ele na boca também?
Meu queixo caiu, nunca imaginei ouvir isso de uma boquinha de 8 anos, tanto que fiquei curioso e fui obrigado a perguntar onde ela tinha visto isso. Ai que ela foi me contar que já tinha visto a mãe dela chupando e dando para o pai dela algumas vezes e que tinha vontade de saber como era. Nessa hora eu soube que tinha tirado a mais sorte que eu poderia querer, ia ensinar aquela princesinha deliciosa a fuder bem gostoso. Ia fazer ela de minha putinha desde aquele dia.
Ela chegou pertinho e foi abrindo a boca, colocando a cabeça do meu pau nos lábios. Meio sem jeito abocanhou a cabecinha e começou a mamar, igual uma bebezinha na mamadeira. E a cada mamada eu ia colocando mais um pouquinho do pau para dentro da boquinha dela. Não demorou muito e aquela visão dela cm meu pau na boca me fez gozar jatos de porra na linguinha, lábios, rosto, por tudo e para minha maior surpresa, ela engoliu tudo que conseguiu, com um sorrisinho tão lindo que me deixa de pau duro até hoje.
Assim que terminei de gozar e ela de engolir rsss, sentei do lado dela e perguntei o que ela tinha achado, se era como ela tinha imaginado, se ela não estava brava e ia contar para a mãe dela??? Resumindo, gelei de ter enchido ela de porra já na primeira vez. Mas ela adorou, disse que era melhor do que ela tinha pensado, que tinha adorado o gosto do meu leitinho, e que queria fazer de novo.
Meu pau não chegou nem a baixar depois de gozar, de tanto tesao que eu estava. Já estava com a ideia de dar umas pinceladas na bundinha, na bucetinha, mas como já tinha se passado algum tempo o irmão dela saiu do quarto me chamando e perguntando se eu já estava melhor. Falei que estava, mas que não queira jogar mais game e ia ficar ali brincando com a Duda. Infelizmente minutos depois meus pais voltaram e me levaram para casa. Mas fiquei muito feliz em ver que a Duda estava bem triste por não podermos continuar nossa brincadeira.
Mas não demorou muito até nos encontrarmos de novo rsss.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 15 votos)
Loading...