Olha so quem veio para o Jantar (Pedro)

Autor

Meus tios me chamaram para passar o fim de semana na casa deles, pediram também para levar minha namorada, Isadora, junto, pois nos achavam um casal adorável.

O filho deles, Pedro, era um garanhão, um pouco maior do que eu (por volta dos 1,80m), mesmo sendo bem mais jovem, 18 anos, eu tenho 22 e Isadora 19, não vi problema, ele nunca tentou nada com minhas namoradas, mas ainda não conhecia Isadora, então fomos e Isa estava super ansiosa.
-O que será que vai ter para a janta?
-Por mim não importa, desde que a minha sobremesa seja você. – eu disse, flertando.
-Safado, quem sabe eu não consigo uma surpresinha pra você? – ela riu.
A recepção foi muito calorosa, logo que chegamos, eles colocaram a mesa e serviram um maravilhoso strogonoff.
A noite passou rápido, muitas risadas, principalmente do Pedro, que disfarçadamente admirava as coxas de Isa, nesses momentos, eu puxava-a para um beijo, só para firma território, ela usava um decote bem generoso, após mais algum papo, fomos dormir, eu tinha comido demais, estava passando meio mal e Isa veio me provocar.
-O que foi? Não vai nem tocar na sobremesa? – ela disse se mostrando.
– Eu adorava esse jeito de vadia insaciável dela, mas não era sempre que eu conseguia acompanhar.
-Tudo bem, ela soltou um sorrisinho no canto da boca.
A noite correu sem outras interferências e no dia seguinte, quando acordei, Isa já estava de pé e conversava Pedro na cozinha, os dois riam muito e pareciam bem íntimos, mesmo tendo se conhecido na noite anterior, meu susto foi ver que ainda estavam com a roupa de dormir que nele era apenas uma cueca boxer branca e nela uma camisolinha meio transparente escura que ia até o meio do bumbum arrebitado dela, uma calcinha fio dental preta que estava enfiada naquele bundão com as polpas de fora e sem sutiã o que dava a ele uma visão perfeita de seus seios praticamente nus bem na sua cara.
Era bom que os dois estivessem se dando bem e não queria ficar dando uma de ciumento na casa dos meus tios que haviam sempre me tratado tão bem, ainda mais com o filho único deles, à tarde, meus tios nos convidaram para ir ao cinema, Isa disse que estava com dor de cabeça e meio sonolenta e que preferia dar uma cochilada, mas me incentivou a ir, eu aceitei, ela ia ficar sozinha em casa, não tinha problemas, Pedro ia para o Shopping conosco.

Fomos com ele até a praça de alimentação, onde ele deveria se encontrar com seus amigos, mas não avistamos nenhum. “Devem estar para chegar” ele disse, aquilo plantou uma sementinha na minha cabeça, mas o filme já ia começar, então eu e meus tios corremos para a sala do filme, assisti até a metade do filme, mas eu não conseguia parar de pensar que ele ia voltar para a casa e assim, fingi estar passando mal, ainda da comida de ontem, disse que iria para casa, eles se prontificaram a me levar, mas não era necessário.
Na saída do cinema, passei na praça de alimentação, não o achei, “estaria na loja de jogos eletrônicos que é aqui perto” pensei, mas também não estavam, chamei um taxi e chegando na casa dos meus tios, fui bem silencioso, conforme eu ia entrando, via roupas espalhadas pelo chão da sala e ouvia um barulho de madeira rangendo vindo do quarto dele, a porta estava fechada, parecia que os dois se pegavam freneticamente naquele quarto.

Quando consegui dar uma espiada, eu vi Isadora de quatro, com apenas a camisolinha pendurada no pescoço, enquanto o caralho do meu primo, que estava já completamente nu, trabalhava sua bucetinha e o pior, sem camisinha, ela não podia me ver por estar de costas para a porta, mas ele me viu e deu uma risadinha e puxou mais forte pelos cabelos e ela disse gemendo:
-Me fode…
-E o seu namorado?
-Ele não precisa saber de nada, relaxa…
Ele ria, me olhava com um certo desprezo e estapeou a bundona dela, mandando-a se virar:
-Prefere um papai e mamãe ao invés de me comer de quatro? – Ela estranhou.
-Sim eu quero ver sua cara de vagabunda em quanto te meto a rola.
Ela abriu bem as pernas, enrolou-as no corpo dele e puxou-o para si, sem camisinha, sem nada, seu pau era muito maior do que o meu, mais grosso, veias saltadas e parecia pesado, ele começou a penetrá-la, ela gemia enquanto sofria para deixar tudo entrar, ele segurou-a pelos braços e quanto mais enfiava, mais aproximava o seu rosto do dela, aos poucos, quando enfiou tudo, ela soltou um gritinho fazendo careta e tinham seus rostos colados em quanto meu primo deixava a baba dele descer e escorregar por sua língua, entrava na boca aberta dela que bebia tudo e tentava chupar a língua dele, coisa que nunca havia feito comigo.
O beijo que ela costumava me dar era caloroso, romântico, genuíno, isso continuou enquanto ele começou a bombar, e ela submissa querendo mais, meu pau estava já liberando seu pré-gozo mesmo sem eu tocá-lo, eu não esperava por aquilo, eu não podia ver aquilo, fui para a sala, mas ainda podia ouvir os gritos e gemidos, tive que tirar meu pau para fora, comecei a me masturbar no sofá do meu tio, eu não sei explicar a excitação na humilhação, mas vê-la fazendo sexo com o meu primo mais novo e sendo totalmente submissa a ele, me fazia gozar milhares de vezes.

Meu pau estava bem sensível, foi quando os gritos começaram a ficar mais altos e obscenos, eu acelerei também e gozei em minha mão, não queria sujar o tapete dos meus tios, eles logo pararam também, ele gozou dentro, mas Isa tomava anticoncepcionais então estava tudo bem, ficaram um tempo em silêncio, voltei a ouvir alguns vestígios de movimentação e apressadamente me levantei e subi minhas calças desajeitadamente, ainda com uma das mãos sujas de porra.
Pedro saiu nuzão pela porta e me viu, quando passou por mim, bateu no meu ombro e riu dizendo.
-Que buceta gostosa, acabei com essa puta! Valeu pela foda primão.

Eu fiquei sem reação, parado, com a boca aberta, que raiva! Ele tinha pegado minha namorada e ainda tinha a usado como uma puta de rua, olhei ar dentro do quarto e a vi deitada de bruços nua e suada, com muita porra vazando da xota, tentava se levantar dali sem êxito, tremula e ofegante e se recuperando.

Mais tarde, jantamos, como se nada tivesse acontecido, quando foram todos para o quarto, ela vestiu sua camisola, tinha tomado banho e veio ate mim extremamente sexy, ela se agarrou em mim e me beijando, ai eu lhe disse:

-Gostou do meu primo?
-Sim, nós nos demos super bem, ele é bem grande e esperto pra idade dele, acho que ainda vai melhorar muito.
– ela disse isso com um sorriso no rosto, não sei se seus comentários eram propositalmente cheios de duplo sentido.
– agora anda, vai ser super excitante transar na casa dos seus tios…

Eu arranquei suas roupas e as minhas, e fodi-a como nunca tivera feito, enchi-a de tapas e beijos, fiz ela gemer, o quarto dos meus tios era longe, eu descontava a raiva que guardava em mim com estocadas, ela me devolvia com gargalhadas prazerosas, coisas de uma puta bem fudida desdenhando do corno, o melhor sexo que já tivemos juntos.
Ela estava toda soada e vermelha, olhava-me lasciva e feliz, eu deitado cansado e tremulo vi ela levantar nua, dar dois beijos em cada canto da minha testa e dizer:
-Pronto meu corninho, agora me dá licença que essa bucetinha aqui vai quicar muito no segundo round com o picão do seu priminho, boa noite.
E saiu peladinha…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,88 de 8 votos)
Loading...