Olha so quem veio para o Jantar (Luiz)

Autor

Olá me chamo Lucas Matheus e sou noivo da Patriscila, que dorme as vezes na casa na mãe dela, as vezes na minha, tenho um primo, mais novo que passava todo final de semana na casa dos meus Pais, que fica ao lado da minha, naquele final de semana o chamei para dormir em minha casa e o convidei para assistir um filme conosco, já que Patriscila estava lá na hora então tudo bem.
Meu primo Luís veio pra casa de meus Pais e depois veio a minha, comemos uns petiscos e assistimos a um filme, após um bate papo, do nada o apagão que depois fui saber se deu em boa parte do país, mas afetou muito a região nordeste, mas de onde eu estava, conseguia observar a porta do quarto se fechar, fiquei tenso, imaginando tudo que poderia estar acontecendo na minha casa.
Após horas, a luz voltou, minha noiva estava numa camisola deliciosa, deitada em nossa cama e meu primo aparentemente estava dormindo na sala.
Só que eu não sabia é que ao ir procurar uma lanterna, Patriscila foi tomar banho, como não tinha luz ela simplesmente ficou pelada e foi sem se incomodar de levar uma toalha, meu primo simplesmente se aproximou do banheiro e botou a rolona dura pra fora e esperou Patriscila sair nua, e a agarrar por trás, ela dá um gemidinho, mas como é uma putinha safada, logo vê que é ele e deixa que ele comece a mamar seus seios, ele mordia levemente e os lambia com um tesão danado, ele a levou em direção ao quarto e fechou a porta, pôs ela arreganhada em cima da cama e se agachou e começou a chupar sua buceta, a língua dele era furiosa, fazendo-a gemer com vontade, dali logo ela gozou na boca dele, com ela molinha e arreganhada, ele nem se preocupou com camisinha, apenas levantou e começou a empurrar sua rolona na bucetinha mimosa dela ali mesmo.
Ele a comia com força e depois a pôs de quarto e começou a arregaçar seu xinim, Patriscila gemia muito e ele socava forte e rápido naquele agora bucetão arrombado, depois ela foi pra cima dele e começou a cavalgar sentada rebolando no pau dele, mas a fui animalesca de seu pau era tanta que logo minha noiva quicava como uma prostituta no caralho gigante do meu primo.
Depois ele a pôs de ladinho e ficou metendo na minha noivinha praticamente dando um mata leão nela, Patrisicila já estava com a língua pra fora e os olhos revirados prestes a atingir o quarto gozo e só gemendo baixo, ele quis meter no seu cu, mas com medo ela não deixou e passou a chupar sua rola como conseguia, ele metia na boca dela como se fosse uma buceta, devido ela não dar o cu, ele para se vingar, forçou sua boca e segurando-a pela nuca, passou a foder sua garganta, ela tentava sair, mas não teve como, estava muito bem presa, ele só saiu quando conseguiu enfiar a rola até o talo na boca da minha noiva, Patriscila não conseguia respirar com a cabeça do pau do meu primo no fundo da sua garganta e com o lábios dela colados nos cabelos do pau e dos ovos dele esfregando seus lábios e em seus dentes, em resumo ele fez minha noiva de quenga.
Com ela mole, ele retirou seu pau da boca dela repleto de baba em quanto minha noivinha estava quase desmaiando, e puxando-a pra cima dele sentou na cama e a fez sentar gostoso na sua piroca rebolando, depois pondo as pernas dela em seus ombros levantou com ela e ficou comendo-a em pé andando pelo meu quarto bombando sua buceta e a fazendo gemer gostoso ao puxar seus cabelos, começou a gozar direto em seu priquito, foram diversos jatos de porra no mais profundo recanto de sua vagina, depois a largou deixando que a mesma caísse no chão e continuou gozando em cima dela, nos seus peitos, no seu cabelo e a puxando pelos cabelos deu mais duas gozadas fortes uma na sua cara e outra com o susto, bem dentro de sua boca aberta.
No final, ela estava acabada, toda fudida e melada de porra no chão do meu quarto, ele ainda deu uma mãozada na cara dela e disse que tinha muito tesão nela e que ela era uma putinha do caralho que tinha feito ele gozar gostoso demais, ela tentando recuperar o folego, disse a ele que aquilo deveria ficar em total segredo, ele a olhou, pegou uma nota de dez reais na carteira, jogou em cima dela e foi pro banheiro, com um sorriso sacana de satisfação na cara.
Depois ela se limpou, vestiu uma camisola e foi se deitar, ele veio deitar na sala e beber minha cerveja, daí a luz voltou fui deitar com Patriscila e logo adormeci, foi ai que ela levantou foi na sala foder com ele de novo, mas não sem antes dar um beijinho na minha cabeça e sussurrar baixinho:
“Boa noite corninho, agora eu vou lá fazer seu primo gozar dentro da minha buceta de novo.”

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 8 votos)
Loading...