O Motorista (parte 2)

06-03-18 Por 0 ★ 4.63

Resolvi então falar :Pedro bela solução vc achar que sou viado! Que é isso patrão não acho isso não! Essa palavra é muito pejorativa, o ser é homem macho que precisa de amos de homem. Não está comendo a patroa todo dia? A gente vê que sim pela alegria no rosto dela e no teu também, todos nós precisamos de amor. De fato parecíamos recém casados de novo e melhor do que foi, mas fiquei quieto com expressão de não concordar. O sr. sabe onde estou e que quero muito continuar com a solução dos teus problemas, só ir no meu quarto. Vai se danar Pedro! Falei em tom malcriado. Certa noite não conseguia dormir, fui tomar um uísque e vejo Pedro andando nú pelo jardim, sai e Pedro que é isso? Andando nu, a mulher e as crianças podem ver! Patrão sabia que só vc iria me ver, me puxa pelo braço e me tasca um longo beijo e novamente sinto aquele pau subir por mim, soltei um ai quando sua mão penetrou no meu pijama apertou minha nádega e acariciou meu cu! Não Pedro não pode isso não é certo. É sim meu amor te quero mais que tudo meu lindo meu gostoso! Me desvencilhei, empurrei-o e fui pra dentro de casa, mas já sabia que seria dele. No dia seguinte ele começou a me tratar de lindo e meu amor, e pela primeira vez na vida eu me sentia assim mesmo. Falei : Pedro acho que vc está certo! Preciso muito de vc, não consigo pensar em mais nada, hoje vou no teu quarto à meia noite. O dia demorou a passar, fodi minha mulher como doido, ela adormeceu, não pensava em comer Pedro queria só ser dele como uma mulher quer seu homem. Tomei um banho, passei um hidratante na pele e lá fui eu para o abate. Engraçado que não havia conflito mais em mim, saber que ele me desejava e se excitava com meu corpo era o mais importante como se nunca eu tivesse sido desejado por alguém, nem mesmo minha mulher me fez sentir assim. Entrei no quarto ele dormia apenas de cueca, acordou com meu beijo em sua testa e seus olhos azuis sorriam pra mim, tirou a cueca, tirou delicadamente a camisa do meu pijama me olhava devorando meu corpo, foi lindo ver seu pau ficar em riste, só ele me olhando. Tirou minha calças do pijama me abraçou colo sua boca na minha, sua límgua dominava completamente a minha aos poucos me deitou sobre seu corpo sem parar de me beijar e eu sentia a cabeça do seu pau entre meu saco e meu cuzinho que parecia uma estrelinha de tanto que piscava, eu sentia um prazer diferente, em todo meu corpo, estranhei que não tive ereção alguma ao contrário meu pau encolheu tanto que ficou minúsculo, porém soltando uma babinha sem parar que formava fios. Ele chupou meus mamilos me fazendo gemer, desceu minha cabeça para seu pau, nossa como me excitou o cheiro do pau da virilha e do saco, chupei tudo como se fosse a última coisa que faria na vida. Deitou-me de costas dobrou minhas pernas e beijou meu cu, enfiando sua língua, que delícia ser excitado assim, depois lambeu e sugou minha bolas que são pequenas e com o dedo melou na babinha dizendo “tá tão pequeninho esse pauzinho melado que parece um clitóris” e voltou com a língua no meu cu até que eu implorasse para entrar em mim. De frango assado com meus tornozelos nos ombros dele fui recebendo aquele monstro todo dentro de mim, falam que é doloroso, eu não tive dor alguma ele sabia como fazer, era experiente, o prazer era enlouquecedor, jamais havia sentido algo tão intenso e prazeroso assim, me beijava a boca enquanto entrava e ficou um bom tempo assim com ele todo dentro, me beijando a boca e sussurrando nos meus ouvidos que eu era sua linda, que me amava, que iria me fazer feliz pra sempre. Eu me contorcia de tanto prazer. Depois de um tempo começou a bombar à princípio devagar depois com força e violência como se meu cuzinho fosse a boceta de uma vadia qualquer, fui enlouquecendo contendo minha vontade de gritar de tanto prazer e senti seus jatos me inundando por dentro, ao mesmo tempo que meu cu se contraia como se estivesse com medo de que ele escapasse de mim e mesmo com o pau mole praticamente inútil esporrei muito, não imaginava que isso pudesse acontecer. Tirou seu pau de dentro de mim, sorveu toda a gala que saia do meu cu e trouxe para eu beber num demorado e delicioso beijo. Seu rosto expressava muito prazer. Está vendo meu amor o prazer que teve e sentiu? Havia uma fêmea aprisionada ai dentro clamando pra ser libertada, vc não deixa de ser o homem que é, apenas vai ser minha e só minha fêmea pra sempre. É ruim um homem ouvir isso, mas o amor e a gratidão que sentia por ele me proporcionar tanto prazer é uma coisa bem feminina. Vivo este amor há 2 anos com Pedro, não consigo passar dois dias sem ser dele. Acho que minha mulher e os filhos sabem o que acontece, mas eu melhorei tanto como homem, pai e marido que eles nada dizem. Hoje me considero feliz e realizado.
([email protected])

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,63 de 19 votos)

Por

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos