Fogo e gasolina: como tudo começou

Autor

Somos um jovem casal que se ama ardentemente e que foge um pouco ao padrão imposto socialmente, já que nos permitimos a uma vida extremamente intensa entre quatro paredes, a nossa filosofia é a seguinte: vale tudo desde que seja consensual entre os dois.
Para hoje, decidimos selecionar uma das tantas aventuras que já vivemos. Esperamos que se divirtam, assim como nos divertimos ao realizar cada detalhe que será descrito.
Sou loira, 1,60, 50 quilos, meu marido, por sua vez, moreno cor do pecado, 1,75, 75 quilos. Enfim, feitas as apresentações iniciais, a fim de aguçar e apimentar o imaginário de vocês, caros leitores, passemos ao que de fato interessa: contar como a nossa relação se tornou um fogaréu definitivamente.
Ambos fomos muito reprimidos sexualmente no passado, vítimas de relacionamentos que nos privavam de realizar as tantas fantasias que carregamos conosco ao longo de nossa vida. Como mulher, jamais pude expressar a minha sexualidade, inclusive, tive de aprender a me satisfazer sozinha. Como homem, ele jamais pôde realizar quaisquer fantasias que passasse pela sua fértil imaginação. Entretanto, isso não é absolutamente nada comparado ao que temos a revelar… somos e sempre fomos, desde a infância, uma explosão de a líbido, muito, mas muito mesmo, aflorados. Aos poucos, revelaremos cada detalhe da nossa intensa vida sexual, afinal começamos a viver, a ser nós mesmos, somente quando nos descobrimos na cama.
Sempre sonhamos em fazer tantas loucuras, inclusive fora dos padrões, como squirting, inversão, usos de acessórios ousados e fantasias de cenas inclusive incestuosas… imaginem o quanto tudo isso nos perturbou por tanto tempo, já que não tínhamos com quem realizar nem o mais simplório desejo, como sexo oral, anal, quem dirá uma fantasia nada convencional.
Sempre éramos taxados de loucos. Chegou ao ponto de acreditarmos que pudéssemos ter algum problema.Hoje, sabemos que a sociedade é o problema, hipócrita e cheia de regras morais e bons costumes que só servem para reprimir quem deseja viver intensamente. Pobre de quem não arrisca, não ousa, não se permite, que teme julgamentos.
Ele sempre teve loucura pela famosa chuva de prata, mas ouvia, toda vez que pedia, um belo não, que aquilo era insanidade, nojento, enfim, que ele era doente (ahhhh, detalhe, para quem pensa assim… não sabe o que está perdendo… kkkk). Ele já teve diversas experiências com muitas mulheres, já que é um moreno muito belo e sedutor. Todavia, nunca encontrou alguém que fosse como ele, mais ousado e repleto de muito tesão nada convencional.
Quis o destino que ficássemos juntos e, para surpresa do meu marido, ele encontrou a peça que faltava em sua vida sexual… EU! Pensem no resultado… anos de repressão somatizados a duas pessoas que ardem só de trocarem um simples olhar. Pronto! Ao fogo, fora adicionada a gasolina.
Desde o dia em que nos conhecemos, sentimos uma atração avassaladora um pelo outro, um tesão incontrolável. Demorou meses para que conseguíssemos ir para cama, já que antes nos permitimos a um jogo de intensa sedução. Foi meio que à moda antiga, primeiro cortejo, conversas dispersas até iniciarmos um jogo que nos levou à loura.
Com o tempo, surgiram naturalmente trocas de mensagens eletrônicas muito ardentes, exitantes, regadas a muita masturbação de ambas as partes. Enquanto fantasiávamos e falávamos sobre as nossas preferências sexuais, ele ficava com o pau muito duro, e eu encharcada de tanto tesão (detalhe: nunca havia falado assim com ninguém por ser muito reservada, ficava fora de mim).
Quantas vezes, desejei ser tocada por ele, sentir o calor do seu corpo, o seu toque, seu cheiro…
Queria aquela boca, digna de um sorriso encantador, percorrendo o cada milímetro do meu corpo, a começar pelos meus lábios carnudos (pois é, tínhamos nos visto somente uma vez pessoalmente, por um curto espaço de tempo, mas não havíamos dado ainda um beijo sequer), descendo pelo meu pescoço, acariciando os meus seios, passando levemente pelo abdômen até, por fim, chegar a minha delicada bocetinha, que, a essa altura, estaria exalando um doce sabor, provocado pela alucinação do momento. Era de arrepiar!
Uau, imaginem como eu ficava somente de pensar nele, ia à loucura, meu corpo estremia, minha bocetinha piscava freneticamente, minhas pernas tremiam,,, uma explosão de sensações alucinógenas. Eu nunca havia desejado tanto alguém. Precisava ter aquele corpo me fazendo mulher em todos os sentidos do termo.
Ele tinha apenas a lembrança do primeiro encontro, como do meu bumbum bem redondinho e saliente, e algumas fotos "roubadas" nas redes sociais. Ahhhh, quantas punhetas foram tocadas em minhas homenagem, observando os limites do meu corpo nas fotos que, muito discretamente, salientavam as curvas do meu corpo… Eu, do outro lado da linha, tocava-me pensando em todas as sacanagens que ele me dizia. Assim, passávamos as madrugadas em um intenso jogo de sedução.
Foram tantas provações, que decidimos marcar o tão esperado encontro. Era tão excitante pensar que enfim poderia me aproximar daquele que me tirou tantos suspiros… no entanto, eu estava muito nervosa, pois não tinha experiência quase nenhuma, fui reprimida a vida toda.
Não sabia exatamente o que era estar com alguém, desejar completamente ser possuída. Embora não mais virgem, minhas experiências sexuais foram desastrosas, meu corpo era praticamente intocável, bocetinha intacta ainda, fechadinha, apertadíssima… Mesmo assim, planejei cada detalhe da roupa à lingerie. Precisava ser discreta, porque assim sou, porém mostrar para ele que estava pronta ser totalmente domada.
Ele, completamente louco de tesão, ao me ver, ficou com o pau explodindo em sua calça, não havia como não ver o quanto estava alucinado, o quanto tinha também planejado cada instante, o quanto queria, por fim, ter na sua cama a loirinha gostosa que tanto desejou.
Logo me lançou contra a parede, arrancando um beijo ardente, ao mesmo tempo que subia o meu vestido, apartava o meu bumbum e passava fortemente suas mão pelo meu corpo. Não tive tempo de reagir, apenas me entrei completamente.
Dominados de tanto desejo, ele me conduziu para sua cama. Eu estava muito nervosa, gélida, tremia muito, não sabia exatamente o que fazer, não tinha experiência, apenas um desejo indomável… era como se a minha virgindade estivesse sendo retirada novamente, que sensação indescritível. Que medo! Que tesão!
No vai e vem das emoções, ele me enlouqueceu ao me jogar na cama, colocar a minha calcinha de lado e me chupar feito um doido. Como ele havia desejado saborear o gosto e o cheiro da minha boceta. Ele estava louco de tesão… eu, que nunca havia sido sugada daquele jeito, entorpecida, de repente senti o meu corpo todo estremecer e gozei muito ali mesmo na boca dele.
Foi uma tarde intensa de muito sexo, uma loucura total. Embora eu tivesse vergonha e não quisesse que ele soubesse que eu estava descobrindo a minha sexualidade com ele, porque na época eu sentia vergonha disso, ele pôde perceber que estava me fazendo mulher.
Mal sabia eu que, como homem, ele foi à excitação total, porque fantasiava estar com uma mulher madura, porém sem experiência e com corpo de uma adolescente, ainda no início das suas primeiras descobertas sexuais.
Realizamos duas fantasias naquele dia: queria ser saboreada e gozar na boca de alguém pela primeira vez; ele, por sua vez, pôde se deliciar com a surpresa de ter em mãos uma bocetinha a ser feita, toda apertadinha, a ser arrombada.
Alguns dias após a nossa primeira transa, ainda senti certos desconfortos, dores e inclusive certos sangramentos, afinal, ele teve de abrir o caminho com o seu pau nada pequeno. Só posso dizer isto: ele me fez mulher pela primeira vez!
Ele tinha o fogo, eu, a gasolina. Foi exatamente assim tudo começou. Ah, mas nada comparado ao que já vivemos após isso… Nos próximos contos, passaremos a narrar as aventuras e ousadíssimas fantasias que puderam ser enfim realizadas… Preparem-se para saborear uma deliciosa chuva de prata… ops, de intenso prazer!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,17 de 6 votos)
Loading...