Fogo e gasolina: aprendendo a fazer aquele boquete

Autor

(Verídico)
Conforme prometemos no nosso conto de apresentação "Fogo e gasolina: como tudo começou", continuaremos a relatar como passamos a viver em plenitude a nossa sexualidade. Detalhe: já na vida adulta e dentro daquilo que costuma ser um porre: o casamento.
Como vocês já sabem, somos muito explosivos e ousados. A nossa meta é sempre levar o nosso parceiro à loucura total. Deixá-lo em êxtase, plenamente realizado. Aproveitem a viagem!
Embora, desde a primeira transa, sempre tenhamos nos entregado plenamente ao outro e permitido a ele total expressão sexual, no início, tivemos de vencer grandes obstáculos. Quando se é vítima de repressão sexual, a entrega total aos seus devaneios e fantasias acontece aos poucos, porque carregamos grandes traumas.
Lembro-me, por exemplo, que certa vez ele acordou com um tesão do caralho, a ponto de bala, querendo muito comer a sua rosada e novinha bocetinha. Ele teve medo de me acordar para apagarmos aquele fogaréu todo, já que sempre ouvira que de "manhã não era hora de transar".
Ele acabou encontrando forças e perguntou o que eu achava do sexo matinal. Ao perceber o nível de seu constrangimento, disse que não existia nada mais prazeroso do que ser acordada com uma pica enorme me penetrando ou acariciando a minha face com um fantástico "bom dia"…
Ele ficou tão surpreso com a minha ousada resposta que já me pegou de jeito… transamos com numa intensidade absurda, ele parecia não acreditar no que tinha acabado de ouvir. Seu corpo ardia de tesão. Ele me penetrava com tanto tesão, ao mesmo tempo, acaricia o meu clitóris em velocidades alternadas… eu fui à loucura total, perdi a conta de quantas vezes gozei, do quanto gemi de prazer.
Eu gemia mesmo, sem me importar com altura dos meus sussurros, que confesso não terem sido nada discretos, apenas me entregava inteiramente àquele momento, a ele, ao meu homem… pela primeira vez na minha vida, eu estava urrando de prazer, aquilo era indescritível!. Se alguém estivesse nos escutando, com certeza teria ficado louco de tesão,
Cada forte gemido pronunciado, estremecer do meu corpo e o modo como a bocetinha estava encharcada, causava nele um impacto descomunal… ele ficava cada vez com mais tesão e bombava mais e mais. Várias vezes, tive de tentar controlar um pouquinho o nível de excitação dele, avisando para ele ir com mais calma, afinal, ainda não dava conta daquela pica enorme e grossa. A bocetinha estava em processo de adaptação.
Às vezes, demorava alguns dias para ela se recuperar… probrezinha, teve de ser forte no começo… Só que ela gostava demais de tudo que estava vivendo para desistir tão facilmente… ela queria levar pica todos os dias, o tempo todo, se não ganhasse, dava o maior trabalho… vivia aprontando com a dona dela…
Ufa, que loucura. Eu sempre quis saber como era desejar alguém intensamente. Estava vivenciando mais um sonho, colocando em prática mais uma fantasia tão simplória, todavia tudo aquilo era demais para eu processar automaticamente, eram muitos sentimentos novos e sensações desconhecidas. Quase enlouqueci de tanto tesão. Acordava e ia dormir todos os molhadíssima.
No calor das emoções, confessei para ele que eu tinha muita vontade de cair de boca no pau dele, de chupar, lamber, brincar de todas as formas possíveis e imagináveis. Sempre que desejava saborear aquela pica enorme, deixava meio que sugerido no ar (tinha vergonha de me expressar, ainda estava aprendendo a me expressar), ao colocar a minha cabeça no colo dele, bem pertinho daquele pau enorme que me fazia ficar molhadinha só de imaginar ele crescendo na minha boca, de eu sentir cada pulsar, de não conseguir saboreá-lo por completo por ficar tão grande.
Aprendi a com o tempo me expressar,, quando quero pica na boquinha, tomar leitinho, nem peço licença, já caio de boca mesmo, sem dó ou piedade. No começo, tive de lidar com o fato de tinha de aprender a fazer aquele boquete. Eu ainda estava apreendo, tinha de ser paciente comigo mesma, mas eu queria viver tudo o que desejava logo, queria ser capaz de proporcionar o melhor boquete da vida dele simplesmente para vê-lo estremecer de tanto prazer.
Olha, não foi fácil não, é muito difícil você querer ser você mesma e não conseguir por faltar a tal da experiência. Aos poucos, aprendi a respeitar os meus limites, a ser menos ansiosa, fui estudar, pesquisar sobre o assunto. Resultado: fico tão à vontade quando faço oral nele, eu me divirto demais, brinco com vontade. Conforme arranco gemidos do meu marido, fico alucinada, em frenesi. Minha bocetinha fica ensopada.
Sou muito sincera: não há nada que pague o prazer de levar o seu parceiro à loucura. Eu amo chupar aquela rola enorme, sentir o seu gosto. Mamo gostoso mesmo, nossa, quando ele me dá leitinho, chego a gozar de tanto prazer,
Sou uma dama na sociedade, porém uma verdadeira puta na cama. Amo ser uma puta na cama para/com o meu marido. Isso mostra o quanto me entrego a nossa vida sexual.
Não há técnicas, é necessário simplesmente que você se entregue e curta a emoção de cada momento. Hoje faço "aquele" boquete pelo prazer dele e pelo meu próprio prazer… amo ser a putinha dele… Assumo, confesso. sou viciada em chupar aquela rola…
Enfim, mais duas fantasias realizadas: sexo matinal fora do normal e boquete descomunal! Até a próxima aventura, ops, fantasias, pessoal!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)
Loading...