Do sonho a realização(verídico) o domingo

Autor

Depois que acordei e encontrei os três tomando café, tivemos uma conversa alegre, com minha mulher com uma cara de safada trocando olhares com Carlos, ele com os olhos brilhando de satisfação e Marisa, bem essa sem ter a menor ideia do que se passou na madrugada, continuava feliz dizendo que continuaríamos com a cachaçada. E completava, não tenho hora para ir embora e saíram. Minha mulher então disse e insistiu, eles querem ficar, você topa? Não nego, a todo instante que ela chegava perto de mim ou me lembrava das sacanagens, eu ficava de pau duro. Ela acariciou, tirou do short e deu uma mamada de me tirar o fôlego, não é brincadeira, ela engole tudo até o saco, não engasga, coloca a língua por baixo e vem sugando num aperto enlouquecedor até a cabeça, volta faz de novo, e de novo, que me deixa sem ação. Para e diz você hoje vai gozar na minha boca pra ele ver de longe, pra saber que eu te sirvo. Eu em frenesi comento: isso tá ficando perigoso, ela tá aqui e eu não quero que ele saiba que eu sei. Fique tranquilo, não vai saber e quanto a ela, hoje a tarde terá uma bela soneca dos anjos. O quê você vai fazer? Deixa comigo, disse ela, depois que acontecer eu te digo. Começamos a limpar e arrumar as coisas pro churrasco, ela ia, voltava, aquele short apertadinho mostrando sua exuberante bunda, rebolava passando por mim sorria, me dava um beijo, descia dava uma chupadas gostosas e dizia: cara eu tô alucinada por você, no que em determinado momento eu disse: mas quer dar de novo pra ele. E ela, é por isso mesmo, você realiza meus sonhos, casa, móveis, carro, tudo e mais isso agora. Sonho Flávio, do sonho a realização. Quantas mulheres hoje em dia podem falar isso? Fiquei calado, passou um tempo ele chegaram felizes. Começamos de novo, come,bebe, bebe, bebe, come um pouco e bebe. As horas passam, a tarde começa a cair e Marisa por volta de 5:00 começa a dizer que está com sono. Minha mulher então vai até o segundo quarto, prepara tudo pra ela descansar um pouco, Marisa deita, minha mulher liga o ar, fecha a porta e sai. Carlos tá lá fora eu chego no corredor e pergunto e aí, ela rindo vai dormir até as 9:00. O que você fez? E ela, um sonífero que vai nos liberar. Voltamos e recomeçamos a conversa, agora com uma enorme carga de sedução dela pra nós, com colocações dúbias pra ele e bem explícitas pra mim. Levantava, ia pegar cerveja, rebolava descaradamente, olhava. pra trás ria e voltava. Nós dois, disfarçadamente, tentávamos esconder nossa ereção. Ela nem aí, menos de dois minutos, ela fazia de novo, pegando carne, trocando copos, petiscos e olhava e ria. Em dado momento, ela encostou a buceta no meu ombro ficou roçando suavemente e disse. Carlos, que filme bacana o de ontem, você gostou? E ele gostei. Tem mais? E ele tenho, inclusive trouxe mais dois. Ela, que legal, mas não dá pra ver os dois não né? E ele, dá sim, eles tem no máximo 1:30 cada um. Ela me deu um aperto no braço e disse: podemos ver Flávio, eu levo os petiscos, e venho pegar as cervejas. Eu falei e Marisa? O Carlos arrematou, eu vou olha-la de vez em quando. Assim fizemos, ligamos o ar e nos jogamos na cama. Ela sem nenhum constrangimento, passou a chave na porta, enquanto Carlos colocava o primeiro filme, foi ao banheiro, trocou o short por um branco que deixava suas polpas aparecendo descaradamente e sem calcinha, onde mostrava todo o contorno de sua buceta, sem esquecer a bunda também. Prendi a respiração, Carlos engasgou com a cerveja e ela deitou-se no meio da cama, sem lençol com aquela maravilha pra cima. Carlos tentando disfarçar, falou: vou olhar a Marisa e abriu a porta, saiu batendo ela em suas costas, quase sem noção do que estava acontecendo. Assim que ele saiu ela puxou meu calção e deu uma mamada. Eu comentei, você quer deixar o cara louco? E ela,vocês dois. E eu assim ele vai desconfiar. Quer ver como não? Vou lá agora deixa-lo a par ele não pode deixar você desconfiado, que ele tem que fazer vista grossa. Que a roupa que estou vestindo, as brincadeiras que estou fazendo são normais pra mim. E saiu. O filme passando daqui a pouco entram os dois, rindo ela deitou=se entre nós, começamos a o filme e ela sem dúvida nenhuma nos apalpava, suavemente. E a sedução no ar, de repente ele levantou e disse vou ao banheiro e foi deixando a porta entre aberta, ela falou no meu ouvido: é a deixa, ele vai ver eu te mamar agora. Eu disse não. E ela já combinei com ele, ele não vai sair enquanto eu não der o sinal. E me mamou. Estava tão tesudo que em três quatro minutos gozei. Ela sorveu. Levantou, falou algumas coisas e ele saiu do banheiro. Vou dar um tempo pois nós vamos jantar e ela não sabe que estou escrevendo. (continua)

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,75 de 4 votos)
Loading...