Baixinha de coragem!

Autor

Dia desses estou indo para meu sítio quando depois de passar por um vilarejo, um pouquinho mais afastado, na beira da estrada, vejo um casal de cachorros grudados, o cachorro pêlo amarelado e de porte médio para grande, e o que me chamou mais a atenção foi a cadela, uma cadelinha pretinha, parrudinha, que não tinha mais de um palmo de altura, ela estava pendurada pelo pau do cachorro, com as perninhas no ar. Parei carro e desci para olhar, nisso ouvi um barulho de ploc e eles se desentalaram, o cachorro deitou e ficou lambendo o pau, e a cadelinha também foi lamber sua bucetinha, cheguei perto da cadelinha, vi que ela era bem mansinha, fiz um carinho nela, e olhei a buceta, nesta hora estava um bucetão, pois pelo que eu vi do pau do cachorro era um tanto avantajado, embora para ela não parece ter sido grande coisa, ela tava tranquila. Quando vi aquela buceta me deu uma tesão enorme, e pensei se ela aguentou o cachorro, aguenta o meu, embora seja mais grosso um pouco. Peguei ela no colo, ela ficou bem quietinha, levei ela no carro, coloquei deitada no assoalho do carro, andei mais um tanto para a frente para não ficar muito próximo do vilarejo, parei o carro, peguei uma água que eu sempre levo, peguei um pano que eu carrego, molhei bem uma ponta do pano e fiz uma higiene na buceta dela, coloquei ela no banco de trás, o pau esta hora estava tão duro que parecia que ia estourar as calças, baixei a roupa, cuspi bem naquela buceta, cuspi na cabeça da piça, encaixei e empurrei devagarinho mas firme, a cabeça começou a sumir, e a piça foi entrando lentamente, ela começou a grunir baixinho, pois o cabecinha era mais grosso, mas não gritou, e eu fui empurrando parece que ia descolando uma coisa por dentro, e quando eu vi a bucetinha estava esticadinha escorada nos meus pentelhos, que calor gostoso, e que apertadinha, comecei uma foda com desejo, com vontade, ela grunia baixinho o tempo todo,e aquilo me deixava doido de tesão, fudi devagarinho, e quando senti o gozo, acelerei as estocadas, e quando veio UUUUIIIIIII, enterrei tudo, segurei ela firme, gemia que nem louco, e era tanto leite que parecia que há dias eu não gozava, fiquei ali um bom tempo agarrado nela, ela queria sai e eu segurava, até que o pau amoleceu e escorregou para fora trazendo um monte de porra junto, aquela porra em volta da buceta e que as vezes pingava me dava um prazer enorme, o maior prazer foi ver aquela cadelinha daquele tamanho aguentar um homem com um pau normal, ela era de muita coragem mesmo. Coloquei ela deitadinha no assoalho da frente de novo, fiz a volta, voltei até o lugar onde eu tinha pego ela, me certifiquei que não tinha ninguém por perto, larguei ela, e me fui para o sitio, feliz, relaxado, foi uma das melhores fodas com cadelas que eu já dei, e eu sou tarado em cadelas pretas, são as que mais aguentam, as mais quentes, e melhores de foder!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,89 de 9 votos)
Loading...