A novinha de 11 aninhos da pensão – Descobertas

Autor

Oi gente, a história que venho contando é longa e cheio de detalhes, por isso tô dividindo em partes, tentando dar atenção às que são mais excitantes… anteriormente contei o início do meu caso e aqui vai uma outra parte…

Depois de algumas semanas dando várias escapadas, pra comer a Luana, meu tesão estava a mil, principalmente pela participação de duas amigas dela nas nossas brincadeiras, contudo a maior parte das vezes tínhamos que ser rápidos ou procurar locais escondidos… os fundos da pensão que também funciona como estacionamento passou a ser o nosso ponto de encontro, a Cléo trabalhava na parte de dentro e no horário que eu chegava, não havia ninguém naquela parte, a Luana me esperava por lá e quando eu parava o carro ela entrava e ficávamos nos amassos… confesso que já estava viciado naquela menina…certo dia, cheguei muito cansado e queria mesmo deitar e relaxar, mas Luana me esperava como de praxe.
Ao entrar no carro, afastei o banco pra trás e ela já foi me beijando e me agarrando, o interessante é que mesmo depois de várias transas, ela ainda se limitava a fazer o que eu mandava, ficamos alí nos beijos e ela percebeu meu cansaço…
– tio, o sr tá muito cansado, né!?
– tô sim, gatinha!
– o sr quer que eu vá embora?
– não, é que o tio tá morrendo de dor nas costas e o banco do carro não é confortável!
– a gente podia ir pro seu quarto!
Ouvindo aquela guria dizendo que queria ir pri meu quarto me deu uma injeção de ânimo, minha preocupação era a mãe dela dar falta…
– sua mãe sabe que vc tá na rua?
– ela não liga!
Achei melhor declinar apesar do meu tesão, nos amassamos mais um tempo e combinei com ela pro outro dia, falei pra ela dizer que iria vender os bombons e nos encontraríamos nos fundos quando eu chegasse, e então iríamos pro meu quarto.
No dia seguinte, passei na farmácia e comprei um lubrificante e uma pomada, estava planejando dar um belo trato nela. Cheguei por volta das 19:00 e ela surgiu, perguntei se ela tinha dito que iria fazer as vendas e ela acenou que sim, já sorrindo…
– vc espera aqui, vou ver se tem alguém lá dentro e volto pra buscar vc!
– tá tio! – ela parecia empolgada, pois não parava de sorrir.
Fui até a entrada e encontrei a Cléo sentada atrás do balcão, perguntei se ela tinha achado uns papéis pelo chão, disse que eram importantes, tudo mentira, pedi pra ela me informar caso encontrasse. Como a barra estava limpa, voltei ao estacionamento e chamei a Luana, ela veio e subimos na surdina… quando chegamos no quarto ela foi logo deitando esparramada na cama…
– tio, o que o sr faz aqui? Não tem nem tv!
– eu fico trabalhando no computador e depois eu durmo!
– o sr trabalha muito!
– até demais! – respondi enquanto tirava a roupa pra tomar banho. Ela me observava sem tirar os olhos do meu pau que já apontava pro teto…
– o que vc tá olhando? – perguntei rindo.
– seu pinto é bem grande, nem sei como eu aguento!
Eu apenas sorri pela forma como ela falava, me aproximei, peguei a mãozinha dela e coloquei no meu pau, comecei a ensinar ela a bater punheta, ela se surpreendeu quando meu pau começou a babar na mão dela…
– nossa tio, sempre acontece isso?
– sim, só que vc não vê pq sempre tá dentro de vc!
Como ela não tirava o olho falei pra ela chupar, lentamente ela aproximou da boquinha e começou a lamber…
– coloca a cabeça na boca e chupa igual um pirulito!
Ela assim fez, meio desajeitada, mas logo pegou o jeito…
– isso é gostoso, tio?
– sim, é igual a quando eu chupo sua bocetinha!
– vou continuar então!
Ensinei a ela como chupar e bater punheta ao mesmo tempo. Ela sugava meu pau e punhetava com as duas mãos, nem preciso dizer que logo veio o gozo, segurei a cabeça dela e mandei ela abrir a boca, o primeiro jato foi no rosto dela mas os outros foram na boca, mandei ela engolir e continuar chupando…
– vc é muito delicinha, fez o tio gozar direitinho!
– vc gostou, tio?
– sim e por isso vai ganhar um prêmio!
Ela ficou empolgada perguntando o que era, eu respondi que no outro dia faria uma surpresa pra ela, puxei ela pra mim e a beijei, a boquinha e o rosto dela ainda tavam todos melados de esperma, foi demais beijar aquela boquinha pequena com o gosto da minha porra…
– vamos nos lavar! – falei, puxando ela pela mão em direção ao banheiro. Dei uma toalha pra ela enxugar o rosto e entrei no chuveiro, ela ficou na porta me olhando…
– vc quer tomar um banho?
– quero! – ela tirou a roupa e entrou comigo, começamos a tomar banho juntos e eu aproveitei pra ensaboar aquele corpinho maravilhoso, passei sabão nos peitinhos e fuquei um bom tempo esfregando a xaninha dela, quando ela estava bem excitada, coloquei ela escorada com as mãos na parede…
– empina o bumbum pro tio!
Ela arrebitou a bundinha e comecei a lamber o reguinho dela, indo do anelzinho até a bocetinha, comecei a cutucar o cuzinho dela arrancando gemidos, melei meu dedo com saliva e meti a pontinha naquele anelzinho, fiquei um bom tempo só com a pontinha do dedo enfiada fazendo movimentos circulares, me levantei e passei a beijar a nuca e a orelha dela, sabia que ela gostava, tudo isso sem tirar o dedo da bundinha dela.
Terminamos o banho e fomos pra cama, enxuguei ela todinha e mandei ela ficar de quatro… aquela foi a primeira vez que tive aquela visão, até então só tinhamos transado no carro e praticamente no escuro… dei mais uma chupada no rego e na bocetinha até fazer ela gemer, peguei o tubo de ky e besuntei meu pau, apontei na bocetinha dela e fui enfiando devagar…
– aiinn, tio, isso é muito bom!
Comecei o vai e vem devagar e fui aumentando o ritmo, como estávamos melados de lubrificante, meu pau entrava mais fundo a cada estocada. Eu fiquei impressionado quando meu pau sumiu totalmente na bocetinha dela…
– aiinnn…. tá gostoso, não pára, não pára! – ela dizia quase sem voz, quando ela finalmente gozou, arreou o peito na cama arrebitando ainda mais a bundinha, tanto que o cuzinho ficou totalmente à mostra. Segurei ela pela cintura e meti mais rápido e quando estava pra gozar, chamei…
– vem cá beber o leite do tio!
Ela se virou e abocanhou meu pau, dessa vez bebeu tudinho. Deitei ao lado dela ficamos nos beijando…
– tio, essa foi a melhor!
– ainda tem mais!
Subi nela de bruços e encaixei o pau entre as pernas dela, fiquei beijando as costas dela, a nuca e o rosto, meu pau logo ficou duro novamente, sentei nas pernas dela e meti na bocetinha, fui fazendo o vai e vem, peguei o lubrificante e derramei uma boa quantidade no reguinho dela, parei de bombar e meti um dedo no cuzinho dela, de início ela reclamou que ardia…
– relaxa, gatinha, ja ja passa!
Mandei ela ficar de quatro novamente e empinar bem a bundinha…
– minha princesa, o tio vai comer sua bundinha, no início vai doer um pouquinho mas logo passa!
– vai ser igual nossa primeira vez!?
– isso, é só vc relaxar, o tio faz com carinho!
– tá bom, tio!
Gastei quase todo o lubrificante, melando tanto fora como dentro, queria minimizar o desconforto dela pois meu pau não é pequeno…comecei a pincelar a cabeça na portinha mas sempre que tentava forçar, escapulia…
– abre a bundinha com as mãos!
Ela abriu…
– assim?
– isso, agora relaxa!
Pinguei mais um pouco do ky no orifício e encostei a cabeça, forcei e a cabeça entrou, ela deu um gemido de choro e eu enfiei mais um pouco. Quando tinha entrado uma parte, comecei a fazer pressão sem enfiar mais, depois de alguns minutos, senti que ela estava mais relaxada e o cuzinho mais largo, passei a tirar quase todo, deixando só a cabeça e voltava a enfiar devagar sempre forçando um pouco mais. O ritmo das bombadas já estava rápido e meu pau entrava até a metade…
– ahhh… ti..tiioooo…
Ela gemia nem conseguindo falar, levei uma mão à boceta dela e comecei uma siririca, isso fez ela gozar rápido e forte, se contorcendo e gemendo. Nisso ela deitou e meu pau saiu…virei ela na posição de frango assado e penetrei o cuzinho dela de novo, já entrou fácil, peguei a maozinha dela e coloquei sobre a xaninha…
– mete um dedinho na boceta! – ela começou a enfiar primeiro um depois dois dedos na rachinha, eu segurava as pernas dela pelad coxas mantendo bem abertas, assisti de camarote aquela menininha aprender a se masturbar com meu pau atolado no cuzinho, aumentei a força das estocadas e gozei como um animal… arreei o corpo em cima dela e voltei a beija-la… ficamos assim por quase meia hora até que levantamos e fomos nos lavar…
Já estava ficando tarde e ela tinha que ir embora, repeti a jogada de antes, vi se a barra estava limpa e a chamei, dei a desculpa que iria sair pra comer, a deixei na esquina da pensão e fui comprar um lanche.
No dia seguinte, comprei um presente e entreguei a ela na frente da Cléo que me agradeceu e disse que não precisava, respondi que aquilo não era nada e a convidei pra ir ao balneário no fim de semana, já que ela tinha declinado anteriormente. Desse dia em diante, a coisa ficou mais caliente, agora não eram só amassos, a Luana adora chupar e beber leitinho, e já ando com o ky no carro, sempre que dá fazemos um anal!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,75 de 96 votos)
Loading...