Uma troca bem justa

04-02-18 17 ★ 4.85

Minha relação com minha filha começou quando ela tinha 7 anos. Na época ,ainda era casado e depois da separação, passei a ter a guarda compartilhada e dois fins de semana por mês, Larissa ficava comigo. Logo, com tempo e liberdade, nossas brincadeiras foram ficando mais ousadas. Tínhamos muita cumplicidade, ela adorava chupar meu pau enquanto eu bolinava sua bucetinha carnuda , metendo dedo e língua em seu cuzinho apertado e receptivo.
Com 7 aninhos, seu corpinho já tinha curvas acentuadas, coxas grossas, bundinha carnuda e a pepeka peladinha e carnuda exibia o grelinho entumescido,como um dentinho de alho.
Nessa época,depois de uma boa lubrificação, meu pau já penetrava seu cuzinho e sua bucetinha já recebia a cabeça inteira dentro.
Muitas vzs eu me culpava por ter aquele relacionamento sexual com minha filha,por mais q tentasse evitar o tesão falava mais alto, e pra piorar, Larissa passou a me procurar na cama.
Sempre li muito sobre incesto e sei bem que , assim como eu tem muitos praticantes.
Foi numa manhã de sábado, q tive a felicidade e sorte, em conhecer, na praia, o Agenor, um senhor de 49 anos e sua linda netinha Carol, de 8 anos.
A praia estava quase deserta naquela manhã de mormaço quente. Eu passava protetor no corpinho da Larissa, quando os dois chegaram e armaram o guarda sol bem ao lado.
Depois de um simpático cumprimento, meus olhos se fixaram na menina. Era linda, moreninha, já com corpinho em formação, peitinhos salientes, coxas e bunda carnudas. Trajava um biquininho branco, q acentuava sua rachinha carnuda.
Meu pau logo despertou e por um momento tive a impressão, q o coroa tinha notado. Tentando disfarçar, puxei conversa e logo ele se tornou simpático e amigavel. Nos apresentamos , assim como as meninas, e logo juntamos os guarda sol.
Em dez minutos, as meninas já conversavam sentadas na toalha, e nos dois tomávamos cerveja , q eu havia levado no isopor.
Falávamos das meninas e notei q Agenor tbm não tirava os olhos da minha filha, q estava sentada muito a vontade de pernas cruzadas, e seu biquíni torcido, deixava a mostra parte de sua xotinha.
Tbm vi o volume sob sua sunga, e tudo aquilo me excitou ainda mais.
Logo as meninas pediram pra ir na água, como ainda não havia acabado de passar o protetor nela, pedi pra ela deitar de bruços e passei o creme suavemente em duas costas, pernas e bunda. Ali me detive por mais tempo, sob o olhar tarado do Agenor.
Foi então, q Carol ,com um sorriso quase provocante,dentro de sua inocência, pediu:
“Tio , passa protetor em mim tbm!?”
Ofereci o frasco para o Agenor, passar o creme na neta, ele então respondeu:
Se não se importa, prefiro q vc passe , não acha melhor Carol?
A menina me olhou , sorrindo com malícia e cheia de sensualidade, se deitou de bruços ao meu lado, deixando a bundinha carnuda bem empinada e as pernas entreabertas.
Meu pau latejava sob a sunga,mesmo assim iniciei a massagear suas Costinha, tentando demonstrar um falso respeito. Então, Carol pediu:
“Tio, passa na minha bunda tbm”
Meio sem jeito, olhei pro avô, q olhando em volta, falou:
“Pode passar, ela adora!”
Encorajado,untei suas nádegas com o creme e iniciei uma massagem bem sensual. Carol suspirou fundo e empinando ainda mais a bundinha, disse pro Agenor:
” Hummmm vozinho…o tio sabe fazer melhor q o senhor”
Agenor então me deu o sinal verde, afastando o biquíni da neta, passou o dedo em sua rachinha e disse:
” É aqui q ela gosta!”
Passei o dedo,pela bucetinha pelada e comecei a brincar entre o grelinho e o cuzinho, ao mesmo tempo em q o coroa, ao lado da minha filha, tbm tinha o dedo dentro de seu biquíni.
Por uns cinco minutos, ficamos ali brincando com as meninas. Agenor já tinha colocado Larissa no colo, e Carol, com meu dedo lambuzado, dentro do seu cuzinho, tinha a mãozinha no meu pau dentro da sunga.
Um casal chegou , perigosamente perto e tivemos q terminar a brincadeira.
Depois de mandarmos as meninas brincar na água , abrimos duas latinhas de cerveja e fomos abrindo o jogo um para o outro.
Agenor confidenciou q brincava com a neta desde seus 4 aninhos e como seu pinto é pequeno e fino, com seis anos a menina já guentava ele na xaninha e cuzinho.
Cheio de tesão, mostrei minha pica pra ele, perguntando:
“Será q ela guenta o meu?”
Agenor sorriu e respondeu naturalmente:
” Do jeito q ela é safada,ainda vai pedir mais”
Logo fomos pra água nos juntar às meninas, chamei Larissa e disse q ela podia deixar o vovô brincar com ela, pois ele era meu amigo e deixou q eu brincasse com Carol.
Inteligente,minha filha concordou com um sorrisinho maroto. Logo , eu e Agenor estávamos com água na altura do peito, eu com Carol no colo e ele com larissa.
Carol tinha as pernas enlaçadas em volta da minha cintura, logo tirei a pica pra fora,afastei seu biquíni, desci seu corpinho até encaixar a pica em sua bucetinha , ela então sorriu e pegando meu pau,ajeitou na entrada, murmurando :
“Devagar tio, seu pau é grossao!”
Beijei sua boquinha, e tirei seus peitinhos pra fora do tecido. Eram duas bolinhas de gude rosadas. Cai de boca no peitinho duro ao mesmo tempo em q a cabeça da pica penetrou na fenda apertada. Carol gemeu baixinho enlaçando meu pescoço, num delicioso abraço.
Ao lado o avô dela parecia fazer o mesmo com minha filha, q me sorria com sua carinha de sapeca,confirmando o q eu já previa.
Se aproximando, Agenor passou a mão na bunda da neta e encontrou meu dedo atolado em seu cuzinho, ele então desceu a mão e encontrou todo meu pau dentro da sua pepeka. Ele então passou a massagear meu saco e pediu, com a voz embargada de prazer”
“Goza na buceta dessa putinha… Tbm tô gozaannnddoooooo!
Atravéz das águas mansas e cristalina, vi seu pinto fino todo atolado na xaninha da minha filha, q revirava os olhinhos com a cabeça apoiada no ombro dele.
Aquela visão , fez com q eu explodisse num longo e maravilhoso orgasmo.
Minutos depois saímos da água , segurando as mãos das meninas. Aos olhos dos outros éramos simples pai e avó brincando com suas respectivas filha e neta, inocentes crianças felizes.
Se gostaram , é só comentar, q contarei como foi na noite seguinte, quando levamos as meninas pra pizzaria e fomos terminar a noite no apartamento do Agenor.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,85 de 13 votos)

17 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. gustavo

    adorei meu email e [email protected]

  2. Anônimo

    Porra, que conto delicioso. Eu adoraria ter um filhinha assim para brincar muito com ela Adoro incesto: [email protected]

  3. Anônimo

    Delícia! Cadê a sequências?

    • edu

      continua que tesao de conto

  4. Luis

    Conto muito bem elaborado, ficou excitante pelo risco também de serem pegos !!! Vamos ver como será a sequencia do desenrolar da visita na casa do seu amigo Agenor.

  5. Curioso

    Ótimo conto adorei eu queria conhecer esse casal também

  6. casado tratado procura

    Lindo conto adorei cada palavra e espero novos depoimentos e quem sabe tbm um contato mas pessoal se quiser trocar algumas experiências
    Meu e-mail é. [email protected]

  7. Camy

    Conta o resto, eu amei

    • Anônimo

      vamus troca isperiemsa

  8. Carlos

    Ótimo conto, eu gosto de contos assim, conta logo pra gente saber o como foi, espero que tenha mas pra contar
    Se você tiver outros contos pode enviar para mim
    [email protected]

  9. Pintudo

    Esse foi o melhor conto que eu já li nesse site conta o resto…

  10. Nando

    Delícia de conto, continua logo!

  11. lucio

    porra , que tezao

  12. Rico

    Demais, fico no aguardo da continuidade

  13. Admirador

    Cara muito bom, gostei e estou ansioso pela continuação, parabens

  14. Anônimo

    Top show de bola esperando o próximo

  15. Felipe

    Conto maravilhoso. Aguardo a continuacao.