Suruba na piscina … ou O Carnaval começando bem !

Autor

Galera, vou compartilhar uma história real e inédita na minha vida que aconteceu esse final de semana comigo e com a minha namorada. Espero que gostem…

Meu nome é Pedro, tenho 30 anos. Sou Loiro, de olhos claros, não sou magro nem gordo, peso corporal normal, e como venho malhando muito ultimamente estou começando a criar um pouco de massa muscular. Minha namorada sim é a gostosa da parada. Um tesão de morena, com cabelos longos até a bunda. Cinturinha bem fininha e delineada além de um par de seios espetaculares que é o meu parque de diversões. Ela tem uma boca carnuda, nariz fino e seus olhos são castanhos escuros. Seu nome é Verônica e também está aproveitando bem seus 30 anos. Não tenho o que reclamar do nosso relacionamento de 5 anos proveitosos. Ela é uma louca na cama e segue bem o meu ritmo sexual, o que me deixa maluco. Nosso sexo sempre foi e continua sendo maravilhoso. Porém todo mundo tem suas fantasias. Eu sempre segui mais a tendência do Voyeurismo. Minha vontade sempre foi em ir numa casa de swing, não para fazer trocas de casais, mas sim para ver outras pessoas fodendo na nossa frente, e até mesmo, fazer um sexo com pessoas assistindo. Isso sempre me deixou excitado. Porém Verônica, já não faz tanto esse estilo, sendo bem contrária a idéia de trocas de casais.

Nós temos um casal de amigos muito proximos. Sempre saimos juntos e bebemos juntos. Logicamente durante as bebedeiras, os papos acabam chegando no teor sexual, porém tudo sempre levado de maneira cômica e agradável. Ricardo tem 29 anos, é um cara magro, barba feita, cabelo curto de tom preto. Sua já esposa Denise tem 31. Denise é uma gordinha de pele bem branquinha. Tem um rosto muito bonito, cabelos loiros curtos. Tem um sorriso de safada que quebra qualquer homem. Seus seios são grandes, assim como a sua bunda, que provavelmente cresceram, no momento em que ela começou a engordar (já vi fotos dela mais jovem, era ela linda ! ) .De maneira geral não fazia o meu estilo de mulher.

Se no meu relacionamento, eu era o atirado e Verônica mais certinha, no casamento dos meus amigos era justamente o oposto. Ricardo sempre foi o certinho da parada, porém Denise é mais louca, deixando escapar várias vezes durante as bebedeiras suas fantasias sexuais, como fazer sexo com seu esposo e outro cara a comendo. Não minto que me causava certa excitação quando escutava tais coisas, pois já logo minha imaginação entrava em ação.

Apresentações feitas, vamos ao que de fato aconteceu.
Nesse ultimo final de semana, num domingo dia 4 de fevereiro, Ricardo me ligou perguntando se queríamos pegar uma piscina na casa dele, e assar uma carne. Seria um esquenta pro carnaval que vamos estar juntos. Logicamente aceitei, porém até então, sem nenhuma maldade na mente, apenas diversão entre amigos. Nos arrumamos, compramos as bebidas e fomos. Chegamos lá por volta das 11 horas e começamos a botar a carne pra assar. Assim que chegamos, já começamos a beber, cerveja para os homens, para as mulheres tequila e caipirinha. Com a barriga vazia, não demorou muito para ficarmos alegres. A ponto de eu já olhar para a minha namorada com uma cara de tarado. Ela estava com um biquine azul escuro, a parte de baixo enfiada bem no cu. Toda vez que ela saia da piscina para se servir desfilava aquela raba, me deixava maluco. O pensamento já começou a pular para a parte que íamos embora de volta pra casa, para que pudéssemos fazer um sexo bem gostoso. Notei que Ricardo também a olhava, obviamente de forma mais discreta. Não senti ciumes, aliás adoro quando os homens olham para a minha mulher, desejando ser eu para poder aproveitar daquele corpo.

Para nossa sorte a carne começou a sair. Um pouco de comida cairia bem, senão o resultado seria catastrófico hehehehehe. Saímos da piscina pra poder almoçar. E só então pude notar como Denise também estava gostosinha em seu biquine branco. Apesar de gordinha, ela não é de se jogar fora. Mas poderia ser também o alcool atuando em minha mente. Vai saber.
Depois de devidamente alimentados, ficamos um pouco fora da piscina, conversando sobre tudo, e não muito tempo depois, a bebedeira recomeçou. Já era umas 16h , quando voltamos para a agua. Por enquanto tudo seguia normal, os papos estavam civilizados e a risada comia solta, assim como a bebedeira. A tarde passou rápido que nem nos demos conta. Entre bebidas e petiscos, já era mais ou menos umas 19 horas, e o céu ainda estava bem claro por conta do horário de verão. A esse ponto, o alcool já tinha tomado conta das nossas mentes. Foi então que os papos de putarias começaram a aparecer. Novamente começamos a contar sobre o que já tinhamos feito e deixado de fazer, como aconteceu, e as nossas fantasias sexuais. As coisas começaram a ficar realmente excitantes. Verônica estava na minha frente, e ficava roçando a sua bunda em meu pau que ja estava duro demais. A vontade era comer ela ali mesmo dentro da água. Do outro lado da piscina, Denise de vez em quando dava uns beijos bem quentes em Ricardo. Olhei novamente e percebi a mão de Ricardo bem cima da vagina de Denise, fazendo um carinho por cima do biquine mesmo. Aquilo não deixou apenas a mim excitado, mas também Verônica que apertou o meu pau com a sua mão. Toda a conversa já não existia mais. Estávamos apenas preocupados com nosso prazer, e o clima de tesão que começou a existir denunciava isso.

Denise então deixou aflorar a sua loucura, misturado com o seu tesão. De maneira espontânea falando de forma engraçada, sugeriu para que ficássemos todos nus , afinal já nos conhecíamos a tanto tempo. Mesmo alegres por causa da bebida, ainda ficamos receosos com essa sugestão, principalmente minha namorada Verônica. Mas não deu tempo de falarmos nada, nem de pensar direito, quando olho de volta, vejo Denise tirando a parte de cima do seu biquine, deixando a mostra, seus seios fartos. Eram seios maravilhoso, não caídos como eu imaginava, mas ainda firmes, com mamilos grandes e rosados. Meu pau latejou na hora que eu vi aquilo, não consegui disfarçar, e Verônica notou isso.

Ricardo não acreditou no que a sua esposa estava fazendo. Tentou reprimi-la, mas sem sucesso. Denise ainda brincou, duvidando que ele também não estivesse com vontade de fazer a mesma coisa. As coisas estavam saindo do controle, mas ao mesmo tempo estava tudo muito alegre e descontraída. Perguntei baixinho no ouvido de Verônica se ela estava excitada com a situação. Pra minha surpresa ela disse que sim ! Talvez a bebida tivesse deixado ela mais solta. Então não pensei duas vezes, e desamarrei a parte de cima do biquine da minha namorada, sem ela esperar. Ela me olhou com cara de surpresa, mas ao contrário do que eu imaginava qual seria a sua reação, ela começou a rir. Brinquei falando que agora os casais estavam quites.

Notei que Denise não parava de olhar para os seios de Verônica. Pelos papos que a gente ja teve em outras oportunidades, era sabido que Denise curtiu pegar meninas na sua juventude. Sem falar que os seios de Verônica são lindos, bem durinhos, mamilos mais moreninhos e com uma marquinha de biquine de enlouquecer ( como disse, eram meu parque de diversões). Ela elogiava os seios de Verônica o tempo todo, dizendo o quanto eram bonitos, e começou a brincar de comparar os tamanhos. Verônica estava aceitando a brincadeira e participando, o que estava me deixando mais louco de tesão ainda. Nunca tinha visto ela tão aberta como nesse dia, mesmo nos sexos mais loucos que fazíamos. Eu olhava para meu amigo Ricardo que igualmente não parecia acreditar no que estava vendo. A gente riu de uma forma sacana, sabendo aonde aquilo poderia dar. Denise volta e meia aproveitava pra passar a mão nos peitos de Verônica, e ela deixava ! De repente, Denise tacou um beijo de surpresa na minha namorada. Verônica arregalou os olhos, assustada, deu um beijos rápido e depois se afastou rindo e gritando sua louca !!!

Meu pau estava latejando de tesão. Estava incomodando dentro da minha sunga. Já que a sugestão era de tirarmos a roupa, decidi entrar na brincadeira e tirei a minha sunga também. Eu estava sentado na borda da piscina, peguei a minha sunga, girei no alto e taquei no meio das meninas. As duas começaram a rir. Denise, vendo a situação da minha rola, brincou com verônica – Hoje tem hein amiga !!

E teria mesmo. Denise começou a fazer pressão para que Ricardo também tirasse a sua bermuda e ficasse nu. Ele ainda estava um pouco tímido, porém começamos a fazer um coro descontraído para que ele tirasse. Ele então tomou coragem e fez. Sua rola era mais fina, porém maior do que a minha. Em poucos segundos Denise começou a beija-lo e acariciar a sua rola. Verônica olhou pra mim incrédula com a situação. Eu apenas fiz sinal com a mão para que ela se aproximasse de mim. Não precisei falar mais nada, ele entendeu bem o recado, e sem eu pedir já começou me chupar. Uma das coisas que eu mais gosto em Verônica é o seu boquete. Ela sabe chupar como ninguém, e parece que a sua boca encaixa perfeitamente com o meu pau. Era um boquete bem gostoso lento, aonde ela curtia cada centímetro do meu pau. Quando me dou conta, Ricardo e Denise estavam parados olhando para nós, enquanto Denise punhetava Ricardo. Minha fantasia estava se concretizando . Fazer sexo com um casal apreciando a cena toda me deixou mais excitado.

Verônica então parou de me chupar e olhou para o nosso casal de amigos, rindo de toda a situação. Ela obviamente ainda estava um pouco sem graça, mas estava se deixando levar pela situação agradável que estava acontecendo. Ricardo que estava quieto até então, fez uma proposta que nos deixou todos surpresos. Perguntou para Verônica, se ela se importaria em deixar Denise me chupar. Verônica novamente olhou para mim, porém até mesmo eu estava sem resposta nesse momento. Deixei a cargo dela responder, e para minha surpresa geral, ela permitiu. Denise foi se aproximando de mim na borda da piscina. Não conseguia esconder o tesão que tomava conta do meu corpo. Ela apoiou as suas mãos nas minha coxas e começou a me chupar, enquanto Ricardo e Verônica ficaram apenas olhando. O Boquete de Denise era muito gostoso também. Ao invés do ritmo de Verônica, ela chupava de maneira rápida e mais agressiva, as vezes até tentando forçar o limite até onde conseguia engolir.

Dava pra perceber que Ricardo se excitava em ver a sua mulher sendo aproveitada por outro. Ele nos olhava com um olhar de tesão, assim como se masturbava de forma mais evidente agora. Notei também que a minha gata Verônica, não tirava os olhos do pau dele. Então resolvi pagar na mesma moeda o agrado que estava recebendo. Falei pra ela não ficar apenas olhando, que ia deixar o rapaz na mão. Ela entendeu o meu recado. Se aproximou dele , e ele sem resistência nenhuma deixou ela o chupar. Confesso que eu mesmo não sabia qual seria a minha reação em ver a minha mulher chupando outro cara, mas eu estava gostando, e o mais importante, ela também estava. Eu só fiz um pedido, para não gozar nela, pois eu ainda iria aproveitar aquele corpinho delicioso da minha gata.

Depois de alguns minutos, nós destrocamos os casais novamente. Meu pau estava duro como uma rocha, um tesão que nunca havia sentido antes. Apenas puxei Verônica para mais perto de mim e começamos a nos beijar com volúpia. Ela se deitou no chão, e eu não pensei duas vezes, comecei a penetra-la. Sua buceta já estava encharcada, piscando. Meu pau entrou com facilidade, e eu comecei um vai e vem em cima dela de maneira muito ritmada, porém rápida. Olhava para o lado, e Ricardo estava comendo sua esposa de quatro. Ele a segurava pela cintura e metia com força em sua buceta. Denise com uma cara de safada, recebia as estocadas, mas estava com os olhos vidrados na gente, para não perder nenhum momento. Me ajeitei de joelhos na frente de Verônica, e segurei suas pernas em cada mão. Ela adora essa posição. Novamente comecei a meter com força, enquanto ela gemia alto de prazer. Encostei suas pernas no meu ombro para poder fazer mais pressão e poder enfiar mais fundo em sua buceta. Ela ia ao delírio com cada estocada que eu dava.

No nosso lado Ricardo e Denise continuavam na mesma posição, porém Denise começou a gemer mais alto, e gritava para seu esposo enfiar com mais força. “ Acaba com a minha buceta vai “ ela dizia. Alguns minutos depois Ricardo tira seu pau de dentro da buceta da Denise e goza tudo em cima da sua bunda. Aquilo era uma cena excitante, e não demorou muito, eu também acabei gozando, porém dentro da buceta de Verônica, que tremia de prazer.

Pra mim tudo aquilo terminava ali. Porém Denise ainda queria mais, e falou pra mim que agora era a minha vez. Na mesma hora meu pau endureceu novamente. Ela e Verônica voltaram a piscina para se lavarem, e se prepararem para a segunda rodada. Eu também mergulhei para refrescar, já que tinha suado muito. Porém não sai da piscina. Ali mesmo agarrei Denise por trás, e beijei a sua nuca. Dentro da Agua mesmo apontei minha piroca para a sua buceta, que ainda estava bem arrombada. Lógico que a penetração não foi tão rápida pela falta de lubrificação dentro da agua, mas ela gostava e não fez nenhuma menção de parar. Olho para o lado e vejo minha namorada se preparando para sentar em cima da pica de Ricardo . Ele deitado, apenas guiou a sua cintura e deixou o resto do trabalho com ela. Sua piroca entrou toda dentro de Verônica, o que arrancou um gemido bem gostoso da minha gata.

Denise se debruçou um pouco mais , facilitando o alinhamento da minha rola com a sua buceta. Eu a segurava pela cintura, e com a outra mão puxava seu cabelo. Ela dizia coisas malucas pra mim, o que aumentava a minha vontade de meter naquela buceta. Do outro lado, Verônica rebolava com muito tesão na pica do Ricardo. Gemia alto e gostoso. Não nego que um sentimento misto de ciúmes e tesão tomava conta de mim naquele momento. Mas eu entendia como uma provocação. Ela olhava pra mim com um sorriso safado no rosto. Perguntava se eu estava gostando, que era a minha fantasia. Tinha que me concentrar em comer Denise, e essas palavras me deixavam maluco.

Denise me chamou para sair da agua, me puxou até o lado aonde estava seu marido e minha namorada, e me fez deitar ao lado deles. Agora ela veio por cima de mim, sentando e quicando na minha piroca. Aproveitei para mamar naqueles peitos que balançavam na minha cara. Ela aproveitava a oportunidade para dar a mão para Verônica, as duas cavalgavam juntas no colo dos seus respectivos machos. De vez em quando se beijavam e olhavam para a nossa cara. Se o intuito foi provocar, conseguiram. Tanto eu quanto Ricardo, tomamos as rédeas do sexo, e agora era nós que controlávamos o ritmo. Começamos a enfiar com força e velocidade nelas. As duas gemiam alto e começavam a se beijar novamente. Dessa vez o tesão foi tanto que não consegui segurar. Tirei o meu pau rapidamente de dentro de Denise e gozei litros, que foram espalhados pelo meu pau, mão e barriga. Pra minha surpresa, Denise fez questão de deixar tudo limpinho.

Ricardo ainda ficou mais tempo com Verônica, enquanto eu e Denise apenas assistíamos de camarote agora. Ele fazia questão de tirar quase todo o seu pau, e novamente enfiar tudo dentro da minha namorada, que a essa altura já urrava de tesão. Antes de gozar, Ricardo perguntou se podia gozar nos peitos dela. Eu deixei, afinal ela normalmente deixava eu fazer isso e até gostava. Ricardo se levantou, enquanto Verônica ainda ficou de joelhos. Ele Se masturbou de forma rápida, e alguns segundos depois, lambuzou os peitos da minha mulher de leite.

Depois de um tempo, ficamos ali deitados, em silêncio, sem acreditar no que tinha acontecido. Voltamos para a piscina. A bebedeira já tinha passado com tanta adrenalina em jogo. Voltamos a beber, e aos poucos fomos puxando assunto novamente, e conversando sobre o que tinha acontecido. O Resultado geral é que todos gostaram.
Por isso estamos já marcando a próxima vez para esse carnaval. To ansioso. Vamos ver no que vai dar.