,

Os garotos no estacionamento

28-02-18 Por 12 ★ 3.89

Olá, sou Edvânio e tenho 28 anos, vou contar a minha história e de como consegui vários cuzinhos apertados pra fuder sempre que queria. Eu moro sozinho desde os 21 anos, levando vida de solteiro, fudendo muita buceta e cú de viado, comigo não tem tempo ruim, como de tudo. O meu prédio ficava de frente a um terreno baldio cheio de Mato, era um inferno, vivia cheio de drogados, mendigos e sem falar dos mosquitos e baratas que vinham de lá. O terreno foi vendido e o dono fez um estacionamento, foi uma bênção pra todos, a rua ficou mais vazia sem todos aqueles carros parados na noite, as crianças tinham mais liberdade de brincar na rua sem a presença dos drogados e mendigos que rondavam por aqui na época do terreno, e a segurança de sempre ter um vigia tomando conta do estacionamento.

Seu nome era Wagner, moreno claro, Cavanhaque, estilo grandão e forte (típico porte contratado por empresas de segurança pra impor respeito só com a aparência forte). Tinha 34 anos, casado e com filhos. Como meu prédio era bem de frente ao novo estacionamento, várias vezes eu o via pela janela, dentro de sua guarita assistindo algo numa tv pequena.

Eu na época estava de pegação com a Simone, minha atual esposa, ela tem um filho de 9 anos de outro casamento, o Felipe. O garoto tinha puxado o pai, tinha olho claro, pele branquinha, cabelo castanho claro quase loiro. Eu não queria assumir nada sério com a Simone, eu gostava da minha vida de solteiro, passar o rodo em geral sem ter que dar satisfação a ninguém, mas passando algumas semanas a mulher me conquistou com uma chave de cú incrível, ela sabia que eu gostava de comer cú e se especializou nisso, a mulher rebolava, pulava, até girava com o meu pau atolado no rabo. Foi demais pra mim e acabei convidando ela pra vir morar comigo.

O apartamento só tinha um quarto, e o Felipe ficou dormindo na sala até acharmos um apê maior, era o que eu falava pra Simone (mas eu não pretendia me mudar, na verdade só estava experimentando a vida de casado, na minha cabeça não ia durar muito). Logo o Felipe fez amizade com as crianças da rua e ficava brincando com alguns meninos na calçada, eu gostava quando o moleque saia e já metia a rola na Simone.

Um dia fui pra janela do quarto fumar um cigarro, a luz estava apagada e a Simone na sala vendo novela, de lá eu tinha uma ótima visão da brincadeira dos meninos na calçada, mas algo aconteceu que me chamou atenção, os meninos (com o Felipe eram 3, o mais velho deveria ter uns 11 anos) entraram na guarita do Wagner e ele fechou o vidro escuro da janela, fiquei ali vendo o que acontecia e esperei até que eles saíssem. Não sei exatamente quanto tempo foi, mas sem dúvida foi mais de 20 minutos que os meninos ficaram dentro da guarita com o Wagner, até saírem de lá mais suados do que quando entraram. O meu sexto sentido de putaria apitou, algo tava rolando ali. Não demorou muito e o Felipe chega em casa suado e corre pro banheiro pra tomar banho.

Assim que o Felipe saio do banheiro eu entrei e fui ver sua cueca no cesto de roupa suja, bingo! A cueca estava com uma mancha que parecia porra seca com um pouco de sangue. O Wagner tava passando a rola nos moleques…

Continua… tenho mais o que fazer… Flw!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,89 de 18 votos)

Por ,

12 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. John Deere,Matador de Veados

    Né veado,começou a se ver na veadagem com o veadão vigia e os veadinhos,sei…
    Veado,veado,cuidado…o tio Deere está pelas ruas e tua veadagem acaba mais rápido que estacionar um carro!

  2. Anônimo

    Quero a continuação

  3. Lixo

    Que conto bosta mal escrito

  4. Eloin

    Vai man continua já fiquei afim de gozar me amarro em cu de guri rsrs

  5. Cassio

    Ups termina ligo

    • re

      quero ser fudida bem gostoso

  6. Xxxxxx

    Continua logo

  7. Biel

    Continua meu macho

  8. Anônimo

    Já comeu seu enteado?

  9. W.G.

    Continua macho…

  10. Anônimo

    continua

  11. Pass anônimo

    Continua que o conto tá bom.