No Ônibus comi o Viadinho

Autor

Trabalho como supervisor de uma empresa com atuação em todo o país.
No final do ano passado fui designado para supervisionar uma filial no Nordeste, mais precisamente em Natal RN.
Em novembro fui conhecer minha nova cidade, e decidi fazer uma loucura… Fui de SP até Natal de ônibus
Isso mesmo.. Sempre fui adepto a coisas malucas.
E lá fui eu conhecer o maior trajeto de ônibus do BR.

Saí de SP por volta das 19h50, e me encaminhei pra minha aventura.
No veículo havia os mais variados tipos de gente.
Dentre as cerca de 40 pessoas uma senhora de mais ou menos 31 anos com 2 filhos. Uma menina de 9 e um menino de 10.

Ela sentou com a filha 3 poltronas afrente da minha, e eu estava sentado ao lado do moleque; Sentei ao lado da janela, e o moleque tava sentado no corredor… O ônibus estava meio vazio e partimos.

Com mais ou menos 1h de viagem a mãe se dirigiu a mim e falou:
Moço, desculpa incomodar, mas eu to sentada ali na frente, e meu menino tá sentado aqui com o SR, e eu vim aqui pra pedir só pro SR prestar atenção nele, por que vai encher de mais passageiros, e nesse mundo o senhor sabe que tem gente que não presta… Falei pra ela: Claro… Fico de olho nele, e a senhora pode ficar tranquila… Ela tava empé no corredor, e continuamos a conversar… Ela me falou que tava indo de SP pra Caicó, uma cidade do interior do RN, já que seu marido batia muito nela e nos filhos, que eles eram de Caicó, mas que ao chegar em SP, o marido tinha se envolvido com drogas, e que ela não aguentava mais… Achei meio doido ela falar aquilo na frente do moleque, mas conversamos mais ou menos uns 40min, e por incrível que pareça, iniciamos uma relação de confiança…

Rosa (Esse era seu nome) resolveu ir pra seu lugar, e eu iniciei uma conversa com o garoto.
Vitor era seu nome… Moreninho claro, olhos e cabelo castanhos, boca carnuda e bem vermelha, umas bochechas cheinhas, e muito comunicativo. Vitor me falava que gostava de jogar bola, mas que era um perna de pau, e que tinha muitos amigos que ele deixou em SP.

Vitor me pediu pra trocar de lugar, que ele queria ficar na janela, e não vi problemas nisso, e trocamos de lugar. Eu fui pra cadeira do corredor, e ele foi pra janela.

Bem as paradas nas cidades foram chegando, a noite foi passando e chegando a madrugada.

Lá pela uma da madruga, já dando os primeiros cochilos, eu sinto uma mão tocar meu pau.
Pensei: to sonhando… Mas aquela mão começou a apertar meu pau de leve, e despertei daquele quase sono.
Pelo tamanho da mão só podia ser Vitor… Na hora eu pensei em tirar a mão dele, e dar uma bronca, mas não sei por que fui acometido de uma curiosidade de saber até onde aquilo iria.
Nunca havia pensado em fazer, ou ter algo com outro homem, ainda mais com um garoto de 10 anos, mas fui deixando as coisas acontecerem..

Me mexi e Vitor assustado tirou a mão do meu pau.
Então fiz ele saber que eu estava acordado, e falando bem no ouvido dele perguntei:
Você tá com frio? Quer dividir o edredon comigo? Ele falou que tava com muito frio, e que a mãe só tinha dado uma toalha pra ele se cobrir.. então nos cobri e tomei uma atitude que nunca pensei que eu tomaria em minha vida. Peguei a mão dele e botei no meu pau. Vitor não se fez de rogado, e começou a apertar meu pau que tava já nessa altura duro que nem ferro.

Então decidi saber até onde o moleque iria… Coloquei minha mão por baixo dele, tentando chegar na sua bunda. Vitor se virou de lado pra facilitar o acesso, mas sem soltar minha rola, e eu comecei a dedar seu cuzinho ainda por cima da calça.

Tirei a mão dele, e abri meu zíper botando minha pica de 18CM pra fora, e ele voltou a pegar, só que dessa vez iniciando uma punheta…
Então fui com minha mão em direção ao seu pintinho, e vi que o moleque tava curtindo tudo aquilo, pois sua piroquinha tava muito durinha. Fiz sinal pra ele abrir o zíper da calça dele, e ele fez…
Então ele ficou totalmente de lado esperando uma atitude minha. Puxei sua calça junto com sua cuequinha, expondo aquela bundinha lisinha, e comecei a tocar seu cuzinho com a ponta do meu dedo. Enfiei o dedo indicador no cú do moleque, e entrou de uma vez… Ele começou a morder meu dedo com o cú… Que loucura, mas que moleque taradinho.
Tirei meu dedo do seu anelzinho, e saiu meio melado de cocô… Limpei no edredon…

então virei ele e puxei sua cabeça em direção a minha pica, ele entendeu e começou a chupar. O moleque tinha tanta gula que parecia um bezerro faminto. Como podia… Um moleque de apenas 10 anos tão profissional em fazer uma gulosa assim?

Depois de uns 5 minutos chupando ele tira minha pica da boca e falando baixinho me pergunta:
Tio… o SR não quer colocar dentro?… Achei aquilo tão doido… Um moleque de 10 anos me pedindo pra eu comer seu cú…
Mas no seu ouvido falei:
Teu cuzinho ta meio sujinho, e não dá…
Então Vitor se baixa de novo, e volta a chupar minha vara…. Depois de uns 10 minutos com Vitor me chupando, eu gozei, acho que a maior quantidade de porra da minha vida…. E Vitor não deixou vazar nada, e ainda limpou minha pica, que ficou sequinha.

Por volta das 3h30, o ônibus parou para a troca de motorista, e iria demorar cerca de meia hora, e eu resolvi descer, e Vitor resolveu me acompanhar. Passando pela cadeira em que sua mãe tava sentada, ele fala que iria descer comigo pra ir ao banheiro, ela perguntou por que ele não foi no banheiro do ônibus, ele diz que não podia fazer aquilo que ele precisava fazer no ônibus. Ela entendeu, e me perguntou se ele não iria incomodar, falei que claro que não, e que eu o acompanharia até lá. Ela me agradeceu, e fomos. Junto conosco só umas duas senhoras de idade desceram do veículo…
A rodoviária tava muito vazia, e muito escura. Perguntei a um cara onde ficava o banheiro dos homens, ele indicou e lá fomos Vitor e eu. Claro que não havia ninguém no banheiro. Ele entrou e falou que ia no vazo, e depois de algum tempo vem Vitor com as calças abaixadas até os juelhos e me pergunta:
Tio como eu posso lavar meu bumbum direitinho pra não ficar mais sujo? Então me lembrei de um filme pornô que eu assisti, onde um cara lavava o cú da mulher com uma mangueira várias vezes até sair uma água limpa, e ele falava: agora vou entrar no cú limpinho.
Então espliquei pra ele como, mas o problema… Onde arrumar uma mangueira? Pensei só se for no banheiro das mulheres, que normalmente tem ducha.
Tomando cuidado pra não ter ninguém lá, mandei ele se vestir, e levei ele no WC feminino, já que provavelmente não tinha gente lá.
Entrando lá… Bingo! Realmente tinha uma ducha… Então comecei a colocar o bico da ducha no rabinho do garoto, e depois de umas 5 colocadas a água saiu limpinha, e eu coloquei um pouco de sabonete no dedo e lavei por dentro, e falei que agora ele tava pronto.
Voltamos pra o ônibus, e seguimos viagem. 10 minutos depois que já estávamos na estrada escura pela noite, e os poucos que acordaram já dormia novamente, sinto aquela mão de novo na minha vara…

Cobertos pelo edredon, e já sem cerimônias emtre o garoto e eu, puxo sua cabeça pra ele chupar novamente minha pica…
Olha que o moleque era tão safado, mas tão safado que já estava com o zíper da sua calça aberto, e colocou minha mão no pintinho dele, e comecei uma punhetinha de leve naquele piruzinho enquanto ele me chupava…

Nunca pensei em pegar num pau que não fosse o meu, mas fiz, e fiz com gosto no menino.

Então depois de uns 2 ou 3 minutos chupando ele tira meu pau da boquinha e fala:
Tio… Agora tá limpinho… O SR não quer botar dentro?
Falei pra ele: Você quer?
Ele já quase implorando fala: Sim tio, eu quero muito… Eu quero agora, enquanto ta todo mundo dormindo…

Então meus amigos imaginem a seguinte posição:
Em uma poltrona de ônibus um garoto de 10 anos com a calça e a cueca arriadas até mais ou menos nos juelhos, sentado de lado, oferecendo o cú e implorando pra um homem meter uma vara de 18CM.

Então me ajeitei, e fui chegando perto me encostando no corpinho dele.

Mesmo no completo escuro, acho que nosso instinto faz nós acertarmos os lugares pra nossa rola entrar nos buracos… Seja de mulher, homem o criança.
Comecei a pincelar meu pau naquele reguinho… Minha vara já babava tanto, que melava o furiquinho do moleque todo.
Então parece que aquele putinho havia nascido pra dar o cú, pois quando a cabeça encostou bem no anelzinho dele, ele estremeceu todo. E parecia que a cabeça da minha pica havia sido feita pra se encaixar naquele furinho.

Comecei a meter, e fui falando no ouvido do moleque:
Aiii… Que gostoso… Ele só gemia bem baixinho concordando comigo.
Meus 18CM entrou todo no reto dele, e quando senti meu pubes encostar nele, perguntei só de maldade: Quer que eu tire?
Ele fala: Não tio, por favor não tira… Mete mais. Mete tudo.

Mesmo com o desconforto da posição, eu iniciei um vae e vem no cú do moleque, e nós dois tomando o máximo de cuidado pra não sermos pegos trepando em um ônibus lotado, gemíamos baixinho.

Não vou negar… Tava tão excitado, mas tão excitado que em menos de 10 minutos gozei, ainda mais porra do que na hora que ele fez uma chupeta….
Então tirei meu pau de dentro dele, e começou a escorrer toda a minha porra de dentro dele, e eu que sou maníaco com limpeza, e não saio de casa sem lenço umedecido, limpei o cú de Vitor e meu pau.
Depois exaustos, nem passou 5 minutos e já dormíamos como se não tivesse nada acontecido.

O dia amanheceu e pude ver bem o rosto do meu putinho. E como era lindinho o viadinho.

Pra resumir a história… o Onibos quebrou, a viagem demorou 3 dias, e toda noite comia o cuzinho de Vitor pelo menos umas 3 vezes.

Fiquei amigo de Rosa, vou visitalos na cidade que eles moram a cada 15 dias nos finais de semana, onde durmo no quarto com ele, e trepamos também, e agora em janeiro Vitor passou uma semana comigo em Natal, e passei 8 dias comendo ele pelo menos umas 5 vezes por dia… Era engraçado vê-lo andando com as perninhas meio abertas de manhã quando ele acordava, pois seu cúzinho tinha sido muito judiado na noite anterior por mim…
Rsrsrsrsrsrs!

Não vou negar… Nunca fiquei mais de 10 dias sem comer uma buceta, mas desde que conheci aquele garoto, não tiro ele da cabeça, e todas as vezes que como uma mulher eu só vejo a cara de prazer dele empalado na minha vara.
Acho que estou apaixonado por um menino de 10 anos… Ou pelo menos por seu cuzinho… e boquinha;

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 3 votos)
Loading...