Minha filha e o vozinho no onibus

Naquele fim de semana eu e minha filha Larissa estávamos indo visitar minha irmã q havia passado por uma cirurgia.
Era uma viagem de duas horas e meia, até a casa dela. Já na rodoviária, estávamos na fila esperando o ônibus chegar, quando percebi q um senhor sentado num banco em frente, não tirava os olhos das pernas da minha filha, q estava sentada a vontade no meu colo, deixando a mostra sua calcinha.
Além de fingir não notar, ainda resolvi provocar o coroa, abrindo ainda mais as pernas dela, suspendendo seu vestidinho. Os olhos dele brilhavam com a bela visão da bucetinha carnuda da minha filha.
Depois de uns cinco minutos, deu vontade de ir ao banheiro, e tive a ideia de pedir ao senhor, q tomasse conta da menina, enquanto eu me aliviava. Muito simpático, ele pediu q ela sentasse ao seu lado, e foi logo acariciando seu rostinho.
Assim q voltei do banheiro, Larissa conversava e sorria, comendo uma barra de chocolate,com a mãozinha apoiada sobre a perna do coroa q tinha a mão em suas costinha.
Com naturalidade me sentei ao lado , nos apresentamos e começamos a conversar.
Antônio, era um coroa simpático de 59 anos,estava indo visitar a neta, tbm de 7 anos, idade da Larissa.
Logo o ônibus chegou , embarcamos e como não havia mais q uma dúzia de passageiros,o convidei pra sentarmos bem ao fundo , perto do banheiro.
Antônio sentou na poltrona da janela eu sentei ao seu lado, enquanto Larissa, sozinha na poltrona ao lado, se colocou de joelhos olhando pela janela, empinava a bundinha pro nosso lado.
Sem poder disfarçar o olhar e sua excitação, Antônio suspirou e disse:
“Vc tem uma filha maravilhosa”
“Vc ainda não viu nada, ela bem safadinha—-respondi, chamando Larissa pra sentar no meu colo. Ao sentir meu pau duro, a safadinha se ajeitou, sorrindo pro Antônio, q me olhava curioso.
Dei um beijinho na boquinha da minha filha e disse:
” Amor, o tio quer ver sua pepekinha, mostra pra ele”
A safadinha sorriu e se deitando, virou as pernas abertas pra ele , e afastando a calcinha, mostrou a xaninha rosada.
Com os olhos arregalados, Antônio parecia não acreditar no q via.
“Nossa… Q delícia!—exclamou ele levando uma mão no pau e a outra na xotinha dela.
Peguei Larissa e colocando no colo dele, disse a ela:
Amor, o tio é amigo do pai, brinca com ele, como a gente faz”
Me sentei na poltrona do outro lado, e vigiando o corredor, vi Antônio deitar minha filha no estofado e cair de língua em sua bucetinha.ele há tinha tirado a pica pra fora, era menor e mais fina q a minha. Logo era minha filha q mamava no pau dele, recebendo seu dedo no cuzinho. Depois ele voltou a colocá-la no colo, desta vez de frente pra ele. Larissa ajeitou com a mão a pica na portinha dá buceta, e Antônio cheio de tesão me olhou e pediu:
“Posso?”
Sorri dando o sinal verde. Minutos depois minha filhinha rebolava no pau do coroa, deixando só o saco de fora. Não demorou pra q ele gozasse, beijando a boquinha dela e com o dedo atolado em seu cuzinho. Assim q terminaram, Larissa correu até a mim q já espera de pica em riste. Aproveitando sua xotinha ensopada de porra,melei seu cuzinho com a gala ainda quente, e empurrei a pica devagar. Seu buraquinho viciado, engoliu a cabeça com facilidade. Em frente, Antônio via a bundinha carnuda da minha filha recebendo minha pica até o talo.
O passageiro mais perto, estava a três fileira a frente, sem perceber nada. Terminado de gozar, levei Larissa pro banheiro, depois foi a vês do Antônio. Mas tarde ele tbm comeu o cuzinho da minha filha.
Antônio passou a iniciar sua bela netinha. Pelo whatsap trocamos fotos e vídeos das meninas.
Meses depois voltamos a nos encontrar. Desta vez ele tbm levou a Priscila sua bela netinha.
Mas essa é outra história.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,20 de 10 votos)
Loading...