Intimidade feminina

Meu nome é Carol, 14 anos, ano de 2016, troquei de escola. Lá conheci Adriana, 15 anos, foi minha primeira amiguinha da sala. Adriana tinha o corpo perfeito, isto era motivo de ciúmes das garotas e acho que de muita mulher também. Os alunos ficavam ouriçados na frente dela e o professor de Física dava muita atenção a ela. Passamos a nos dar melhor, frequentava a casa dela e ela a minha, tudo na mais perfeita amizade. Nossa amizade era tanta, que tinhamos necessidade de passarmos mais tempo junto com a outra, então começamos a dormir na casa da outra como duas amigas qualquer. Eu tenho uma irmãzinha e ela é filha única, na minha casa ela dormia na cama da minha irmã e na casa dela dormimos juntas. Na casa dela, ela ficava só de calcinha e me convenceu a ficar como ela. Analisando seu corpo pude perceber porque ela chamava a atenção dos homens, seios volumosos e perfeitos. Depois de muita conversa na cama, fomos dormir, ela ficou atrás de mim, me encoxando. Seguido de risadas, onde comentei que ela parecia um homem grudada em mim. Só que seus peitões encostados nas minhas costas confirmavam que era uma mulher. Ela então aproveitou para brincar de homem e vez um breve vai e vem na minha bunda. Depois ela massageou meus peitos. Me virei para ela e disse que ela tinha os peitos mais perfeitos de todas as colegas. Ela estufou os peitos para frente e ofereceu para eu sentir nas minhas mãos como ela tinha feito comigo. Toquei neles e quando tirei as mão, ela mandou eu sentir com mais vontade. Dormimos até as 10h da manhã, passamos o dia todo juntas e depois da aula ela pediu para eu dormir novamente na casa dela. Ela brincou comigo que hoje ela dormiria como meu namorado. Como sabia que ela estava sempre brincando nem dei bola para ela. Deitadas coladinhas uma na outra, ela por trás me agarrou, sua mão pegou no meu peito e ficou massageando dizendo que os homens adoravam um peitinho. Eu estava tremendo de vergonha, mas deixava ela me alisar porque era mulher e minha amiga. Em seguida ela pediu para eu ficar atrás dela, fiz o que ela pediu, como não tinha vontade de pagar seus peito, ela mesma pegou minha mão e colocou em cima do seu peito. Conduzindo minha mão em cima do seu peito, fez movimentos rotatórios nele. Disse que gostava quando alguém brincava com seus peitos. E insistiu até eu dizer que tinha gostado quando ela pegou no meu peito. Porque ela tinha sido a única que tinha tocado neles. Ela fez eu virar pra ela, e perguntou se eu era virgem. Respondi que sim e ela respondeu que ano passado um namorado tinha desvirginado ela. E antes de dormir deu beijinho no meu peito, eu emudeci com a atitude dela e logo ela beijou o outro e me desejou boa noite. Dormi sem entender o que estava acontecendo. Na minha casa sempre ficávamos em camas diferentes, com gestos para minha irmã não perceber, ela pedia para ficarmos juntas na cama. Dei uma desculpa pra minha irmã e trocamos de cama. Minha irmã logo dormiu e Adriana ficou alisando meu peito, não queria admitir, mas estava sentindo prazer. A partir dali, não sabia mais como reagir, Adriana deslizou sua mão em direção do meu ventre, segurei sua mão antes que entrasse dentro da minha calcinha. Disse a ela que minha irmã poderia acordar, ela me disse: deixa sua boba, tu vai gostar, mas não deixei. Na escola ela passou a semana toda me convencendo a diexar, que eu ia adorar. Fui dormir na casa dela esperando deixar acontecer. Depois de todos aqueles arretos, ela colocou seus dedos na minha bucetinha, eu rebolava nas mãos dela, por não conseguir controlar meu prazer, até que gozei. Ela partiu para meus peitos beijando um e outro, eu ainda estava sob efeito do orgasmo, quando ela me beijou na boca. Sua boca calando a minha e seus dedos voltaram para minha bucetinha, que deixei ela fazer o que quisesse comigo. Passo a passo ela foi me ensinando tudo, ficávamos a noite toda entrelaçadas uma no outra, nos chupando bocas e bucetas. Estamos nos curtindo cada dia mais, sou dependente dela.