Desejava a mãe mas me contentei com a filha

Autor

Ola galerinha, já acompanho esse site a algum tempo, mas agora resolvi contar como começou minhas aventuras com Cristina filha de dona Mara, eu estava com 11 pra 12 anos, eu e os moleques da rua em que eu morava ficávamos sempre no campinho jogando bola, as vezes batendo punheta pensando na dona Mara a coroa mais gostosa da vila, as ruas eram de terra, beirro humilde, nossa diversão era jogar bola, escorregar no sapasal, nadar no riozinho da biquinha, jogar queimada, pular corda, enfim as brincadeiras legais que antes tinha, meu pai era marceneiro e moravamos em nossa chácara, na época de ameixa eu pegava muitas e levava pros amigos, os muros da chácara eram altos e com caco de vidro, então pra pular não dava, pegava jaboticaba, goiaba, bananas, enfim eu era o único que tinha bicicleta nova, dona mara era costureira, mas bem pobre, ai minha mãe abriu uma confecção e chamou dona Mara pra trabalhar com ela, eu ficava sempre tentando ver a calcinha de dona Mara, mas ela ficava sempre com saias cumpridas e era difícil ver, mas um dia eu cheguei da escola e minha mãe me deu almoço, eu estava saindo pra brincar, quando ela fala. Filho via na casa de Mara pegar alguns retalhos pra nós. Eu falei. Sim mãe. Ai dona Mara me entregou a chave da casa dela, e falou. Esta na lavanderia, é só entrar pela lateral da casa aque vc ve traga todos. Eu entrei fui até a lavanderia, ela era viúva, só morava com a filha Cristina de 11 anos, que dificilmente saia na rua, eu vi o saco cheio de retalhos, ai eu peguei, mas me veio a ideia de vasculhar nas coisas pra ver se eu achava alguma calcinha dela usada pra cheirar e me masturbar, abri a porta da cozinha, entrei direto no banheiro e tinha calcinha pendurada no registro do chuveiro, com cheiro de buceta, mas era de Cristina, olhei no cesto de roupa suja e achei algumas calcinhas grandes, de dona Mara, com cheiro delicioso de buceta, e uma ainda húmida da buceta dela, eu peguei cheirei lambi, levei ao pau, esfreguei, e levei a de Cristina, e 2 de dona Mara, em casa me masturbei, gozei nelas e depois levei pros amigos, no campinho batemos muita punheta pensando nela, o coroa gostosa, depois daquele dia não me pediram mais favores, mas era pq não precisavam mesmo, eu tinha computador e impressora, mas não tinha internet na época, e tínhamos que fazer trabalho de escola na biblioteca, fui com os amigos, mas Cristina que era recatada não sabia andar na cidade, ai minha mãe falou comigo. Filho em vez de ficar vadiando na rua devia levar Cristina até na biblioteca, e ajuda-la a fazer o trabalho a menina vive sozinha, abandonada na escola, vc tem que ter amizade assim. Cristina era tímida, retraída, de difícil acesso, eu falei com minha mãe, que não queria, mas meu pai estava perto e me mandou ajudar a menina, no dia seguinte eu fui la e a chamei pra irmos a biblioteca, fomos la fizemos as pesquisas ai eu fiz o desenho levamos tudo pra casa passamos a limpo e imprimir algumas coisas do trabalho e ela acabou tirando uma excelente nota, minha mãe falou com ela que ela poderia ir la mexer no computador, ela passou a ir todo dia la em casa, meus pais gostavam dela, e passaram a me obrigar a fazer companhia a ela, os moleques começaram a tirar sarro da minha cara, ela naõ era feia, mas usava roupas feias, o cabelo liso mas sempre de transa, além de ser magrela, já a mãe dela era um sonho de consumo, meu pai comprou outra chácara em outro bairro e la montou uma marcenaria, pois dava mais movimento. ai nos mudamos pra essa chácara, e visto que la tinha 2 casas dona Mara e Cristina se mudaram conosco, la eu não tinha amigos, pois não haviam muitos na mesma faixa etária minha, então eu só tinha os amigos da escola, pois ainda continuava na mesma escola, mas o problema era que Cristina passou a ficar na minha bota, aimos de bicicleta, mas ela não sabia andar e eu tinha que leva-la na garupa, com 12 anos meu pai me deu uma mobilete, e íamos pra escola de mobilete, quando estava chovendo meu pai nos levava, mas Cristina queria aprender a andar de bicicleta, e eu passei a ensina-la, ficávamos no campo da chácara horas e horas sozinho eu a ensinando a andar de bicicleta, ai eu comecei a pegar no banco da bicicleta ela sentava na minha mão, os shortinho curto, as vezes de saia, mostrava a calcinha, mas eu até então não via graça, mas ficava as vezes tentando ver dona Mara tomando banho, pelo buraco que tinha no vitro, certo dia eu fiquei olhando ela tomar banho e vi o bucetao cabeludo, a bunda grande e carnuda, os seios enorme que vontade de chupar a buceta dela, me masturbava direto, feito doido, mas la era chato sem amigos, eu só brincava com Cristina, que era sem graça, mas um dia não teve aula meu pai levou minha mãe e dona Mara pra fazer compras em outra cidade, e nos deixou sozinhos, e falou pra não sairmos da chácara, ai fomos ao campinho e ficamos la andando de bicicleta ela já sabia andar, andamos mas tudo muito sem graça, ai eu sentei no chão e fiquei olhando ela andar de bicicleta, estava sol eu peguei algumas tangerinas, e resolvi ir ao rio nadar, ela falou, vc nada eu fico olhando pois não sei nadar, eu falei, mas é rasinho, vem, ela falou. Mas com essa roupa? Eu disse. Sim eu entrei com a minha roupa, ai ela tirou a blusinha ficou de sutiã, e entrou na agua de short, ficando brincando na agua, eu tentei ensinar ela a nadar, mas ela ainda estava dura, mas fui ensinando ela aos poucos, ai voltamos pra casa, tomamos banho, eu na minha casa e ela na casa dela, eu terminei, e fiz um lanche, ela chega la em casa e começa a comer também, depois fomos brincar no computador, começamos depois a jogar vídeo game, eu a ensinei e ela aprendeu rápido o joguinho de corrida, e ela acabou ganhando a partida, depois eu joguei de novo e ela ganhou de novo a partida, e ficou tirando uma com minha cara, eu não me conformei em perder e desafiei ela de novo, eela acabou ganhando, meu eu ganhava dos moleques viciado no jogo, mas ela aprendeu rápido e me derrotava, mas o legal mesmo era a brincadeira ao ar livre mesmo, ficamos jogando ate meus pais chegarem, eles chegaram trouxeram vários presentes, jogos novos, filmes, logo pegamos e fomos ver os jogos, depois começamos a assistir um filme, e ficamos em meu quarto até as 01:00hs da madruga, e ela falou, e agora como vou pra casa, minha mãe acordou e disse, dormi aki querida, vc é da família, sua mãe sabe que esta aki, e ai minha mãe colocou um colchão no meu quarto eu dormi no colchão e ela dormiu na minha cama, eu passei a noite a me masturbar pensando na dona Mara, acordamos no dia seguinte não haveria aula estávamos de férias, tomamos café, e fomos ao campinho andar de bicicleta, la no campinho ela ficava me soando devido ter me derrotado no vídeo game, andamos bastante eu coloquei alguns obstáculos pra desviarmos, e conseguia desviar bem, já estava andando bem mesmo, ai paramos fomos pegar ameixa, tangerina, ficamos sentados na grama, ai ela fala, Eu gosto muito de ficar aki com vc, nunca me diverti tanto só vivia em casa, agora sou mais feliz, ai ela me abraça e me beija o rosto, ai eu falo, é legal sim, ai ela me da outro beijo no rosto, e fala, ah devíamos fazer como os alunos la na escola fazem, nos beijar, vc pode passar a mãe, sei la, eu falei. Se vc quiser. Eu nunca tinha imaginado nada com ela, mas pensei ela poderia chupar meu pau, logo fiquei excitado, e ela balançou a cabeça afirmando que queria, ai começamos a nos beijar na boca, na ralidade eu já tinha dado uns selinhos nas meninas, já tinha passado a mão em algumas, mas foi só isso, e com ela mesmo ela sendo sem graça poderia ser bom, nos beijamos e foi bom, eu peguei nos peitinhos dela, ela ria, meu pau já duro, ai ela fala que foi bom, eu falo. Pega no meu pinto? Ela pega por fora da bermuda, e fala. Que duro, doi eu pegar assim? Eu falei. Não, é muito bom pega mais assim. Ela segura, eu tiro meu pau pra fora, ela pega, eu quase gozando, ai ela começa a mexer que gostoso, ela olhava e perguntava. Ta gostoso? Eu falava. Ta sim quer chupar? Ela falou. Eca, ta melado. Ai eu falei. Ah vamos a bica e eu lavo. Ela falou. Ta vamos la, mas não sei, se consigo, agora beijar é bom. Fomos a biquinha e la eu lavei meu pau, tomamos agua, ela cheirou, e falou que deixa eu lavar mais, ai lavou meu pau, cheirou e falou. agora ta melhor, ai ajoelhou, eu de pé, eela foi colocando a boca no meu pau, que delicia, meu pau duro e ela lambendo devagar, começou a sair gozo, mas ela não parou, ai derrepente eu gozo feito cavalo. ela cospi toda minha porra, eu gozei muito ate sentei no chão. ela riu e falou. Foi tão bom assim? Eu falei. Muito bom que delicia, Ela passou o dedo na ponta do meu pau que estava saindo porra e cheirou, e falou. Não é tao nojento assim como parece. Eu fui ao delírio muito bom, ai levantei e a beijei, ficamos de lábios colados eu passando a mão na bunda dela, ela ria e dizia. Assim é legal. Ai eu falei. Deixa eu chupar sua xana. Ela falou. Sim mas ai é que da nojo. Eu falei. Claro que não é uma delicia. Na realidade eu nunca tinha chupado uma buceta, mas batia punheta imaginando chupando a da mãe dela, e agora queria chupar a buceta dela, Ela tira o short, depois tira a calcinha eu pego cheiro, e já vou com a boca na bucetinha dela, lisinha, fichadinha, passo a língua bem na rachinha, no hímen, ela dava umas risadinhas, e dizia que era bom. eu empurrava a língua mas não entrava, ai ela vai abrindo mais as pernas a língua vai entrando ela gemendo, baixinho respirando fundo, ai ela fala, chega ta bom, eu já estava com o pescoço doendo, ai fui beija-la mas ela não quis, me fez lavar o rosto, depois de limpo ela me beija, pega no meu pau, bati uma punheta eu gozo esguijando porra da bermuda dela, depois fomos pra casa ficamos la jogando vídeos game, o ateliê da minha mãe ficava na entrada da chácara a uns 50 metros da casa, lanchamos e no meu quarto jogando vídeo game, eu peço pra ela chupar de novo, ela me manda lavar bem, eu lavo, e volto, mas ela fala, é melhor no banheiro, pois qualquer coisa e u cuspo no vaso, ai fomos ao banheiro, ela ajoelha eu fico de pé, e ela abocanha meu pau, passando bem a língua, que delicia, eu gozo rápido, enchendo a boca dela de porra, ela engole tudo, mas fica com cara de nojo, ai vai tomar agua, e volta, eu pergunto se ela sentiu muito nojo. Ela fala. Não é nojo em si, é que é estranho, diferente, parece sei la o que, mas eu faço se vc gosta, ai eu pedi pra chupar a buceta dela, ela já senta na cama e abre as pernas ela estava de saia sem calcinha, eu já vou com a língua chupando o grelinho, ela puxa minha cabeça contra a buceta dela, minha língua entra tudo, fico colocando e tirando, ela fala. Assim vai mais rápido, e sinto melada cada vez mais, um gosto meio amargo, delicioso, lambo tudo deixando a buceta dela limpa, ela exausta fala, que ai foi muito gostoso, ficamos jogando até tarde e depois começamos a assistir um filme, que acabou as 2 da madruga, ela dormiu no meu quarto, mas antes eu a chupei muito, ela também me chupou, e fechamos a porta e eu grudei na bunda dela, e dormimos colados, no dia seguinte minha mãe e meu pai também dona Mara saíram e disseram que só iam voltar no final da tarde, estava chovendo e ficamos em casa, eu a chupei muito ,depois ela me chupa engolindo toda minha porra, ai depois ficamos tentando a penetração, ela sentia um pouco de dor, mas eu ia bem devagar, até que entrou, ficamos bombando e gozamos juntos, foi delicioso, dali em diante passamos a fazer todos os dias sem escessao, as aulas voltaram e antes da aula fazíamos bem cedinho, depois da aula ficavamso a tarde toda transando, firmamos um namoro secreto só entre nós, aos 14 anos já saímos mais sozinhos, mas continuávamos do mesmo jeito, as vezes ela dormia em meu quarto, ela já com seios, coxuda, bunda grande, eu já bem desenvolvido, mas não viam maldades, minha mãe começou a dirigir pois meu pai faleceu de infarte, e agora cuidava de tudo com a pensão do meu pai, e com a confecção dela, mas tínhamos de tudo, aos 15 anos Cristina uma gata gostosa, corpuda, a cara de dona Mara, e minha namorada secretamente, ela me chupava direto eu também a chupava, ela sentava em minha cara, fazíamos um 69 delicioso, ela ficava de 4 era em varias posições e de todas as formas, e em todos os cantos da casa, aos 15 aos desceu pra ela, ficamos aquele período sem transar pois era incomodo a ela e era muito sangue, ficamos com medo de que ela engravidasse, por isso nõa fazíamos sem camisinha 5 dias antes de descer e 5 dias depois de terminava, pois uma professora disse que se a mulher for regular pode dar certo, mas não falou das possibilidade de dar errado, e aconteceu que no mês seguinte não veio, ela estranha, no outro mês também nada, ai começamos a nos preocupar, fomos a uma farmácia compramos teste, e batata, ela estava gravida, ficamso desesperados, mas decidimos contar tudo a minha mãe, que simplesmente falou, Até que demorou né? Eu falei. Mas mãe a senhoraja sabia que a gente transava? Ela fala. Filho não nasci ontem né, já sei a muito tempo, só não quis acabar com a brincadeira de vcs, e sua mãe também já sabe viu Cris. Elas nos apoiarma e nos assumimos nosso namoro, e logo nos casamos meu filho nasceu, e ficamos morando na chácara com minha mãe, e eu esqueci o desejo por dona Mara, hj já fazem 30 anos do acontecido, minha mãe e dona Mara já são idosas, tenho mais 4 filhos, com Cristina, é isso.