8 aninhos

Autor

Essa é mais um estória (ficção) que eu trago a vcs. Boa leitura.

Vitor tem uma enteada chamada Marisa que hoje está com 15 anos, mas quando ele se casou com a mae da garota, ela tinha apenas 8 aninhos. No começo era complicado o relacionamento entre Vitor e a entiada. O pai dela morreu no ano anterior e ela sentia muita falta dele, e isso deixava as coisas muito delicadas pra ele. Bem, Vitor procurou ficar na sua e pouco se envolvia com a menina. Mas o tempo foi passando e aos poucos ela foi se soltando com ele. As conversas começaram a ficar mais assíduas, troca de ideias, levar para colégio, balet, shopping etc. Apos alguns meses pode se dizer que eles finalmente comecaram a ter um relacionamento maravilhoso, mas isso só foi possível devido a paciencia e carinho. Quando ela já estava perto de completar 8 aninhos – muito provavelmente ainda por ciûmes – inventava de vez em quando de dormir com ele e sua mae na cama do casal.
No começo Vitor não gostava. Nas primeiras noites ele acordou com aquela garotinha colada nele. Algumas vezes passou algumas besteiras pela cabeça dele, mas antes que alguma coisa pudesse acontecer, a mãe dela carregava a filha para o outro quarto logo apos a crianca pegar no sono.
Com o passar do tempo a crianca começou a gostar de ficar junto com ele para assistir televisão de madrugada, um habito que Vitor tinha. As vezes ela dormia e ele a levava para a cama. Numa destas noites, Vitor não resistiu e, ao cobri-la, baixou sua calcinha só para ver como era a xaninha da criança. Para sua surpresa ela era mais interessante do que imaginava, bem gordinha e lisinha. Entao ele passou o seu dedo indicador bem de leve, procurando pelo grelinho da menina, e quando finalmente o achou ela soltou um ligeiro suspiro. Com medo ele parou por alí.

Teve um dia que Marisa resolveu, de uma hora para outra, sentar em seu colo. Seu padrasto achou estranho a principio, mas deixei e gostou é claro. Como sempre, eles estavam em frenta à televisão se preparando para mais uma longa noite de filmes e como ele já andava mal intensionado com a menina, ele a ajeitou com a bundinha mais em cima da sua rola que já começaçava a pulsar.
Só de camisão, ela trouxe seu corpinho magro para se encostar no dele. Entao Vitor deu uma disfarçada, de como quem nao quer nada, só pra ajeitei o pau que começava a latejar e o posicionar entre a bundinha da criança e começou a preciona-lo contra ela, o que durou uns 30 minutos de sarração…nada explícito. Porem a menina sentiu sua intenção, pois em alguns momentos até correspondeu, dando umas piscadinhas com a bundinha e ele com leves movimentos, se mexia fazendo movimentos de sexo. E nao deu outra, seu padrasto acabou gozando sem que ela percebesse.
Desde esse dia em diante, isso se tornou um habito. Assistir tv e sarrar na criança.
Algumas semanas depois a mãe da crianca precisou viajar e ficaram só os dois em casa. Bem, nesse tempo ambos cumpriam seus papeis diários de trabalho, escola e… putaria noturna.
Quatro dias depois a menina, para a surpresa dele, aparece com o mesmo camisão daquele dia que o fez gozar nela. Com a novela começando, ela se deitou com a cabeça na perna de Vitor e a mão em seu joelho. Entao Vitor começou a acaricia-la com um cafuné na cabeça. Os longos cabelos escuros da criança se espelhavam na perna dele. Da cabeça, Vitor passou para o pescocinho, ombro até que a menina começou a se arrepiar. Entao ele riu e começou a esfregar o dedo bem lentamente em sua orelha. E ela começou a se contorcer. A essa altura Vitor já estava pra lá de excitado. Entao ele resolveu botar o pau pra fora sem que ela percebesse – afinal estava deitada na sua perna e não podia ver, ja que estava olhando pra televisão como se nada tivesse acontecendo. Entao seu padrasto pegou lentamente a mao da criança e colocou em seu pau. E para a surpresa dele, ela o segurou numa boa e ele resolveu maliciar de vez apertando a mãozinha da crianca contra seu pau e a ensinando como devia da prazer a um adulto de 40 anos como ele.
Aquela mãozinha pequena de criança deixou seu pau tao duro quanto uma pedra. Ele pensou "não posso passar disso, se não machuco essa menina". Entao ele começou a se masturbar com aquela mãozinha segurando seu pau. Mas um tempinho depois viu que ia gozar ali mesmo e decidiu parar. Vitor se recompos, respirou e olhou para aquele rostinho que ainda era totalmente de criança e imaginoou ele com a sua porra, mas não teve coragem de ir a diante com o pensamento. Entao ele resolveu trocar os papéis. Com a mão esquerda ele acariciava seus cabelos e com a mão direita foi descendo pelas sua coxas até chegar em sua linda e estufadinha bundinha. Vitor a acariciou muito naquela posição, até a crianca se virar com a barriga para cima. Entao ele viu a deixa para ele bolinar dela.
Seu padrasto enfiou sua mao por dentro da calcinha da criança e encontrou uma bucetinha ainda muito pequena e lisinha e foi bolinando…bolinando… até ela soltar uns gemidinhos. Entao Vitor tomou coragem e se levantou do sofá, baixou lentamente sua calcinha e comecou a chupar a crianca. Primeiro ele beijou, depois a fez sentir grande prazer com a sua lingua em seu grelinho. Então ele pegou dois travesseiros e a fez se deitar de bruços sobre os travesseiros, de modo que ela ficasse com a bunda empinada. Ele entao veio por cima se ajoelhou atrás dela e, entre suas pernas, ficou passando o cacete na sua bundinha…do saco ate em cima…passando pelo cuzinho e, bezuntado de creme, ele parou com o pinto encostado no seu cuzinho. Entao ele para e começa a enfiar sua língua entre as nádegas da criança lentamente ate encontrar finalmente o que tanto queria: seu cuzinho dela que piscava ao contato com a lingua daquele adulto.
Vitor tentava enfiar a língua dentro do cuzinho da menina, mas nao teve exito. Entao ele começou a pegar sua bunda com as duas mão e ao abri-la foi encostando a ponta do seu dedo no cuzinho da menina começando a enfiar aos poucos ele. Marisa sentiu uma dorzinha e reclamou. Entao Vitor parou e ficou dando voltinhas no seu anelzinho e colocando mais cuspe, voltou a enfiar mais um pouquinho e parou… depois voltou a enfiar mais um pouquinho ate que sentiu o dedo todo escorregar pra dentro dentro da menina… deixando-o excitado e de pica dura. Em seguida a manda sentar na cama e a chama para chupar o pinto dele…enquanto ele enfiava o dedo no seu cuzinho.
Depois de um tempo metendo e tirando o dedo do cuzinho da sua entiada, Vitor passa um lubrificante na rola dele, e bem devagar vai pincelando a glande no buraquinho virgem daquela crianca e comeca a empurrar aos poucos a cabecinha na entrada daquele cuzinho rosinha…ate que entra a metade da cabeça da sua pica dentro dela. Marisa reclama de dor, então seu padrasto, sem tirar a glande de dentro da menina, espera o ardor passar e um tempo depois recomeça a penetra-la ate a cabeça toda ser introduzida. Depois Vitor recomeça a empurar denovo a cacete pra dentro do cuzinho da criança, e começa a sentir o cuzinho dela esticar….esticar…ser abrir e um minuto depois a rasgar. Marisa deu um grito… gritou.aiiiiii….tira…tira…. e ele dizia- calma meu amor…ta doendo mas depois vc vai viciar…e ficou paradinho ate o cuzinho da menina ir se acostumando. Depois ele volta a se mexer, enfiando um pouquinho o cecete e tirando em seguinda, perguntando a crianca se estava bom…e ela dizia que simmm…. enfiava mais….e tirava….e perguntava se estava bom novamente… e ela dizia sim..
ate que ele a pegou pela cintura com as duas maos, e numa so estocada enfiou tudo ate o saco.
A crianca arfou e Vitor ficou paradinho com o pinto todo dentro dela. Depois ele se abaixou ate ficar na altura do ouvido da entiada e falou. — que delicia de cuzinho….que apertadinho….que gostoso…meu amorzinho…esta gostoso?…ela respondia — uhummm….entao Vitor começou a tirar o pinto ate quase o fim e enfiar todinho de novo…o cu da menina se arregalava. Entao ele a segurou pelos quadris e começou a tirar e enfiar o pinto todo…cada vez mais rápido…mais forte …com mais violencia e finalmente gozou… gozou…gozou…gozou … e encheu o cuzinho a crianca de porra.

Depois que eles terminaram de fuder, os dois ficaram deitados na cama por um tempinho, e ela dormiu. Entao Vitor foi leva-la para a cama, mas antes limpou a porra que já estava seca naquele cuzinho rosa ainda muito infantil. Porem ao fazer isso, o encheu de tesão novamente. O pau novamente fica duro. Entao ele a colocou na cama e comecou a beija-la todinha, peitinho (que nem tinha ainda) xaninha, perninha e cuzinho. E ela acordou. Entao Vitor fez ela se sentar na cama e pediu pra ele lhe chupar.. o que acabou sendo meio sem jeito…mas muito gostoso. Ele gozou dentro da gargantinha da criança.
De lá para cá Marisa cresceu. Aos 9 sua mae os pegou tranzando na cama do casal. Vitor achou que ia pra prisao depois disso, mas a mae da garota apenas avisou que ia tomar um banho pois estava cançada e deixou os dois no quarto sozinhos novamente.
Com o tempo, Vitor comecou a comer a criança msm com a sua mae em casa. Sua mulher nao falava nada a respeito, e ele adorava fuder a buceta da sua esposa e a da criança varias vezes por dia.
Aos 12 Marisa engravidou. E sete anos depois, o filho do casal comecou a assistir tv com seus pais de madrugada, mas essa é uma outra estória…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,70 de 10 votos)
Loading...