Sou corno mansinho e feliz

Depois de uma semana com a casa de praia lotada de parentes,finalmente tinha acabado o carnaval e todos se foram.
Era quarta feira de cinzas, bem cedo, e finalmente eu e minha esposa pudemos dormir juntos em nossa cama,pois durante todo o carnaval, com a casa cheia,mulheres e crianças dormiam nos quartos e os homens dormiam espalhados pelos outros cômodos.
Acordei cheio de tesão e vi lu,toda arreganhada de bruços, com a calcinha toda enterrada no bundão. Passei a mão e deslizei o dedo sob a calcinha, seu cuzinho quente piscou ao contato, fui até a buceta, estava ensopada.
Ela então suspirou , abrindo as pernas, deixando o dedo deslizar pra dentro de sua xana.
Tirei a pica ,e de ladinho ajeitei no cu dela.
"Hummmm amor, tô loco pra meter"
Ela então empinou bem a bunda e disse:
"Vai logo, fode, mas hoje eu tô a fim de gozar na pica de um macho de verdade"
Só em ouvir àquilo,eu já estava quase gozando.meu pinto é pequeno e fino(14×3cm)’deslizou fácil pra dentro do cuzinho dela , em três minutos, já havia gozado.
Fomos juntos pro banheiro, lu ,sentada no vaso expelia a porra q eu havia depositado no cu dela, enquanto dizia:
"Vamos até a vila de pescadores, quero ver se encontro o Juvenal."
Juvenal é um pescador nativo do local,q sempre nos fornecia peixe, lu já tinha me confidenciado ter uma quedinha por ele, mas ainda não tinha tido oportunidade.
Conheço bem minha esposa, q sempre consegue seus objetivos, principalmente se for homem, pois o q não lhe falta são atributos. Além de provocante , lu , com seus 42 anos tem um belo corpo, seios médios e firmes,coxuda e uma bunda enorme durinha e empinada.
Mesmo antes de casarmos eu sabia q não seria macho , o suficiente , pra satisfaze-la na cama, com meu pintinho e minha ejaculação precoce,logo , com menos de um ano de casados, eu já tinha ganhado meu primeiro par de chifres.
Doeu um pouco no início, mas logo me acostumei, já não bastava saber , q era um corno, eu queria assistir ela , fudendo e gozando na pica de outro macho.
Naquela manhã,lu, colocou seu biquinho branco q deixava seu bundão exposto, e a raxa de sua buceta bem evidente. A parte de cima cobria apenas seus mamilos entumescidos .
Enquanto se perfumava , fazia recomendações:
"Se Juvenal ficar tímido com a sua presença,vê se não embaça e cai fora"
"Claro amor, fica tranquila" respondi, já de pau duro.
A praia estava deserta, ainda não era 8 da manhã, quando chegamos na vila de pescadores. No pequeno pier, estava ancorado o barco do Juvenal, q logo apareceu na proa, acenando com um largo sorriso.
Juvenal havia chegado de uma pesca noturna e nos chamou pra ver os pescados. A pescaria tinha sido boa, junto com ele estava seu ajudante, q tinha o apelido de tisão, um negro de uns 35 anos, alto e magro. Juvenal é um 40tao moreno , bonito , de estatura média.
Os dois tomavam cervejas, comemorando o fim da boa pescaria.
Enquanto admirava os peixes, lu tirou a canga expondo seu corpão aos olhos atentos da dupla.
Sorridente ,provocante e insinuante, lu , logo iniciou seu jogo de sedução. Enquanto conversava animadamente entre os dois, já bebericava no copo do Juvenal, deixando se roçar entre um e outro no barco apertado.
Tição já apresentava um enorme volume sob seu surrado short fino de jogador de futebol, enquanto Juvenal e lu trocavam olhares.
Como sempre faço, fico submisso e finjo não notar nada.
Meia hora depois, todos tomavam cerveja sentados na proa. O efeito da bebida , deixava lu mais risonha ,provocante e receptiva.
Sentada ao lado de Juvenal ,os dois cochichavam e sorriam, roçando as pernas, enquanto tição, sentado em frente, não tirava os olhos de suas pernas abertas, expondo propositalmente a raxa de sua buceta carnuda e depilada.
Juvenal havia lhe dito algo, quando ela gargalhou, e disse:
"Não se preocupem, meu maridão adora, ele é bem mansinho, só veio assistir, né Mozão?"
Minha esposa já tinha a mão pousada sobre o pau de Juvenal, q já a abraçava, me olhando curioso. Então dei o sinal verde.
"Mete logo a pica nessa putinha, ela tá louca pra fuder"
Enquanto os dois se beijavam na maior pegação, tição q já havia desembanhado sua espada, se masturbava em frente . Seu picão preto era enorme, grosso e cabeçudo. Ainda sem jeito , ele me olhou e disse:
:"Com todo respeito…sua mulher é gostosa pra caralho"
"Vai deixar seu amigo comer sozinho?! Dá a pica pra ela chupar!"
Logo estavam os três deitados, sob uma lona q eu tinha estendido no assoalho da popa, enquanto eu me masturbava, confortavelmente sentado, tomando uma cerveja bem gelada.
Minha mulher,se revezava entre os dois, beijando e mamando suas picas, enquanto quatro mãos nervosas, deslizavam sobre seu corpo nu. Dedos ágeis, penetravam em sua buceta ensopada e no cuzinho úmido.
Logo ela se pôs de quatro pra mamar a pica do tisão, e Juvenal, logo caiu de boca , revezando a língua entre o cu e a buceta, fazendo minha mulher suspirar de prazer. Ela então olhou pra mim , e mostrando a Jeba do negão, disse:
"Vê corninho, isso q é piroca, não essa mijaria q vc tem entre as pernas"
Tisão sorriu, vendo minha passividade, enquanto eu respondia:
"Quero ver essa naba preta sumir inteira dentro do seu cu"
Nesse momento, Juvenal cravou a pica na buceta dela. Mesmo com a boca cheia, lu deu um gemido abafado.
De onde estava , via a pica do pescador sumir inteira dentro dela, com estocadas rápidas e profundas.
Meu pau latejava de tesão,com a maravilhosa visão, logo minha esposa gozava em espasmos, rebolando e gemendo na rola do macho
Não demorou pra q Juvenal tbm gozasse, enchendo sua buceta de leite.
Assim q tirou a pica babada, tição logo foi ocupar o espaço deixado pelo amigo.
Ao ver a buceta espumando e pingando porra o negão me olhou, então falei:
"Mete no cu dessa puta, ela guenta!"
Sorrindo, tição abriu suas nádegas, cuspiu no cu dela é pincelou o cabeção na portinha.
Lu arrebatou a bunda e virando pra ele , disse:
"Vem Nego, fode gostoso, mostra pra esse corno como se come um cu"
Já assistir minha esposa dar o cu outras vzs, mas nunca , pra alguém tão bem dotado. Assim q a chapeleta deslizou inteira pra dentro, lu deu um urro:
"Hummmm aiiii meu cu…vai soca, me rasga toda com esse picão, safado"
Tição agarrado em sua cintura , socava a pica com força, murmurando:
" Delícia de cu apertado…toma no rabo safada, vou te arrombar toda"
Só em ouvir, gozei, sob o olhar atento da safada, q entre gemidos ,falou"
"Tá realizado né galhudo ruim de pica?!
Sorri, concordando com ela, admirando a performance do negão, q bombava a pica sem parar.
Depois de uns quinze minutos, lu já tinha gozado em espasmos por três vzs, só então tição, anunciou o orgasmo:
"Toma porra no cu, gostosa… tô gozaaaaanndoooo!!!
Vi a trolha do negro sair pingando do cuzao da minha mulher, q permaneceu de quarto, sabendo da bela visão q estava me proporcionando.
Ela então se virou e disse:
Tá satisfeito safado? Vem logo me limpar.!
Me agachei por trás dela , e cai de língua em sua buceta e cu ensopados com os sensores dos machos. Por longos minutos solvi toda a gosma, sob os olhares admirados dos pescadores.
Durante toda a manhã, minha esposa foi objeto de desejo dos dois, q a fuderam de todas as formas possíveis. Tudo sob meu olhar atento.
Essa foi apenas uma, de tantas outras aventuras q já tivemos. Se gostou é só deixar seu comentário e imail.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 1 votos)
Loading...