Putinha por encomenda

Autor

Bom, meu nome é lohaniepie, tenho 16 anos, olhos castanhos bem grandes, boca carnuda, nariz fino, peitos médios com biquinhos pequenininhos e lindas marquinhas de biquíni, cintura fina, um bundao adorado para tapas e uma bela bucetinha depilada.
Sempre fui muito putinha, desde os meus doze anos já mandava foto dos meus peitinhos e bucetinha pra quem pedisse, exibicionista desde cedo, porém o meu tesao cresceu a níveis absurdos depois de ter dado pela primeira vez [leia meu outro conto] e eu não parava de assistir porno e ler contos eróticos sobre nada mais nada menos que BDSM.
Eu me molhava inteira assistindo vídeos de mulheres amarradas levando chibatadas, beliscões e sendo fodidas de forma bruta e sem piedade… eu estava desesperada para ter um Dom
Apesar do meu fetiche, sempre fui muito independente e usava os homens como uma válvula de escape da realidade, estava sempre sentada numa pica diferente, mas nenhum fazia do jeito que eu queria, nenhum me tratava do jeito que eu queria ser tratada
Até que um dia, em um grupo no facebook estavam fazendo estavam fazendo uma nude tour(é uma brincadeira em grupos onde mulheres e homens mandam nudes em determinada postagem) e eu obviamente queria participar, porém sem apresentar meu nome, então mandei as fotos que eu queria que fossem postadas para o dono da página posta-las para mim no anonimato, eram apenas semi-nudes mas mesmo assim senti que o cara havia se interessado, seu nome era Carlos.
Ele postou minhas fotos na tour e foram muito aclamadas, muitas pessoas pediram para que eu tirasse as roupas de baixo e ele estabeleceu uma meta para que eu fizesse isso, basicamente me vendendo por likes, meus nudes fizeram com que aquela nude tour deixasse de ser apenas de pirocas e passasse a ter uma bucetinha de qualidade, modéstia à parte kkk
Bom, além de me vender pelos likes Carlos passou a me pedir nudes para si mesmo e eu mandava, o que eu tinha a perder? Ele já tinha visto tudo mesmo…
Continuei participando das tours de nudes e ficando cada vez mais famosinha no grupo e segui mandando meus nudes para ele.
Carlos me tratava de um jeito que nenhum homem me tratará antes, me chamava de sua putinha, me fazia lhe mandar áudios implorando pra receber o leitinho dele, me mandava lhe enviar nudes de onde quer que eu estivesse, e eu o fazia kkkk,e como fazia, perdi a conta de quantas vezes pedi licença da aula para ir ao banheiro e lá tirei fotos para enviar para ele, cheguei a mandar nudes de dentro do banco, em praças, no meio da sala de aula, na quadra…
Até que chegou o dia em que ele me pediu para ligar pra ele em vídeo, e eu prontamente aceitei, estava terrivelmente curiosa para conhecer o rosto do cara para quem eu tanto gozava por vídeos.
Mas não foi daquela vez, e nem de nenhuma outra, nunca vi seu rosto e era submissa dele sem questionar.
Quando eu atendi a chamada por vídeo já estava trancada num banheiro, completamente boazinha, como ele havia me mandado ficar, e com prendedores nos bicos do peito, ele me mandou ficar de quatro, apoiar o celular em algum lugar e abrir bem a minha bunda pra ele, lhe dando uma visão mais do que privilegiada do meu cuzinho e começou a me xingar de vadiazinha gostosa, me disse que se ele estivesse perto não teria mais prega nenhuma naquele meu cuzinho virgem e o quanto era um pecado eu nunca ter dado ele.
Eu só ficava cada vez mais molhada e ele me pedia pra bater uma siririca de quatro enquanto abria a bunda pra ele, lhe proporcionando uma visão da minha bucetinha levando dedada e do meu cuzinho nunca fodido.
Como eu estava num banheiro, não demorou para ele perguntar se havia alguma escova de cabelo por perto e eu prontamente encontrei duas, o que o deixou mais do que satisfeito,
Ele me fez apoiar o celular de frente para o meu corpo, lhe dando uma visão dos meus peitos com prendedor e a frente da minha buceta e me mandou segurar uma escova no chão e sentar com a minha buceta nela, e eu já acostumada a levar chumbo lá comecei a sentar.
Quando ele percebeu que aquilo estava muito fácil para mim me mandou tirar e voltar com os dedos.
Comecei metendo um só, e ele prontamente me chamou de vadia sem vergonha e me mandou enterrar logo pelo menos 3 dedos na minha buceta larga, e eu comecei a lentamente introduzir os dedos na minha já muito bem lubrificada bucetinha.
Quando o quarto dedo já havia sido introduzido ele me mandou parar e meter o cabo da escova na buceta até o fim, e lá deixar.
Me mandou ficar de costas para ele é começar a meter um dedo no meu cuzinho, e a muita custa eu o fiz, já que estava proibida de inserir aquele primeiro dedinho com qualquer tipo de lubrificante, quando já havia me acostumado com um dedo ele me mandou colocar outro e meter, me permitindo o cuspe como lubrificante, eu cuspi nos meus dedos e acariciei a entrada do meu anelzinho com a ponta dos dedos, enquanto ele via tudo, e comecei a meter e tirar dois dedos do meu cu, com certa lentidão, confesso.
Após ter laciado um pouco mais meu buraquinho até então lacrado ele me mandou enfiar o cabo da outra escova lá, e sentar nele como se fosse numa pica. Novamente untei de baba, apoiei a escova no chão e mirei a ponta no meu cuzinho e comecei a descer minha bunda, a sensação de ter duas escovas dentro de mim, separadas por uma camada fina de carne foi sensacional e eu logo estava sentando cada vez mais rápido naquela escova, sem nunca tirar a outra ou os prendedores.
Após muito me xingar ele me mandou parar de sentar naquela escova, meu cu já havia ficado com uma abertura absurda, e ele me mandou tirar tudo que estava em mim. E ficar novamente de quatro com a bunda virada pra ele, e assim fiquei, ele me mandou meter três dedos no meu cu, e o fiz sem maiores dificuldades, meti três dos meus dedos até o talo do meu cu, mas ele não estava satisfeita, então me mandou meter 4 dedos no meu ânus, sem passar um por cima do outro, e eu, já chorando com a mão no cu ameacei a pestanejar em seguir suas ordens.
O tom de voz dele mudou bruscamente, ele me lembrou de que eu não era nada mais que um pedaço de carne facilmente substituível para ele é de que se eu não o agradasse seria descartada igual o lixo que eu era, e então eu meti quatro dos meus dedos no meu cu
Eu chorava com a dor das minhas pregas sendo arregacadas e ele me mandava meter mais e mais fundo, dizia que estava quase gozando vendo a minha cara de puta recebendo o que eu merecia.
E então ele me mandou tirar a minha mão, que por um dedo não estava inteira no meu cu até poucas horas virgem e usar a minha mão para abrir o meu cu arregaçado, para que ele pudesse gozar olhando o estrago que me mandou fazer.
E assim eu completei a minha primeira ligação como submissa ao meu dom.

Essa história é verídica, com alteração de nomes, espero que tenham gostado, comentem o que acharam e se gostarem talvez eu conte contar outras histórias
Beijo grego em todos

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 2 votos)
Loading...