,

O meio irmão da minha noiva

Há 9 meses Por 14 ★ 4.75

Quando minha namorada Sabrina tinha 9 anos, seus pais adotaram um menino negro chamado Sandro que tinha 10 anos, os dois cresceram juntos e sempre tiveram um grande carinho entre eles e quando Sandro fez 19 anos, conheceu uma garota e foi morar com ela, nessa época eu já namorava Sabrina, então ficamos cerca de dois anos sem notícias dele.
Um dia ficamos sabendo que Sandro havia sido preso por receptação de drogas, minha noiva logo quis fazer uma visita, mas seu pai a proibiu, ela me disse que ia escondido, eu fui contra, mas acabei levando-a até o presidio.
Minha noiva havida se vestido como se veste normalmente, um vestido floral, com um decote comportado e que ia até a metade das coxas, bem soltinho, um sutiã rosa e uma calcinha fio dental rosa, não é por maldade, ela só usa calcinha fio dental e uma sandália gladiadora.
Ela não sabia, mas foi justamente no dia em que os presos recebem a visita intima e como não havia forma de provar que ele era seu irmão, até mesmo porque ele era negro e ela bem branquinha, ela se apresentou como namorada dele e foi encaminhada para uma cela própria para manter relações sexuais com o ele, era um quartinho até bonitinho, nem parecia que estava numa prisão parecia um quarto humilde com paredes azuis e alguns moveis decorativos, ela sentou na cama e ficou aguardando, ao velo eles se abraçaram e ficaram conversando por um tempo, foi quando Sandro se deitou e a puxou para junto de si, ela inocentemente deitou junto ao irmão que já não via durante esse tempo e ele lhe contou que já estava há um tempão ali sem mulher e queria muito dar uma e já alisava as coxas dela com malicia, disse que podiam dar uma rapidinha lá que ninguém ia ficar sabendo e já apertava a bunda de Sabrina, que por sinal é um bumbum de médio para grande, bem redondinho.
Ela ao perceber as intenções do irmão, quis se levantar e ele segurou seu braço mantendo a em baixo dele, logo em um puxão ele arrancou rasgando a calcinha de Sabrina, minha noiva tentava se soltar, mas ele era muito mais forte do que ela, ele começou a masturba-la e dizia em seu ouvido:
“Ah maninha, sua bucetinha é tão lindinha, é bem gordinha e está bem quentinha.”
Foi quando ele pôs seu enorme pênis para fora da roupa e ela via seu pau negro pulsando cheio de veias, ela olhou para ele assustada e pediu:
“Não faz isso Sandrinho, você é meu irmão e eu estou noiva do Lucas…”
Ele já a dedava e dizia que ela estava meladinha, enfiou dois dedos fazendo-a gemer e depois mostrou pra ela como sua buceta estava húmida e passou os dedos melados na cara dela e depois lambeu seu rostinho.
Ele continuou a masturbando e lambendo sua orelha, isso a deixou mais excitada, se melando ainda mais, logo ela apertava a colcha da cama com suas mãozinhas e não conseguia conter o gemido e foi ao vela ofegante que ele disse:

"Vou colocar meu pau agora, abre as pernas."

Sabrina sem raciocinar direito e confusa pelos sentimentos de saudade do irmão carinho e o tesão que aquilo estava lhe proporcionando, não resiste e abre as pernas se arreganhando pra ele, que direcionada a cabeça do pau e vai enfiando em sua bucetinha até tocar o fundo, ela só geme sentindo aquele caralho grosso arregaça-la e quando vê o pau do irmão no meio de suas pernas, pergunta pela camisinha, no que ele responde que hoje era só prazer, ela recosta a cabeça no travesseiro e passa as duas pernocas em volta da cintura do seu irmão aceitando de vez o acasalamento.
Sandro gemia e dizia:
“Que xoxota deliciosa… hummm… vou bomba-la todinha"

minha noiva já entregue ao prazer, começa a rebolar gemendo e abraçando o irmão em quanto pedia para ele come-la, Sandro já bombava rápido dentro de Sabrina e minha noiva revirava os olhos pondo a língua pra fora de prazer em quanto seu irmão a comia e olhava em seus olhos dizia:
"Aaahhhhhh que delicia, se eu soubesse que você era tão gostosa já teria te comido antes, que buceta meladinha e quentinha.”
Nesse momento ela estava gozando e passou a gritar:
“Ai que tesão, ai que delicia, me fode Sandro, fode essa sua irmã safada, seu cachorro.”
A foda já durava 20 minutos e ele gemendo forte respondeu:
"Aaaahhhh, não aguento mais, vou gozar!"

Sabrina sentindo a rola de seu irmão se expandindo dentro dela, sentiu mais prazer, mas sabia que ele não deveria gozar dentro dela, pois ela não estava tomando nenhum remédio e estava muito perto do seu período fértil, ela quis falar para ele não gozar dentro dela, mas ficou muda, a voz não saia e com o prazer só fazia rebolar gostoso e se arreganhar ainda mais para o irmão que a bombava forte, feito um touro em cima dela, fazendo a cama ranger, o jato de porra veio violentamente para dentro de sua vagina, regando seu útero em quanto Sandro urrava feito um urso, ela tentava dizer não, mas só saiam gritinhos agudos que serviam apenas para aumentar o prazer de seu irmão em quanto gozava, deixando Sabrina inundada de porra.
Ele ficou alguns minutos em cima dela, recuperando o folego, quando ela ia finalmente argumentar e repreende-lo pelo ato, o policial bateu na porta, mandando-os sair, pois outro casal aguardava para usar o quarto, nem deu tempo dela usar o banheiro e se limpar, seu irmão pegou sua calcinha e ficou limpando o pau com ela, em quanto ela só fez descer o vestido e veio para o portão escoltada pela guarda, ao chegar no carro ela estava meio descabelada e pálida, não liguei os pontos, apenas perguntei se estava tudo bem, ela chorava, nem vi que descia porra pelas pernas dela, eu a consolei dizendo que ele ia se livrar dessa, ela apenas me abraçou e não disse nada, só fui saber de tudo isso, dois meses depois, ela me dizendo que a menstruação não veio e que estava tendo enjoos e contou dessa transa com o irmão dizendo que estava muito arrependida de ter feito isso e disse que se eu a amava mesmo, assumiria a criança.
Eu fiquei sem saber o que fazer e falar, afinal eu nunca a trai e sempre contei tudo a ela, mas confesso que sempre que lembro como ela foi me contando os detalhes, não consigo resistir e bato uma punheta gostosa pra caralho, acho que vou assumir, mas quero ver se ela vai de novo ver o irmão, afinal ela ainda tem um anus bem rosadinho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,75 de 4 votos)
Loading...

Por ,

14 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Japonês Pintudo

    Mentira da porra

  2. Marko

    Sem contar que todos os contos agora ( continua ) o cara escreve meia dúzia de linha e pronto aff vão a merda

  3. Flavio

    E ai oque aconteceu? ele engravidou mesmo ela?

  4. Sabrina

    https://68.media.tumblr/e75a927a6832ab5d68bce2d2b9754bf6/tumblr_p2nvgaAzC51uhovt0o1_1280.png

    mas botem o (. com) depois de tumblr se não da erro.

  5. Sabrina

    http://sabrinasaskia.tumblr.com/image/169779935557

  6. Fanta

    Delicia, delicia pura, espero que ele coma bem muito a Sabrininha kkkk

  7. Grafit 22

    Se você gostou e ela esta satisfeita siga em frente assume a criança.. o que os olhos não ver o coração não sente.

  8. RUAN - PE

    Boa noite Sabrina, adorei o conto e a história, super excitante!

  9. silva

    Teu conto é delicioso e teu namorado quer ser corno do teu meio irmão comedor de te dá prazer continua

  10. Sabrina

    Eu vou parar de escrever para este site, aqui é cheio de trollzinho que não merece contemplar contos de qualidade e com boa escrita como os meus.

    é melhor vocês só verem mesmo os contos bizarros dos doentes mentais e dos analfabetos, mas olhem as tags dos contos antes, para não reclamar de um tema que você viu que estaria presente no conto.

    • DC

      concordo Sabrina tmb to to assim eu já parei muito conto por causa do pouco causo eles só querem ler pornografia não estão nem ai pra historia
      aqui é o DC

  11. dudu safado

    corno a próxima manda ele comer o rabo dela e gozar dentro depois você chupa a porra dele, e quando ele sair da cadeia ele vai ser o macho dela e o bom corno vai pagar as contas dele.

  12. Zé Rolludo

    É corno msm kkkkkk

    • Marcos

      O que mais tem aqui nesses contos é corno Zé. São uns otários que aceitam de boas as traições das vagabundas das namoradas e esposas.