O leke putinha da fazenda do meu tio (REAL)

Autor

Bom, me chamo Carlos, tenho 28 anos e sou advogado. Sou moreno, 1,85 de altura, pratico esportes e tenho o corpo malhado pois faço musculação, 21 cm de rola grossa e sou solteiro. Sou bissexual e já comi muito muleke novo, mas nunca tinha acontecido com menores, até isso acontecer. . Moro em MG e tenho um tio que tem uma fazenda no interior, eu pouco vou lá por conta do trabalho e estudo, mas em uma reunião de família comentei com ele que estava muito estressado e ele me sugeriu de ir lá passar um final de semana, falou que a fazendo estava nos cuidados de um caseiro que morava lá com seu filho se 9 anos, marquei um fds e fui, levei poucas coisas, apenas umas roupas em uma machila já que na casa já tinha de tudo. Peguei o número do caseiro e entrei em contato e fui, chegando na rodoviária ele já estava me esperando pra me conduzir até a fazendo, era bem negro, uns 1,70 de altura mais ou menos lá pelos seu 46 anos mas com o corpo enxuto por conta da lida. Fomos conversando pelo caminho, ele comentou que era pai soteiro, que criava o Lucas desde os 3 anos sozinho pois a mãe teria ido embora, perguntei como era criar um filho sozinho, ele disse que não tinha muito trabalho pois o muleke sumia pra rua e aparecia só na hora de comer, como não tinha escola na região a vida do menino era viver na rua brincando. Chegamos por volta de umas 15hs na fazendo e muleke estava lá nos esperando, ele era um pouco pequeno pra idade dele, mas bem desenvolvido, pernas grossinhas e bunda carnuda e arrebitada. O garoto veio até a gente com um enorme sorriso, acho que estava feliz por ver alguém de fora, me apresentei a ele e entramos. Me acomodei na casa e sai pra pegar um ar, vi o caseiro, e perguntei sobre o muleke, ele disse que já tinha saído de novo, então fui dar uma volta pela propriedade. Ao passar pela frente de um casebre velho de madeira no fundo da fazenda vi um cara saindo de lá, era pardo, aparentava ter uns 35 anos, tava muito suado e sem camisa, logo em seguida o Lucas sai do mesmo local saindo correndo para o lado contrário pra onde o cara foi, voltei a fazendo um pouco assustado e perguntei a seu Zeca quem era, e ele me respondeu dizendo que era o Geraldo, que ele ajudava ele as vezes com os afazeres da fazendo e sempre estava por lá, mas o fato de estarem só os dois dentro do casebre não me saiu da cabeça. Anoiteceu e então fui pra cidade tomar uma cerveja, o seu Zeca foi comigo no carro da fazenda, paramos em um bar movimentado e começamos a beber e bater papo. Não demorou muito encosta com a gente o tal Geraldo, aí pude ver melhor quem era, ele era um cara presença, corpo forte e muito gente boa, ficamos batendo papo e jogando conversa fora. Logo seu Zeca fiz que já vai pois o filho estava só em casa, eu queria ficar mais um pouco então o Geraldo se prontificou a me deixar na fazendo depois, ficamos os dois bebendo. Já estávamos porres e perguntei o que ele fazia no casebre sozinho com o Luca, disse que tinha visto eles saindo, ele me olhou assustado e depois sorriu e comentou com uma cara safada:
-nada de mais Dr. a gente tem que se aliviar de algum jeito né?
E eu entendendo o comentário questionei:
-tu estava metendo rola no muleke?
-sim, ele gosta, já acostumou a tempos, e não é só pra mim que ele da não.
Fiquei maior tesão aquela hora, continuamos bebendo e depois ele foi me deixar na fazenda, ao acordar pela manhã assim que vi o Lucas me veio aquele papo na cabeça, esperei até a hora que ele sumiu para fundo do quintal o fui atrás, fui pelos fundos e achei uma brecha pra ficar olhando o que ia acontecer, ele fica sentado uma cadeira velha que estava lá, uns 20 min depois chega o Geraldo, ele já chega botando a rola pra fora e muleke começa a mamar, ele tinha uns 20cm de rola mas mais grossa que a minha, o muleke mama muito e eu fico esperando ele gozar na boca do muleke, depois de muito fuder a boca do Lucas, ele o levanta e põe ele de 4 na cadeia, ele ficou de frente pra mim de costas pra ele, vi Geraldo se abaixar e começar a chupar o cuzinho do muleke, logo depois ele cospe na mão passa na rola e começa a penetrar o muleke, percebo que ele socou tudo quando o Lucas fecha os olinhos da um gemido auto e vejo sair uma lagrima do seu olho. Geraldo fica uns 5 minutos parado e depois começa a socar, primeiro lento mas depois de uns 10 minutos já estava socando que nem um cavalo no cuzinho do muleke, pegava ele pela cintura e mandava ver, eu a essa altura já estava batendo uma, quando vi Geraldo inclinar a cabeça pra trás e urrar bem forte, eu gozo junto com ele na punheta. Ele tira o rolão de dentro do muleke que só faz subir a bermudinha se sai do casebre correndo pra brincar com o cu cheio de porra. Eu tento sair sem fazer barulho mas quando passa pelo salo do casebre Geraldo me ver… continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 5 votos)
Loading...