O guri me acalmou!

17-01-18 Por 5 ★ 3.75

Estava no sitio no fim de semana, sábado amanheci no cio, uma tesão, uma vontade louca de foder, eu estava inquieto, mas não queria nem cadela, nem égua, queria uma coisa diferente, um cuzinho.
Tomei café, e continuei inquieto, o pau a meia bomba, e aquele desejo enjoado, pensei em dar uma chegada lá no Elço, e convidar de novo o pingo para passar o fim de semana comigo, mas pensei que podiam desconfiar de eu sempre convidar o guri para vir na minha casa. Tratei de arrumar alguma coisa para fazer, e me aquietar. A grama ao redor da área estava alta, resolvi cortar, estou lá cortando a grama quando ouço um Oi, me viro e vejo aquele guri do conto comi os seis, aquele que não foi na barraca, mas que dali dois dias foi na minha casa para me dar cuzinho. Disse oi, tudo bem? Nesta hora o pau estufou a bombacha, onde está indo perguntei, e ele disse estou indo no bolicho buscar umas coisas para minha mãe, estava um dia ensolarado, muito quente, e eu peguntei quer entrar um pouco, tomar um refri, descansar. Ele disse só se for um pouco eu não posso demorar muito.
Entrou, servi um refri para ele, enquanto ele tomava eu sentei do lado dele e comecei a fazer umas caricias nele, ele sorriu e disse eu sabia por que tu me convidou para entrar, eu também quando te dei oi estava esperando que me convidasse para entrar.O pau estava tão duro que chegava doer, eu estava completamente no cio, convidei ele para o quarto, enquanto ele caminhava na minha frente eu já ia atrás, passando a mão na bundinha, beijando a nuca cheio de tesão, ele entrou no quarto tirou a bermudinha e deitou de bruços com aquela bundinha linda para cima, tirei minha bombacha e cueca, deitei do lado dele e comecei a beijar, acariciar, passar as mãos por todo o corpinho dele, esfregava o pau na bundinha, nas coxas, eu estava em extase, cuspi bem naquele cuzinho, montei em cima, encaixei a cabeça da piça na portinha, me deitei em cima dele, botei meus braços por baixo dos dele, segurei com os dentes a orelhinha dele, e empurrei, aquele cuzinho foi laceando, e a cabeça entrou, ele chorou um pouquinho, cravou os dedos no travesseiro, era a segunda vez que ele dava o cuzinho, a primeira também tinha sido minha, fui empurrando o pau devagar até sentir meus bagos se acomodarem nas nadegas dele, comecei uma foda gostosa, lenta cadenciada, fiquei só no jogo das ancas, tirava e colocava de novo e dava uma acarcadinha que minhas nadegas davam aquela contraída, beijava bastante ele, chamava de gostosinho, tesudinho, minha mulherzinha, doçura e mandava piça, quando veio a vontade de gozar, comecei a gemer como doido, me agarrei bem nele, colei meu corpo no dele, ele também gemia de prazer, era leite que não parava mais, ficamos um bom tempo agarradinhos, uma hora ele passou a mãozinha no meu rosto me fez um carinho, e disse tu é o meu homem, meu marido, só dou meu cuzinho para este pau que eu adoro, aquilo me enlouqueceu, apertei ele, beijei, me apertei contra ele.
Saí de cima, levei ele no banheiro, ele foi no vaso e botou um monte de leite para fora, lavei a bundinha dele no chuveirinho, colocou a roupinha e se foi, eu guardei a maquina de cortar grama, me deitei no sofá, e fiquei ali, relaxado, calminho,tinha apagado meu fogo, passei um dia bem tranquilo, bem zem.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,75 de 4 votos)

Por

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Fábio S

    Belo conto, acredito que aguenta, ainda mais depois que eu vi uns vídeos de meninos bem mais novinhos com uma piroca no cuzinho

  2. Anônimo

    obrigado pela lembrança,gostei do teu conto

  3. Sérgio

    Gosto de contos com muita foda. Sou tarado num pau grande e grosso pra chupar e sentar bem como beber o creme delicioso.

  4. bazooka

    trocas [email protected]

  5. Anônimo

    Delícia